terça-feira, 15 de agosto de 2017

Carteira de Motorista terá versão digital em 2018

A carteira de motorista vai ganhar uma versão digital com o mesmo valor jurídico da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) impressa. Dirigir sem habilitação dá multa de R$ 88,00 e três pontos na carteira. Mas a partir de fevereiro de 2018, o motorista vai poder levar a CNH de outra forma. É quando entrará em vigor em todo o país a Carteira Nacional de Habilitação eletrônica, em um aplicativo de celular e com o mesmo valor jurídico da versão impressa.

O aplicativo dá acesso à frente da carteira com a foto do motorista; ao verso, com a assinatura e data de emissão; e a uma tela com um QR-Code, que será usado pelo guarda de trânsito para conferir a autenticidade do documento. O motorista só precisa de internet no primeiro acesso, depois disso a carteira fica salva no celular. Só poderá ter a CNH no celular quem já tem a versão impressa mais moderna, que já vem com QR-Code.

O Detran de cada estado ainda vai definir se a carteira eletrônica será cobrada e qual o valor. O ministro das Cidades diz que a habilitação de papel, por enquanto, não vai deixar de existir.
– A carteira de habilitação impressa continua valendo, mas a tendência é que cada vez mais se opte pela carteira digital, que é muito mais prática a sua portabilidade – disse o ministro Bruno Araújo.

Segundo o governo, o sistema de carteira digital é totalmente seguro. O documento será criptografado. O estado de Goiás será o primeiro a usar o sistema, como teste, a partir de 30 de setembro.

Dúvidas
O que é preciso para tirar?
A CNH digital deverá ser obtida por meio de um aplicativo, que estará nas lojas oficiais da Apple e do Google (para aparelhos Android) a partir de fevereiro próximo. Após baixar o aplicativo, o motorista terá que optar entre usar um certificado digital (pago), para fazer todo o processo pela internet, ou ir até um posto do Detran para se cadastrar.

É preciso fazer cadastro no Portal de Serviços do Denatran. Depois disso, o usuário fará o “login” no aparelho que utilizará a CNH digital. Neste primeiro acesso, será gerado um PIN (código) de segurança, criado para poder visualizar os documentos. A CNH-e só poderá ser emitida para quem tem a nova CNH, com QR Code, um código específico para ser lido por aparelhos eletrônicos que existe nas carteiras de habilitação emitidas desde maio último.

Quanto custará? Quem tem a CNH impressa terá de pagar para ter a digital?
O Denatran diz que a cobrança de possíveis taxas para emissão da CNH digital ficará a cargo dos Departamentos Estaduais de Trânsito (Detrans). São eles que determinam atualmente os valores das taxas da CNH impressa, que variam de estado para estado. O Detran-SP afirmou que ainda não tem nenhuma definição sobre cobrança do documento digital.

É preciso ter certificado digital?
Não é obrigatório, diz o Denatran. O certificado digital, que é uma assinatura eletrônica com a mesma validade da assinatura física, e possibilita realizar operações pela internet, vai permitir que todo o processo de obtenção da CNH digital seja feito onde o motorista estiver. Caso contrário, ele terá de ir até o Detran. O certificado digital é pago e oferecido por entidades credenciadas, como os Correios e a Serasa. Em ambos, o pacote de um ano do certificado digital custa R$ 164,00. Os Correios também oferecem o serviço por 36 meses por R$ 267,00.

É segura? E se roubarem meu celular?
O Ministério das Cidades afirma que há um conjunto de padrões técnicos para suportar um sistema criptográfico que assegura a validade do documento. A autenticidade da CNH digital poderá ser comprovada pela assinatura com certificado digital do emissor (Detrans) ou com a leitura de um QRCode, mas isso não quer dizer que será preciso ter sinal de internet para acessar o documento.
Mas sempre será necessária uma senha de 4 dígitos para abrir CNH digital, diz o Serpro. Caso o smartphone com a CNH digital seja roubado, o usuário deverá bloquear o documento. Se tiver o certificado digital, ele poderá entrar no Portal de Serviços do Denatran e solicitar o bloqueio remoto. Caso contrário, terá que ir até algum posto do Detran.

E se não tiver sinal de internet ou wi-fi onde o guarda pedir minha CNH?
Não há problema. De acordo com o Denatran, será necessária conexão com a internet somente no primeiro acesso, depois, a CNH estará disponível off-line. O acesso é feito com uma senha de 4 dígitos, afirma o Serpro.

Qual a multa para quem esquece a CNH?
Segundo o Detran-SP, quem tem habilitação, mas não está com o documento ao dirigir, comete infração leve, com multa no valor de R$ 88,38, mais 3 pontos na carteira. O veículo fica retido até a apresentação do documento.

Na Câmara dos Deputados existe um projeto que extingue a multa para quem esquecer a CNH. Ele já foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça e da Cidadania (CCJ) e deveria seguir para o Senado, mas, até a última quinta-feira (27), ainda estava na Mesa Diretora da Câmara, para julgamento de um recurso. Passando pelo Senado, precisará também da sanção do presidente Michel Temer para valer.

Fontes: Jornal Nacional/Site Pé Na Estrada/Agora no Planalto

sábado, 12 de agosto de 2017

Ser Pai

*Francisco Azevedo
Ser pai é ser um forte guerreiro
Que enfrenta se preciso o mundo inteiro
Para prover para os seus o bem estar.
É sair de manhã esperançoso
E voltar com o coração cheio de gozo
Por seus filhos, pela esposa e por seu lar.

Ser pai é enfrentar com galhardia
A batalha que se trava a cada dia
No afã de ser fiel ao seu dever.
É ser mestre, capitão, guia constante,
É ter na alma uma esperança radiante
Que o ajuda a jamais desvanecer.

Ser pai é possuir dignidade
No trato com os filhos falar sempre a verdade
Exercer seu cargo com prazer e atenção.
É considerar sua família o seu maior tesouro
É saber misturar em rica taça de ouro
A justiça e o amor, a coragem e a mansidão.

Ser pai é alcançar felicidade
Nos seus filhos queridos e na mulher de verdade
Que o ama com ternura sem se fatigar.
Feliz o homem que ao sair ganhando a vida
Leva no pensamento sua esposa querida
Que ansiosa aguarda sua volta ao lar.

Seguindo a estrada, as vezes, forasteiro
Avança o pai ilustre companheiro
Cumprindo com valor sua missão.
Entoa um cântico de vitória lindo
E avança hora chorando hora sorrindo
Levando os filhos dentro do seu coração.
*Francisco Azevedo (à esquerda) era poeta, escritor, músico e letrista. Nasceu em Rio Bonito-RJ; em 03/02/19246. Faleceu aos 68 anos, na manhã de 18/04/2014, vítima de um câncer no fígado. O poeta deixou centenas de canções e poesias, dois livros publicados e uma lacuna que jamais se fechará em meu coração.

Flávio Azevedo – Jornalista e filho do poeta.

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Associados decidirão destituição do presidente do Hospital Darcy Vargas no próximo dia 20

Flávio Azevedo
O Hospital Regional Darcy Vargas tem passado por sucessivas gestões atabalhoadas e as suspeitas são recorrentes.
Como eu havia anunciado há algumas semanas, no próximo dia 20 de agosto, no Esporte Clube Fluminense, os associados do Hospital Regional Darcy Vargas (HRDV) estarão reunidos em assembleia para tratar da destituição do presidente da entidade, José de Aguiar Borges, o popular Kaki. Segundo as nossas fontes, não são poucas as razões para esse pedido, que parte do Conselho Deliberativo e Fiscal. De acordo com Edital de convocação, a assembleia será aberta às 9h. Cerca de 270 associados estão sendo aguardados no encontro. De acordo com o Edital, o pedido de destituição do presidente está embasado no Artigo 18, Alínea h; e no Artigo 47 do Estatuto Social do HRDV.

Uma das questões polêmicas em assuntos relacionados ao HRDV é a questão dos associados com mensalidades em aberto. O Estatuto define que só poderão ter voto na assembleia, os associados que estejam em dia com a mensalidade. Pensando nisso, os integrantes do Conselho Deliberativo e Fiscal decidiram deixar de plantão, durante a assembleia, um integrante da Tesouraria. Se o associado deseja votar, mas não está em dia com as suas mensalidades, ele poderá quitar o débito na hora.

Lembro que puxa sacos de Kaki tentaram desqualificar as minhas postagens e reportagens sobre os atos questionáveis do presidente do HRDV. Eu não sou maluco, nem irresponsável! Sabia o que estava dizendo e tinha plena confiança em minhas fontes. Eu havia dito que a assembleia aconteceria no dia 20/08 e havia dito que o tema da assembleia seria a destituição de Kaki. Também disse que o presidente do HRDV deveria ter centrado os seus esforços em responder os questionamentos dos conselheiros e não ficar perdendo tempo tentando identificar as minhas fontes.

No próximo dia 20 de agosto, nós estaremos na assembleia para ver qual será a chorumela do presidente, o que dirá a sua fada madrinha para defendê-lo (ou se vai deixa-lo na pista) e que tipo de posicionamento apresentará os associados. Aproveito a oportunidade para cumprimentar os integrantes do Conselho pela firmeza e por abrir mão do habitual espírito “vaselina”, uma conhecida característica de nós riobonitenses. #flavioazevedo

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

A lei municipal 1199 é o retrato da hipocrisia que domina Rio Bonito

Flávio Azevedo
A publicação da aposentaria de uma servidora da Prefeitura Municipal de Rio Bonito (PMRB) gerou estranheza, indignação e perplexidade entre os riobonitenses, principalmente entre os servidores ativos e inativos da Prefeitura. A surpresa não foi exatamente a aposentadoria, mas o valor que será pago a servidora, cerca de R$ 11 mil. A aposentadoria de outra professora, também importante no cenário político (essa terá remuneração de R$ 7 mil), também tem gerado polêmica. Esses estranhamentos provam que Rio Bonito é povoado por “Alices” (gente que vive no “País das Maravilhas”). Aqueles que não são “Alices” vivem em Nárnia, lugar fantasioso da obra do escritor irlandês, Clive Staples Lewis. 

Essas afirmações podem ser feitas com segurança, porque há anos classificamos como uma das maiores aberrações da história política de Rio Bonito, a tal “Lei de Incorporação” ou “Lei 1199”, como também é conhecida. Para os mais desatentos é bom destacar que esse instrumento foi criado exatamente para aposentar privilegiados com altos salários. E para quem não lembra, em 2012, quando o Estatuto do Servidor foi revisado, aprovado pelo Legislativo e sancionado pelo poder Executivo, a “Lei 1199” foi incorporada ao novo Estatuto. Hoje, essa aberração é um direito estatutário.

Há anos muita gente comenta que a tal “Lei 1199”, pode quebrar o Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Rio Bonito (Iprevirb). Outros afirmam que esse instrumento é inconstitucional. Todavia, como somos guiados pela lógica do “farinha pouca, meu pirão primeiro” todos fazem cara de paisagem quando se toca nesse assunto. Analisando os grandes salários anunciados nas últimas semanas, o que se percebe é que os principais beneficiários da “Lei 1199” é gente que está constantemente transitando no alto escalão dos poderes, Executivo e Legislativo; e gente graúda da sociedade riobonitense (olha a hipocrisia aí gente!).

Como de praxe, esse texto vai desagradar, principalmente os beneficiários desse esquema que nomearam como “Lei 1199”. Todavia, os robustos salários que a “Lei de Incorporação” possibilita ainda não é o pior dos mundos. Há anos o servidor municipal de Rio Bonito sonha com a implantação do Plano de Cargos, Carreira e Remuneração, assunto que é prioridade somente em campanha. Mas por que os prefeitos esquecem esse tema quando assumem a Prefeitura? Vamos explicar!

O Plano de Cargos, Carreira e Remuneração já está em vigor desde 2004 quando a “Lei de Incorporação” foi criada. A dupla Mandiocão/Solange usa esse plano em larga escala. Não é segredo para ninguém que o salário do funcionalismo da PMRB é ridículo. Um “salário de fome”! Todavia, a “Lei de Incorporação” oferece a esse servidor mal remunerado, um atalho para que ele alcance salários mais robustos, inclusive levando os valores para a aposentadoria. 
Os governantes perceberam que a “Lei de Incorporação” é um instrumento de controle mais do que eficiente. É um cabresto que o servidor não tem vergonha de usar, porque buscar melhores salários não é crime. Assim, Mandiocão e Solange usam a “Lei de Incorporação” para oferecer bons salários a quem eles querem. E para provar isso basta olhar as últimas aposentadorias e comparar a remuneração. Os “salários de fome” são mantidos intencionalmente. A ideia é fazer o servidor seguir almejando ser escolhido para cargos comissionados, porque essa é a única maneira de incorporar, todo ano, 10% da remuneração do cargo comissionado ao “salário de fome”.

É por isso que vimos Professor 1 se aposentar com remuneração de R$ 11 mil. Sempre presente no alto escalão do governo que participa (12 anos), a servidora em questão conseguiu incorporar valores substanciais ao seu salário e naturalmente a sua aposentadoria. E vamos parar de chilique, porque tem mais gente de ambos os grupos políticos com remuneração muito robusta e que ao se aposentar os seus salários deixarão assustados os habitantes de “Nárnia” ou do “País das Maravilhas”.

Se você é um dos atingidos pela crise de honestidade que se abateu sobre Rio Bonito nos últimos dias, onde se deseja saber valor de salários, valor de contratos etc.; eu te convido para junto comigo deflagrarmos uma campanha contra essa “Lei de Incorporações”, que amordaça o servidor, dá superpoderes a quem nomeia e que afronta a meritocracia, porque a distribuição de cargos e funções gratificadas deveria privilegiar competência e não puxa-saquismo e acordos políticos. Que tal? Vamos lutar pela revisão do Estatuto do Servidor e exigir que essa aberração seja suprimida? Ou seguiremos vivendo em Nárnia e jogando pra galera?

domingo, 6 de agosto de 2017

Sociedade Musical e Dramática Riobonitense sob nova direção

Flávio Azevedo
Foi empossado na noite desse sábado (05/08), como presidente da Sociedade Musical e Dramática Riobonitense (SMDRB), o ator, Juka Goulart. A nossa reportagem esteve na SMDRB, conversou com o novo comandante da casa, colheu depoimentos de integrantes da nova diretoria e ouviu professores que coordenarão aulas de Fotografia, Teatro e Desenho. Talvez, o espaço cultural mais tradicional de Rio Bonito, a SMDRB seguirá oferecendo aulas de Karatê e abrigando o Grupo de Serenata Lua Branca, um dos ícones do setor cultural riobonitense.

Além do presidente Juka Goulart, a nova diretoria é formada por Arielen Lefay (vice-presidente); Munir Helayel (secretário), Guilherme Cardoso (procurador), Elias (Tesoureiro). As aulas de Teatro serão ministradas pela atriz, Renata Egger; para as aulas de Fotografia, os alunos contarão com o talento de Cesar Augusto; e o desenhista, Lucas vai comandar o curso de Desenho.

No papo com o presidente Juka Goulart, nós conversamos sobre a forma como se deu a eleição, como a Sociedade foi deixada pela direção anterior, projetos para devolver ao riobonitense esse equipamento cultural histórico, a volta dos espetáculos ao palco da SMDRB, entre outros temas.
Nova diretoria e professores das oficinas que serão oferecidas na Sociedade Musical e Dramática Riobonitense.

"Pangarés"

Flávio Azevedo
O Restaurante Sete Capitães, no Centro de Rio Bonito, em parceria com a Rádio Mania, vai promover, daqui a pouco, às 16h, uma Roda de Samba.
Há algumas semanas, por conta de um evento que promoveu no seu comércio, que contou, inclusive, com a apresentação da banda Maverick, o empresário, Dalmo de Souza Lima; foi multado pela Prefeitura Municipal de Rio Bonito. Nesse domingo (06/08), eu passo nas proximidades do restaurante Sete Capitães e vejo a rua em frente ao estabelecimento fechada. No local eu recebo a notícia de que a casa vai promover, daqui a pouco, a partir das 16h, em parceria com a Rádio Mania, uma Roda de Samba. 

Eu quero dizer que nada tenho contra o estabelecimento Sete Capitães, já estou na torcida para que dê muito certo e que tenha outras vezes! Acrescento que numa cidade onde nada acontece, multar um comerciante que está promovendo algo positivo é um absurdo! Como eu sempre digo, essa gente que governa nossa cidade é totalmente desprovida de bom senso e se habituaram a governar com o fígado. Entra um e sai outro, a lógica administrativa é igual. 

Eu fico me perguntando: onde está a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, que não está atenta a essa questão? Se existiu algum tipo de excesso por parte do empresário Dalmo de Souza Lima, a iniciativa mais acertada seria chamar o empresário, apresentar os pontos em que ele deveria se adequar e cumprimenta-lo pela iniciativa; e não multar o cara! No evento de daqui a pouco no Sete Capitães, eu espero que não cheguem lá pensando em proibir e interromper, mas se houver alguma fragilidade legal, que a tal Secretaria de Desenvolvimento Econômico facilite as coisas para o empresário.

Não entenda o termo “facilidade” sob o viés da ilegalidade ou da vista grossa, mas sim de um apoio para que os empresários sigam trabalhando, movimentando Rio Bonito e Economia da nossa cidade. Eu fico espantado comigo mesmo, porque embora eu conheça bem a cabeça desses governantes pangarés, vez ou outra eu ainda me surpreendo com a incapacidade que essa gente tem para governar uma cidade pequena, com quase tudo pronto e que reúne todas as condições de ser próspera. Só nos falta um governante que não seja tapado!

sábado, 5 de agosto de 2017

“Invente, tente”, faça um governo diferente!

Flávio Azevedo
O prefeito José Luiz Antunes, o Mandiocão (PP); em dos seus folclóricos momentos. 
Alô prefeito Mandiocão! Nesse texto, eu tomei a liberdade de fazer algumas considerações sobre os seus últimos Atos, porque os seus auxiliares certamente não o farão. E eles estão certos, uma vez que dizer a verdade pode lhes custar as suas almejadas nomeações! O primeiro tema é a Secretaria Municipal de Administração, que deveria ser entregue a servidores de carreira experientes; talvez, titulares da própria pasta. Eles conhecem o funcionalismo. O servidor de carreira da própria pasta sabe quem é colaborador e quem é armador. Sabe quem se dedica e quem adora um atestado. E tem gente sua lá!

A escolha de novatos, sobretudo para uma pasta tão importante, confirma a minha tese de que o atual prefeito e a ex-prefeita são irmãos gêmeos univitelinos (formados na mesma placenta). Ou seriam irmãos siameses? Penso assim, porque o tempo passa, mas as iniciativas ultrapassadas seguem norteando os seus Atos. Por exemplo, preferir serviçais (aqueles que abdicam do cérebro para manter o cargo) e preterir servidores.

Aliás, eu gostaria de aproveitar a ocasião para falar da demora em nomear as pessoas. Todos nós sabemos que isso é um teste. Um teste vagabundo, mas é um teste! Eu chamo de psicotécnico dos picaretas (para não dizer o português claro). A ideia é fazer a pessoa perder a paciência. De saco cheio de esperar a sua lerdeza intencional, o cara acaba te mandando ir à merda. É exatamente o que você precisa para sair dizendo que a pessoa não pode ser aproveitada, “porque não tem perfil”, quando no fundo é você que não tem perfil para governar. 

Outro ponto que eu gostaria de salientar prefeito, é que nós não concordamos com cabides de emprego na Prefeitura, tal como era na gestão passada. Mas não ocupar Secretarias, direção de escolas e coordenações é uma tentativa pífia de querer impressionar a população com uma suposta economia. Parece aquela maluca que diminuiu o salário dos secretários e comissionados, mas criou um monte cargos e novas Secretarias. Tempos depois, o Tribunal de Contas do Estado (TCE) entendeu que a iniciativa da maluca era inconstitucional, determinou a devolução do dinheiro a quem ocupou essas funções e dívida está, hoje, sobre a sua mesa (mais uma).

Prefeito, se vossa excelência deseja nos impressionar, faça isso adquirindo feijão, azeite e açúcar a preços de mercado. Exija dos empreiteiros obras mais baratas. Pague as pessoas que trabalharam em dezembro (2016), em janeiro (2017) e ainda não receberam. Esquece que eles eram do outro governo! Também seria interessante abrir mão desse perfil birrento que o senhor sempre carregou, mas que nesse mandato está pior.

No próximo dia 16, prefeito, vossa excelência completará 65 anos. Que a nova idade não o torne mais ranzinza, nem o aproxime da caduquice e da senilidade. Do alto da experiência de três mandatos de prefeito (12 anos), o senhor já deveria ter percebido que tapinha nas costas e massagem no ego não acrescentam nada. Ouça as críticas, analise o conteúdo delas. Esse crítico aqui, por exemplo, deseja apenas o melhor para Rio Bonito. Não estou interessado em ocupar os cargos que o senhor tem. Eu sei que se nós trabalhássemos juntos, em nossa primeira reunião eu te jogaria pela janela. Mas amo Rio Bonito e quem está sentado na cadeira de comando é vossa excelência. Então pare de fricote e atente para as críticas e sugestões! 

Hoje, Rio Bonito precisa de energia para tornar realidade os projetos de desenvolvimento que esperamos há pelo menos 20 anos! Sei que é difícil governar sem desagradar o grupo econômico que lhe sustenta, por isso encerro com um antigo slogan de fim de ano da TV Globo: “invente, tente, faça um governo diferente”!

Mandiocão começa recompor Secretarias e cargos de confiança

Flávio Azevedo
Depois de exonerar todo seu staff e cargos de confiança no último sábado (29/07), o prefeito José Luiz Antunes (PP) nomeou 49 pessoas para ocupar os cargos disponíveis no governo. As nomeações foram retroativas a 28 de julho e estão disponíveis na edição 539 do jornal Gazeta Rio Bonito, nas bancas nesse sábado (05/08). O prefeito aproveitou a oportunidade para fazer algumas mudanças. A Secretaria Municipal de Administração, que tinha a frente João Balbino, agora, será comandada por Danielle Patrício Soares. Na Controladoria Geral, Deiwison Figueiredo Santos; substitui Djair Ferreira. A Secretaria Municipal de Fazenda seguirá sob a responsabilidade de Ronaldo Elias de Moraes, que comanda a pasta do Planejamento e Coordenação.

Nem todas as unidades educacionais terão gestores na próxima segunda-feira (07/08). O chefe do Executivo nomeou diretores para apenas 21 escolas. O Colégio Municipal Maurício Kopke, por exemplo, um dos maiores do município, seguirá acéfalo. Secretarias importantes, como Saúde, Educação, Ordem Pública, Meio Ambiente, Esporte e Lazer, Desenvolvimento Econômico e Desenvolvimento Econômico; seguem sem comando oficial na próxima semana.

Novidades também entre os assessores especiais. O motorista de R$ 6,8 mil não aparece na nova lista, que ganha os reforços dos ex-secretários Sidney Moraes (Meio Ambiente) e Vitor Ivo Gomes da Silva (Projetos). Completam a lista, Dr. Kiuchi, Vera Lucia Pereira Souza, Glauber Guadelupe e Ana Paula Toledo. Para o comissionado DAS1 o prefeito fez seis nomeações (Karla Shirley Calixtrato, Dailane Magalhães, Otoniel Vieira, Ivanete da Silva Mota, Gefson Piedade e Eduardo Soares).

Para o cargo DAS2, três nomeações (Márcio Kiuchi, Fabiane Cardozo e Patrícia Amaro) foram feitas pelo chefe do poder Executivo, que fez duas nomeações para o comissionado DAS3 (Cristiane Souza Muniz e Eucidilei Nunes de Macedo) e duas para o cargo DAS4 (Dulce Lívia Rocha Lima e Ana Paula Mouzer). Alguns nomeados já tiveram função anunciada entre as publicações, por exemplo, quem irá comandar o setor de Compras (Ivanete da Silva Mota) e Junta Militar (Ana Paula Mouzer).

Análise

A exoneração de todo staff é um subterfúgio usado há anos pelo prefeito, José Luiz Antunes, que está no seu quarto mandato de prefeito, o que o torna um governante previsível. A exoneração dos ditos “cargos de confiança” amedronta os contratados via processo seletivo, que acabam se doando ao exercer as suas funções. Na percepção do prefeito, os exonerados retornarão mais leais, muito mais proativos e realmente dispostos a fazer as vontades do chefe, que ainda se comporta como senhor feudal.

Sobretudo em momentos de crise e desemprego, brincar de Deus e mostrar para as pessoas que “eu posso interferir na sua vida” é prazeroso para boa parte dos políticos. Por mais doentio que pareça, as principais lideranças políticas de Rio Bonito se caracterizam por ter orgasmos de satisfação ao serem cortejados, bajulados e até enganados. 

Desculpas como “falta de transição”, “encontramos muita dívida” e até os intencionais atrasos de repasses a entidades como o Hospital Regional Darcy Vargas (HRDV), Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Rio Bonito (Iprevirb) e Câmara Municipal, por mais que sejam razoáveis, acabam tendo apenas uma função: demonstrar força, amedrontar e reforçar o coronelismo moderno. 

Secretarias nomeadas:

Gabinete: André Luis Alvares (Pijama);
Procuradoria Geral: Gabriel Marapodi;
Controladoria Geral: Deiwison Figueiredo Santos;
Tesoureiro: Carlos Roberto Fernandes;
Administração: Danielle Patrício Soares;
Planejamento: Ronaldo Elias de Moraes;
Obras: Eleilton Lacerda;
Turismo: Carmem Mota;
Promoção Social: Lilian Antunes.

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Deputados do Rio ficaram divididos na votação da abertura de impeachment de Temer

Flávio Azevedo
A maior parte da bancada do Rio de Janeiro na Câmara Federal foi favorável ao prosseguimento do processo de impeachment do presidente Michel Temer (PMDB), em votação que acaba de ser realizada em Brasília. Vinte e três deputados se posicionaram contra Temer, 20 foram favoráveis, dois não compareceram e o presidente Rodrigo Maia (DEM), presidindo a sessão, não votou alegando impedimento regimental. 

O relatório da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), de autoria do deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), que recomendava a rejeição da denúncia da Procuradoria Geral da República por crime de corrupção passiva contra o presidente Michel Temer, foi aceito. No total, votaram 492 dos 513 deputados – 263 a favor do relatório e 227 contrários. Houve duas abstenções e 19 ausências.

Veja como votaram os parlamentares fluminenses.

Alessadnro Mollon (Rede): não
Alexandre Serfiotis (PMDB): ausente
Alexandre Valle: sim
Altineu Cortes (PMDB): sim
Arolde Oliveira (PSC): não
Aureo (Solidariedade): sim
Benedita da Silva (PT): não
Cabo Daciolo (PT do B): não
Celso Jacob (PMDB): sim
Celso Pansera (PMDB): não
Chico Alencar (PSOL): não
Chico D’Angelo (PT): não
Cristiane Brasil (PTB): sim
Dejorge Patrício (PR): ausente
Delei (PTB): não
Ezequiel Teixeira (PTN): sim
Felipe Bornier (PROS): não
Francisco Floriano (DEM): sim
Glauber Braga (PSOL): não
Hugo Leal (PSB): não
Jair Bolsonaro (PSC): não
Jandira Fegali (PC do B): não
Jean Wyllys (PSOL): não
Júlio Lopes (PP): sim.
Laura Carneiro (PMDB): não
Leonardo Picciani (PMDB): sim
Luis Carlos Ramos (PTN): não
Luis Sérgio (PT): não
Marcelo Delaroli (PR): sim
Marcelo Matos (PHS): não
Marco Antônio Cabral (PMDB): sim
Marcos Soares (DEM): sim
Miro Teixeira (Rede): não
Otávio Leite (PSDB): não
Paulo Feijó (PR): sim
Pedro Paulo (PMDB): sim
Roberto Salles (PRB): sim
Rodrigo Maia (DEM): não votou por força regimental
Rosângela Gomes (PRB): sim
Sérgio Sveiter (PMDB): não
Simão Sessim (PP): sim
Soraya Santos (PMDB): sim
Sostenes Cavalcante (DEM): não
Wadih Damous (PT): não
Walney Rocha (PEN): sim
José Augusto Nalin (PMDB): sim

quinta-feira, 27 de julho de 2017

Ministério Público vê crime em dispensa de licitação na Prefeitura de Rio Bonito

Flávio Azevedo
Dispensa indevida de licitação, ilícita emissão de ordem de pagamento, enriquecimento ilícito, atentado contra os princípios da administração pública, dano ao erário público, responsabilidade solidária, colaboração a ato ilícito, improbidade administrativa. Essas são algumas das irregularidades percebidas pelo Ministério Público (MP) ao analisar o contrato celebrado, em 11/07/2008, entre a Prefeitura Municipal de Rio Bonito e a empresa Casclei Serviços de Empreiteira da Construção Civil. Para o MP existiu irregularidade na contratação, que ocorreu com dispensa de licitação. O valor do contrato era da ordem de R$ 397.149,99, mas ao ser aditivado subiu para R$ 714.106,24.

A referida empresa, sediada no bairro Caixa D’Água, foi contratada para locação de veículos utilitários standart, com motorista e capacidade mínima de 09 passageiros. O propósito era atender em caráter emergencial, as necessidades da Secretaria Municipal de Educação e Cultura (transporte escolar de professores, alunos, supervisores e coordenadores). Depois de analisar o caso, no último dia 04 de abril o MP ajuizou Ação Civil Pública por ato de improbidade administrativa acumulada com pedidos de nulidade das contratações e de ressarcimento do erário.

As personagens apontadas pelo MP como determinantes para as irregularidades percebidas são figuras do universo político de Rio Bonito. O principal nome é do prefeito, José Luiz Antunes (PP); à época, exercendo o seu segundo mandato; e apontado pelo MP como responsável pelos pagamentos indevidos a empresa Casclei, “praticando ato visando fim proibido em lei”. O MP também acusa a Casclei de ter se beneficiado diretamente da ilegalidade, “enriquecendo ilicitamente e incorporando ao seu patrimônio, ilicitamente, valores municipais”.

O controlador geral do município, Ronaldo Elias de Moraes; é outro nome que aparece na Ação Civil Publica. O MP o classifica como responsável, porque ao examinar o contrato, ele liberou ordens de pagamento, afirmando que a dispensa da licitação estaria dentro da legalidade. Todavia, essa justificativa foi contestada em 2009 pelo Tribunal de Contas de Estado (TCE), nos autos 213.130-8/2009. O MP entende que ao ser favorável a dispensa da licitação e a ilícita emissão de ordem de pagamento à Casclei, Ronaldo permitiu que a empresa enriquecesse ilicitamente, atentando contra os princípios da administração pública, “praticando ato visando fim proibido em lei, causando dano ao erário”.

O último nome é do então procurador geral do município, Luis Guilherme Cordeiro; que também analisou o processo e afirmou que a dispensa de licitação seria legal. Segundo o MP, esse entendimento também contribuiu com o enriquecimento ilícito da Casclei, atentando contra os princípios da administração pública, “praticando ato visando fim proibido em lei, causando dano ao erário”. Após analisar o cenário, o MP propôs a Ação Civil Pública por atos de improbidade administrativa dos envolvidos e na ação critica a atuação de Ronaldo e Luis Guilherme. No entendimento do MP, eles tinham a responsabilidade, por conta dos cargos que exerciam, “não só de alertar o gestor e os órgãos de controle interno, como procurar evitá-las, sob pena de responsabilidade solidária”.

Justificativa da Prefeitura

Em sua justificativa junto ao TCE, o município explicou que a dispensa de licitação para a contratação da Casclei se deu em razão da desconfiança gerada na licitação anterior. A desconfiança, explica o município, teria se dado em virtude da empresa vencedora do pregão ter ofertado preços muito abaixo dos praticados no ano de 2005, em cerca de 39%, fato que causou estranheza e dúvidas quanto a capacidade da empresa para cumprir o contrato.

O TCE não aceitou essa justificativa e rebateu dizendo que a “simples suspeita de que a vencedora do certame não teria capacidade de cumprir o contrato e o fato de que ela apresentou em licitação preços inferiores ao até então pagos pelo mesmo serviço pela administração não constituem motivos suficientes a ensejar dispensa de licitação pautada no art. 24, IV da Lei 8.666/93”. Para o MP, as argumentações para a contratação direta, por dispensa, da Casclei, não se enquadram nas hipóteses da Lei Lei 8.666/93 (Lei de Licitações). O MP acrescenta que “a contratação direta em questão foi efetuada sem qualquer respaldo legal, inobservando os princípios da isonomia, impessoalidade, legalidade e moralidade, sendo efetivamente ilegal”.
– Constata-se que os demandados deliberadamente procederam a contratação direta da empresa Casclei com dispensa indevida de licitação, levando ao enriquecimento ilícito da pessoa jurídica de direito privado, causando dando ao erário público. A contratação mediante processo ilegal ocasiona lesão ao patrimônio público, ainda que não se demonstre superfaturamento ou inexecução do objeto pactuado – aponta o MP em outra parte do processo.

Diante dos fatos, o MP pediu ao poder Judiciário, a distribuição da Ação Civil Pública; a notificação das partes; e que seja a inicial recebida, seguindo-se a citação dos réus para requerendo, contestar a presente ação, sob pena de revelia. O MP deseja ainda, que sejam julgados procedentes os pedidos no sentido de declarar nulos os atos que resultaram nas contratações celebradas entre o município e a Casclei; que os envolvidos sejam condenados nas penas do Artigo 12 da Lei 8.429/92 (Lei de Improbidade); que sejam condenados a ressarcir o erário; e que seja cobrado deles o pagamento das custas e honorários de sucumbência, a ser revertido ao Fundo Especial do Ministério Público.

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Liminar “Siro Darlan” será julgada na próxima quarta-feira

Flávio Azevedo
Marcos Abrahão e José Luiz Antunes, respectivamente, o segundo e o primeiro mais votado nas eleições de 2016.
No próximo dia 02 de agosto, às 13h, será julgado no Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, o Agravo de Instrumento que suspendeu o julgamento das contas do prefeito José Luiz Antunes (PP), reprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) e Câmara Municipal de Rio Bonito (2013). O Agravo é popularmente chamado de “liminar” (aquela que foi oferecida no plantão judiciário, durante a madrugada, pelo desembargador Siro Darlan). Com o julgamento suspenso, o candidato Mandiocão perdeu a inelegibilidade, participou do pleito e acabou sendo vitorioso. O corpo jurídico que defende a Câmara Municipal entende que a soberania do poder Legislativo foi afrontada e, por isso, busca reverter o Agravo de Instrumento que favoreceu Mandiocão.

Cinco desembargadores irão participar do julgamento. Caso a decisão seja favorável a Câmara Municipal, ao contrário do que pensam alguns especialistas, o prefeito José Luiz Antunes segue governando. O que será julgado no TJ é apenas a questão entre o poder Legislativo, que teve a soberania afrontada, e o poder Judiciário, naquela fatiga madrugada de 27/09/2016, representado por Siro Darlan.

Depois do dia 02/08, o assunto fica restrito a Justiça Eleitoral. No início de 2017, o Recurso Especial Eleitoral do candidato Marcos Abrahão (PT do B), prejudicado com a decisão do Judiciário nas eleições municipais (2016), foi negado em decisão monocrática pela ministra, Rosa Weber. O entendimento da magistrada, porém, foi oferecido a luz da “liminar” vigente. Caso a “liminar” seja indeferida, outro recurso pode ser impetrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pelo candidato, Marcos Abrahão. A diferença é que o novo recurso será analisado pelo plenário do TSE.

sábado, 22 de julho de 2017

Estudantes são agredidos na trilha Green Valley/Mangueirinha

Flávio Azevedo
Estudantes assaltados na trilha que liga os bairros, Green Valley e Mangueirinha reacende um tema que há muito tempo é discutido em Rio Bonito: a criação de uma estrada que ligue essas localidades. A novidade, inclusive, desafogaria o conturbado Trânsito de Rio Bonito. Antes desse debate, porém, a pauta é a Segurança, que segue crescente em Rio Bonito e Região. Alunos das escolas e colégios seguem sendo alvo de marginais.

Na última quinta-feira (20/07), três estudantes do Colégio Municipal Dr. Astério Alves de Mendonça, na Mangueirinha, foram agredidos quando passavam pela trilha. Os marginais queriam telefones celulares, ameaçaram machucar uma menina de nove anos, que estava junto do irmão. Ao tentar defender a irmã, o estudante foi espancado. As famílias estão indignadas e as crianças traumatizadas.

Ao tomar conhecimento do problema, as autoridades entendem ser melhor proibir o uso da trilha, quando deveriam oferecer Segurança, prender os marginais e criar um percurso decente para população. Preocupadas com a proibição, as mães já estão preocupadas com a distância que os filhos terão que percorrer para chegar a escola, uma vez que os caminhos que levam moradores do Green Valley, Serra do Sambê e localidades adjacentes ao Colégio Municipal as obriga percorrer longas distâncias. Ver as autoridades proibindo o uso da trilha é o mesmo que vê-las confessando que não reúnem condições de proteger o cidadão e que o crime mais uma vez venceu. 
A trilha passa pelo pasto e termina no Colégio Municipal Dr. Astério Alves de Mendonça (ao fundo na foto).
A trilha é utilizada por estudantes que frequentam o Colégio Municipal desde que ele foi fundado. O percurso é tão utilizado, que a ponte improvisada foi substituída por um equipamento moderno e uma trilha concretada foi construída para que os usuários do trecho não precisassem escalar o barranco depois de atravessar o rio. No passado a ponte era improvisada e ela sempre ela levada pela força das águas quando chovia forte. Por vezes alunos e trabalhadores atravessavam por dentro do rio, saltando sobre tijolos e pedras para chegar ao seu destino.

Não é possível que uma trilha tradicional, usada há cerca de 30 anos não possa mais ser utilizada, poque marginais estão espreitando estudantes e trabalhadores que transitam por ali! Que a solução não seja proibir o uso da trilha, mas a prisão dos bandidos e que as autoridade pensem de imediato a criação de uma estrada que ligue os bairros Green Valley e Mangueirinha. 

Farmácia Dois irmãos, agora, é Drogarias Viva Mais

Flávio Azevedo
Fundada em 19 de julho de 1969 por Matheus Rodrigues, a Farmácia Dois Irmãos é uma das mais antigas em atividade em Rio Bonito, quiçá na Região. Com o objetivo de continuar servindo a sua grande clientela com os melhores preços e seguir a filosofia de “Renovar Para Servir Melhor”, a Farmácia Dois irmãos, agora, é “Drogarias Viva Mais”.

Em entrevista a nossa reportagem, o proprietário, Laert Ferreira Júnior; comenta a mudança e revela que integrando uma rede de mais 70 lojas “é possível oferecer preços ainda melhores”. Ao lado da esposa Ivana Rodrigues, farmacêutica responsável pela “Viva Mais”, ele comenta que a ideia é fidelizar ainda mais os clientes e anuncia para breve o lançamento do “cartão fidelidade”.
A “Drogarias Viva Mais” está localizada na Rua Getúlio Vargas, nº 130, no Centro de Rio Bonito, em frente a Secretária Municipal de Saúde. Por lá você encontra medicamentos com os melhores preços; no setor de perfumaria e correlatos, as melhores opções; e a grande peculiaridade da casa: excelência no atendimento. Informações telefone: 2734 – 1656.
O casal de amigos, Ivana Rodrigues e Laert Ferreira jr.


quinta-feira, 20 de julho de 2017

Presidente do Iprevirb quer prisão do prefeito Mandiocão

Flávio Azevedo
Na extrema direita, o presidente do Iprevirb, José Antônio Cardoso; explica as medidas que serão tomadas contra o prefeito Mandiocão em defesa dos inativos e do Iprevirb.
O presidente do Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Rio Bonito (Iprevirb), José Antônio Cardoso; reuniu nessa quarta-feira (19/07), sua diretoria e integrantes dos conselhos da autarquia para tratar das iniciativas que serão tomadas contra a Prefeitura Municipal de Rio Bonito, em virtude das dívidas que vão se acumulando com o Instituto e, sobretudo para tratar da intransigência do prefeito José Luiz Antunes (PP), que no entendimento de Cardoso está tentando jogar os aposentados e pensionistas contra a diretoria do Iprevirb e claramente promove uma “operação asfixia” contra o Instituto.
– Para alcançar o seu intento de jogar os inativos contra nós, o prefeito está mentindo e usando todos os mecanismos possíveis para denegrir a imagem da diretoria do Instituto. A farsa começa quando ele diz que está fazendo os repasses em dia e não está. Desde janeiro, o recurso do Iprevirb está sendo descontado e essa diferença impacta negativamente as contas do Instituto. Além de mentir para os inativos e para a sociedade, o prefeito não cumpriu o acordo que foi celebrado em março com o Ministério Público (MP). Nesse acordo, a Prefeitura se comprometeu, através dos seus representantes, de quitar, em três parcelas, a dívida deixada pela ex-prefeita, Solange Almeida – disse o presidente.

Segundo o presidente do Iprevirb, além de não quitar a primeira parcela, a Prefeitura não pagou, no último repasse, o parcelamento referente a dívidas anteriores com o Instituto. “Isso fez com que nós recebêssemos R$ 265 mil a menos. Desse valor, R$ 111 mil são referentes aos descontos indevidos que estão acontecendo desde janeiro; e R$ 154 mil são referentes ao antigo parcelamento”, frisa o presidente, lembrando que no último mês quando o prefeito Mandiocão esteve no Iprevirb para entregar os cheques com o repasse, “ele mesmo disse que a atual diretoria do Instituto precisa ser trocada e, é claro que ele está se movimentando nesse sentido”.

Para dar esses esclarecimentos aos aposentados e pensionistas, o presidente está convocando uma reunião com a categoria, às 15h da próxima quarta-feira (26/07), na sede do Iprevirb. “Vamos mostrar esses números aos inativos e mais vez provar para eles que o prefeito, além de mentir, está descontando indevidamente os repasses; e segue se negando a fazer os pagamentos que o Instituto precisa receber para honrar os seus compromissos com os aposentados e pensionistas”, frisa o presidente. De acordo com a diretoria do Iprevirb, a autarquia conta com são cerca de 600 aposentados e 200 pensionistas.

“Vamos pedir a prisão de Mandiocão”

Se dizendo cansado de buscar infrutiferamente dialogar com o prefeito, o presidente do Iprevirb revela que para proteger os inativos e o Iprevirb, a alternativa que resta é denunciar mais uma vez o prefeito ao Ministério Público (Tutela Coletiva) e tomar medidas mais drásticas.
– Mandiocão também será denunciado criminalmente, inclusive, vamos pedir a prisão dele, porque essa apropriação indébita é crime. Também vamos ingressar na Câmara de Vereadores com um pedido de cassação contra ele. Além disso, o nosso departamento contábil encontrou indícios de fraude na folha de pagamento. O objetivo dessa fraude é diminuir o repasse. O último, por exemplo, que deveria ser R$ 939 mil, ele reduziu para R$ 827 mil de maneira arbitrária – explica Cardoso. 

Arresto

Nessa quarta-feira (19/07), atendendo o MP, a Justiça fez arresto nas contas da Prefeitura Municipal de Rio Bonito referente ao pagamento da primeira parcela do acordo celebrado entre as partes no último mês de março. Por determinação do juízo foram arrestados R$ 702.399,26. O acordo é que o valor devido ao Iprevirb seria quitado em três parcelas (30/06 – 30/07 – 30/08). Como o município não efetuou o pagamento, a direção do Iprevirb se acionou o MP, que através do Judiciário determinou o “arresto”.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

“Prefeitura de Rio Bonito se apropria indevidamente dos recursos do Iprevirb”

Flávio Azevedo
Salários atrasados, dívidas se acumulando, a vergonha de ver o nome inserido nos cadastros de proteção ao crédito, noites sem dormir, perda da qualidade de vida; incerteza, impotência e muita indignação. Essa é a realidade dos aposentados e pensionistas que recebem os seus salários do Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Rio Bonito (Iprevirb), autarquia que junto com os seus beneficiários tem sido sistematicamente prejudicada pela Prefeitura Municipal de Rio Bonito (PMRB).

Em 2016 a ex-prefeita Solange Almeida deixou de efetuar três repasses ao Instituto, o que resultou numa dívida de R$ 3,6 milhões. O problema foi levado ao Ministério Público (MP), que no último mês de março recebeu representantes da PMRB e do Iprevirb para iniciar as tratativas de uma negociação. Agarrado a sua conhecida obstinação, o prefeito José Luiz Antunes (PP) demonstra não ter urgência em acertar essa pendência, “porque esse problema foi criado pela ex-prefeita e não por Mandiocão, que está com os repasses rigorosamente em dia”, argumenta o chefe do Executivo.

Além de não demostrar interesse em negociar a dívida deixada pela sua antecessora, desde janeiro, quando assumiu o comando da PMRB, o prefeito está glosando os repasses do Iprevirb. Segundo planilha apresentada à nossa reportagem pela diretoria do Iprevirb, até aqui os inativos perderam R$ 541.968,05. Se o chefe do Executivo seguir descontando nessa média, em 12 meses (um ano) os inativos terão perdido cerca de R$ 1 milhão. O presidente do Iprevirb, José Antônio Cardoso; vê “má fé e uma clara tentativa de asfixiar o Iprevirb”.
– O objetivo é sufocar o Instituto até que não tenhamos mais condições de pagar os inativos. Mas estamos nos calçando e o prefeito será surpreendido a qualquer momento, porque a nossa procuradoria está se movimentando. Outra estratégia, que foi percebida no último mês, quando o prefeito esteve no Iprevirb para fazer o repasse, é que ele está tentando jogar os servidores (ativos e inativos) e a própria sociedade contra o Iprevirb – destaca o presidente, acrescentando que “essa tática é antiga e uma das razões para os ex-diretores terem usado o Fundo de R$ 10 milhões que o Instituto dispunha para questões emergenciais que não existe mais”.

O comandante do Iprevirb ressalta que o prefeito está pagando o que ele quer e como quer, afirma que ele está ignorando os prejuízos acumulados pelos inativos e classifica esse desconto mensal como “apropriação indevida” e garante que “isso é crime”. Ele destaca que em junho, o repasse que deveria ser de R$ 949 mil foi reduzido e os cálculos feitos sobre R$ 827 mil. “Também é frágil a justificativa de que os valores descontados são referentes ao “Auxílio Doença, benefício dado pela Prefeitura sem regulamentação, sem perícia, sem perito, um festival de ilegalidades que precisa ser revisto”, explica o presidente do Iprevirb.

Todas essas ações estão sendo informadas ao MP e a diretoria do Iprevirb, assim como os inativos, aguardam as decisões que serão tomadas. Nos últimos meses, várias foram as tentativas de diálogo com a PMRB, até aqui todas elas foram infrutíferas. A queda de braço entre PMRB e Iprevirb existe desde que o instituto foi fundado. As dívidas do município com o Instituto é a principal razão para Rio Bonito figurar como devedor no Cadastro Único de Convênios (CAUC), situação que impede o município de receber inúmeros recursos federais.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Um menino mimado e pirracento governa Rio Bonito

Flávio Azevedo
O prefeito José Luiz Antunes (PP) segue a sua cruzada contra os aposentados e pensionistas do Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Rio Bonito (Iprevirb). Aliás, ele segue em frente com o objetivo iniciado em 2005: “fechar o Iprevirb”. Além de não pagar os R$ 3,6 milhões que a irresponsável, digo, a ex-prefeita, deixou de dívida com o Instituto, os repasses estão sendo descontados todo mês em cerca de R$ 100 mil. Nessa segunda-feira (17/07), por exemplo, a Prefeitura repassou R$ 827.262,09. Segundo representantes do Iprevirb, o recurso foi mordido em R$ 160 mil. Ele deveria ter repassado R$ 987.262,09 (SIC).

Partindo da lógica de que a cada mês o desconto é da ordem de R$ 100 mil, nós podemos concluir que em dezembro, o prefeito terá aproximadamente R$ 1,2 milhão para repassar ao Iprevirb como 13º salário. Nesse dia certamente nós teremos muita foto, vai ter fogos de artifício, banda de música e puxa sacos celebrando. Uma festança para comemorar o grande feito do chefe do Executivo: pagar o 13º salário dos inativos com recursos que foram subtraídos dos próprios inativos.

Penso que o prefeito tem todo direito de não gostar da diretoria do Iprevirb; ele não precisa almoçar, jantar e dormir com eles; não há necessidade de convidá-los para frequentar churrascos em sua casa; e pode até se mobilizar para mudar o comando da autarquia. Contudo, o chefe do Executivo precisa agir dentro da legalidade, sempre colocando as cartas na mesa e abandonar esse hábito de se movimentar na penumbra.

O prefeito não percebeu ainda – ou não quer perceber – que essa tática de asfixiar o Iprevirb não prejudica em nada os integrantes da diretoria da instituição. Essa pirraça só prejudica os aposentados e pensionistas. Mandiocão segue se comportando como um menino de oito anos brincando de ‘pique cola’ (você se lembra dessa brincadeira?). Quem é da minha geração vai se lembrar de meninos manhosos que quando eram colados, faziam beicinho e diziam: “biribiribá, não quero mais brincar!”, porque não aceitava estar com o pique. 

Alô prefeito! “Vamos que vamos” crescer, meu bom! Vossa excelência governa uma cidade com cerca de 60 mil habitantes e não dá para ficar de beicinho e birrinha, porque alguma coisa não funciona conforme o seu desejo!

sábado, 15 de julho de 2017

“O macaco nunca olha o seu rabo!”

Flávio Azevedo
Desde novembro de 2016, eu estou ouvindo um volume grande de riobonitenses remoendo críticas aos vereadores eleitos nas eleições do ano passado. Às vezes eu tenho a impressão de que a população pensa ser possível alcançar o cargo de vereador sem ser pelo voto. Aliás, todas as vezes que eu escrevo qualquer texto sobre mudança ou renovação, política em geral, sempre me aparece alguém criticando o colegiado escolhido pelo voto popular.

Como eu tenho andado muito sem paciência e não gosto de hipocrisia, eu vou lembrar aos nossos amigos que nas eleições de 2016 nós tivemos mais de 100 candidatos a vereador aqui em Rio Bonito. E farei o seguinte: deixarei abaixo duas listinhas de 10 nomes que poderiam perfeitamente compor o colegiado 2017/2020 do Legislativo, mas não foram eleitos, porque os eleitores preferiram os atuais 10 vereadores. Inclusive, eu estou me dando ao luxo de colocar duas mulheres em cada lista. Vamos aos nomes:

Vanderlei Enfermeiro 571 VOTOS
Ricardo Abrahão Flores 353 VOTOS
Caldeira 336 VOTOS
Claudinha da Educação 298 VOTOS
Leo Peclat 278 VOTOS
Gustavo Fróes 189 VOTOS
Fabão 163 VOTOS
Ronaldo do Kickboxing 131 VOTOS
Raimundo Ribeiro 61 votos
Garrô 79 VOTOS

Vaguinho Carteiro 590 VOTOS
Aliomar Guimarães 504 VOTOS
André Pijama 456 VOTOS
Dawson Nascimento 364 VOTOS
Zé Magrinho 323 VOTOS
Vaguinho Corretor 232 VOTOS
Cleidi Enfermeira 152 VOTOS
Tia Cris 133 VOTOS
Luciano do Resgate 71 VOTOS
Arviley Moreira 51 VOTOS

PS: seria possível fazer tranquilamente uma listinha de outros 10 nomes que poderiam chegar e não chegaram à Câmara Municipal.

O vereador tem apenas um Título de Eleitor. Para alcançar 2 mil, 1,5 mil ou 1000 votos, ele precisa que votem nele. Então vamos parar de chilique, vamos analisar em quem votamos, porque votamos, e que preço (e não estou falando de dinheiro, mas de interesses). Feito isso, vamos aguardar as eleições de 2020, quando teremos outra oportunidade de escolher novo colegiado para o Legislativo. Se o voto for oferecido com outras expectativas é possível que as coisas mudem. Se seguirmos com a hipocrisia de sempre, tudo continuará como dantes. Mas temos 2024, 2028, 2032, 2036... Em todos esses anos nós teremos eleições e a oportunidade de fazer diferente. #flavioazevedo

Mãe cria campanha para levar filha ao Open de Taekwondo da Argentina

Flávio Azevedo
“Hannah Rumo à Argentina” é a campanha que estamos ajudando a divulgar. No centro das atenções a campeã brasileira de Taekwondo, Hannah Vitalino; que deseja participar do “Open da Argentina” da modalidade, mas precisa de recursos para chegar até lá. O professor, George Rodrigo; que comanda a academia Strong, em Tanguá-RJ, afirma que a menina tem grande potencial.

Encabeçando a campanha, a mãe da atleta, Aline do Rosário; que está promovendo uma “Ação Entre Amigos” para arrecadar recursos que viabilizem a compra das passagens. Para alcançar os seus objetivos, ela está rifandos no próximo dia 12/08, conforme os números da Loteria Federal, uma TV 32’’ (Samsung); uma TV 14’’ (CCE), um Microondas (Consul) e um simulador de caminhada Air Climber (Polishop). Os equipamentos são seminovos.

A lutadora Hannah tem 14 anos, muita força de vontade, é detentora de um currículo vencedor e acreditando que vai conseguir participar do Open de Taekwondo, na Argentina, está focada nos treinamentos. Contatos pelo telefone (21) 97040 – 2404 (Aline). Doações para ajudar Hannah chegar à Argentina podem ser depositadas na Conta Corrente 00035007-7, da Agência 0175, da Caixa Econômica Federal (Operação: 001), em nome de Marília do Rosario Penha Valle, avó e grande incentivadora de Hannah.

Vamos ajudar! 

Justiça enxerga “injustiça” nos plantões judiciários

Flávio Azevedo
Decisões polêmicas de desembargadores nos plantões do Judiciário levaram o Tribunal de Justiça do Rio a mudar a escala dos magistrados. A decisão foi tomada pelo órgão especial do Tribunal de Justiça, composto pelos desembargadores mais antigos e foi publicada no dia 26 de junho. Com a medida, a escala de rodízio para o plantão do judiciário deverá ser distribuída a todos os desembargadores e juízes substitutos. Além disso, a nova resolução também quer evitar a repetição de magistrados.

No fim de maio, o desembargador Guaracy Viana libertou, durante um plantão, um homem apontado pela polícia como miliciano perigoso e ligado ao tráfico de drogas. Antônio Eugênio, conhecido como Batoré, ia ser transferido de Bangu para o presídio federal de Catanduvas, no Paraná. Foi solto dias antes e agora está foragido.

Em outra decisão controversa, o desembargador Siro Darlan libertou o miliciano Jonas Gonçalves, acusado de homicídio e formação de quadrilha. O filho de Siro Darlan, o advogado Renato Darlan, chegou a defender o réu. O Fantástico mostrou em outubro de 2017 que Siro Darlan chegou a expedir 35 liminares que libertaram réus em apenas seis meses. Atualmente, ele não faz mais plantões. 

O Fantástico também mostrou a decisão de Siro Darlan, que interferiu diretamente no resultado das eleições municipais de Rio Bonito. Inelegível por estar com as contas rejeitadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), pela Câmara Municipal e pela Justiça Eleitoral de Rio Bonito, o ex-prefeito José Luiz Antunes, o Mandiocão (PP); foi beneficiado por uma liminar oferecida no plantão judiciário pelo desembargador Siro Darlan, seis dias antes das eleições (27/09/2016).

A liminar pedia o cancelamento da sessão de 29/11/2013, quando as contas do ex-prefeito foram rejeitadas. Sendo a sessão inexistente, não havia rejeição de contas e naturalmente a inelegibilidade do ex-prefeito, que participou normalmente do pleito, venceu as eleições, e, hoje, governa sob os efeitos de uma liminar. Em dezembro de 2016 a desembargadora, Renata Machado Cotta; confirmou a decisão de Siro Darlan e beneficiou o ex-prefeito.