domingo, 29 de novembro de 2015

Ladrões da madrugada invadem Loja Cem de Rio Bonito

Flávio Azevedo 
O disparo do alarme teria afugentado os marginais.
“Eles levaram 20 minutos no interior da loja tentando levar as mercadorias. O alarme disparou e as câmeras do sistema de segurança da empresa registraram a presença de dois homens, com grandes mochilas. Um deles usava um boné bem baixo, escondendo o rosto; o outro estava com uma camisa amarrada na cabeça, igual um terrorista e realmente é isso que esses vagabundos são”. Essa narrativa é da fonte que nos contou que a Loja Cem de Rio Bonito foi alvo de marginais no último fim de semana (22/11).

Os bandidos entraram por uma casa fechada na Travessa B. Lopes, onde funcionava o consultório médico de Dr. Laurindo. Eles burlaram uma cerca elétrica, usaram uma serra para cortar uma grade, com auxilio de um pé de cabra romperam uma barra de ferro e entraram na loja. “Foi um trabalho enorme que eles tiveram, mas nada conseguiram levar, porque a loja estava preparada”.
– Apesar do esforço, eu calculo umas duas horas de trabalho duro, os ladrões saíram de mãos abanando. A loja guarda os eletroeletrônicos menores dentro de um cofre e o que é maior fica preso num cabo de aço. Mas como o alarme disparou os homens decidiram ir embora. Está chegando o fim do ano e os marginais já começaram a atacar. Todo ano é assim, mas nunca se cria mecanismos para impedir situações iguais a essa – comenta a nossa fonte, acrescentando que “eles devem ter vindo em busca de mercadorias menores, porque estavam com grandes mochilas”.

Ainda segundo a nossa fonte, o gerente da loja percebeu, através de mecanismo remoto, que o alarme disparou; seguiu direto para a Companhia da Polícia Militar, chamou durante algum tempo, mas não foi atendido. “Ele entrou no carro, estacionou próximo da loja e ouviu os passos dos bandidos lá dentro”. A nossa fonte conta ainda, que passados cerca de 20 minutos, uma viatura da Polícia Militar que estava em patrulha passou pelo local. O gerente chamou os policiais, mas os bandidos já haviam ido embora.

Não é a primeira vez que a loja é alvo de ladrões. Segundo a nossa fonte, no mesmo período do ano passado, marginais entraram na loja de rapel (pelo telhado). A Segurança segue sendo um problema em Rio Bonito, mas a nossa fonte reconhece que “exigir apenas da polícia não vai mudar esse quadro”.
– Precisamos de investimento na Guarda Municipal. Há três anos esperamos o sistema de monitoramento, que foi prometido pela prefeita quando ela estava em campanha. A polícia tem pouco efetivo, mas a promessa de campanha de contratar policiais de folga para aumentar o contingente de policiais e oferecer mais segurança aos munícipes não foi cumprida – afirma um comerciante que foi entrevistado por nossa reportagem e pede para não ser identificado, “porque esse pessoal é vingativo e posso sofrer algum tipo de retaliação”, destacou.


Essa semana uma dupla de policiais militares girava pelas principais ruas do Centro de Rio Bonito. As autoridades de Segurança recomendam que nesse período de festas, quando as pessoas recebem os seus pagamentos e 13º Salário, fiquem atentos, não saquem todo dinheiro, evitem andar com grandes importâncias, “porque os bandidos querem facilidade”. Os comerciantes são orientados a aumentar a segurança das suas lojas e informar a polícia qualquer movimentação diferente de pessoas estranhas.

sábado, 28 de novembro de 2015

Meteram a Educação de Rio Bonito num buraco negro

Flávio Azevedo
Na Escola Municipal Jaudet Curi, em Rio Vermelho, a comunidade escolar e moradores do bairro estão fazendo rifa para arrecadar fundos e fazer melhorias na unidade
O buraco negro que meteram a Educação de Rio Bonito é mais profundo e movediço do que se imagina. As falas sobre o assunto, seja dos governistas, seja da oposição, não retratam a gravidade do tema (?). Está claro que os 200 dias letivos obrigatórios (800 horas) não serão cumpridos. Para escamotear essa situação, um estratagema foi bolado. 

A prova final foi antecipada, com o objetivo de diminuir o número de alunos a partir do dia 4 de dezembro. A argumentação é de que não tem merenda e com menos alunos haverá economia de gêneros alimentícios e mão de obra, que segundo fontes será dispensada no próximo dia 30 (os contratos), o que libera a Prefeitura de pagar salário e 13º de dezembro a esse grupo de colaboradores.

Em 2015, a rede municipal de Educação enfrentou uma longa greve; a partir de 2013, a falta de professores, com ênfase em Arte e História, aumentou de maneira significativa; o sucateamento e falta de material didático se agravou. A crise econômica não é uma desculpa viável, porque o Estado enfrenta crise similar, mas a rede estadual oferecer merenda de qualidade, professor, material didático e salas climatizadas.

Está muito nítido que a gestão municipal foi incompetente e usou mal a verba da Educação, estimada em R$ 40 milhões/ano. Só para apimentar a situação, essa mesma gestão está falado em continuidade, reeleição e está contando com o seu voto. Agora é com você!

Programa do Amparo é sucesso na Super Rádio Tupi 1340 AM - Leste Fluminense

O comunicador Marcinho da Igreja é muito querido pelos ouvintes.
Hoje (26/11) estou prestigiando o Programa do Amparo, um dos campeões de audiência da Super Radio Tupi 1340 AM – Leste Fluminense. A apresentação é do comunicador Marcio Valério Loreno, popularmente conhecido como Marcinho da Igreja. Diariamente entre às 17h e 19h, Marcinho está na Tupi tocando um programa que fala de Deus, toca canções religiosas, ouve pedidos de oração, divulga eventos da comunidade católica, entre outras ações muito bacanas! Sucesso e um grande abraço Marcinho! 

Integrantes da Agenda 21 em ação apresentando filosofia da Agenda

Flávio Azevedo
Representantes da Agenda 21 estiveram nessa quarta-feira (25/11), no Colégio Municipal Maurício Kopke, no Centro de Rio Bonito, apresentando a filosofia da Agenda 21 para os alunos do curso de Educação Ambiental que é oferecido pela Print Comunicação. A empresa é responsável por desenvolver um programa de mitigação ambiental exigido pelo Instituto Estadual do Ambiente (INEA) como condicionante para liberação de licença ambiental para o Comperj.

O objetivo é formar multiplicadores em Educação Ambiental. O curso é dividido em cinco módulos, tem a duração de cinco meses, sendo realizado em encontros semanais. Em Rio Bonito apenas seis alunos, que não são de Rio Bonito, seguem participando do curso, que já está no seu 5º módulo. A representante da Print, Anne Menezes, confirma que a procura foi muito abaixo do que era esperado. 
Eu aproveito a ocasião para comentar que não houve divulgação e acrescento que a Prefeitura deveria capitanear essa publicidade. Para algumas pessoas, divulgação ainda é um papel colado no quadro de avisos das escolas. Creio que isso explica o baixo volume de interessados. Aliás, eu sou membro da Agenda 21 e não sabia desse curso, que teve início em julho. 

De qualquer maneira, obrigado a todos pelo acolhimento, sucesso aos alunos que seguem fazendo o curso e agradecemos a atenção e destaque dispensados a Agenda 21.

Até aqui André Esteves era exemplo para os mais jovens

Flávio Azevedo
O banqueiro André Esteves do banco de investimentos BGT Pactual
André Esteves, 36 anos, banqueiro, grande negociador, dono do BTG Pactual e um dos homens mais ricos do Brasil. Estamos falando de um cara que poderia ser um exemplo, por que foi boy do banco que, hoje, é dono. Eu disse PODERIA, porque ele acaba me dizendo, ao ser preso pela Operação Lava Jato, que ficar rico repentinamente, se você não ganhou na loteria, só se envolvendo com patifes, picaretas de toda sorte e assaltando os cofres públicos.

Aliás, o BTG Pactual acaba de comprar um banco suíço por pouco mais de US$ 1 bilhão. Segundo o noticiário de Brasília, o tal banco é o preferido dos brasileiros que procuram paraíso fiscal para guardar dinheiro. Penso que está claro como o cara ficou rico e porque ele tem amiguinhos tão importantes!

Educação o remédio para curar o Brasil

Estamos vendo senador e grandes empresários sendo presos, estamos percebendo as instituições tentando promover a democracia e o Estado de Direito, mas o volume de picaretas é muito maior do que nós imaginamos. Penso que o único caminho para combater essa cultura da pilantragem é a Educação. 

Essa foto mostra as crianças da Escola Municipal Castro Alves, de Catimbau, em Rio Bonito, durante evento promovido pelo projeto Cidade Educadora, da Agenda 21. Livrinhos para colorir destacando a importância da preservação da natureza foram distribuídos e eles adoraram. Esse é o futuro!

Delcídio do Amaral expõe fragilidade da República brasileira

Flávio Azevedo
O senador Delcídio do Amaral (PT), um dos homens mais importantes do governo federal, está preso.
Segundo o noticiário de Brasília-DF, a defesa do senador Delcídio do Amaral (PT/MS) “está inconformada com a prisão do malandro”. Ele foi preso na manhã dessa quarta-feira (25/11), por envolvimento numa série de sacanagens apuradas pela Operação Lava Jato. Alguém avisa a defesa do senador, que inconformado estou eu com o fato de não ver outros bandidos sendo presos juntos com ele.

O mais interessante é que em telefonemas, Delcídio do Amaral, que é líder do governo no Senado, diz para determinados “parceiros” que ele tem acesso a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e já estava conversando com alguns para amenizar determinadas questões.

Ao ouvir essa história de “influência sobre ministros do STF”, eu entendi como que em determinados processos acontece pedidos de vista sem pé nem cabeça em determinados processos e julgamentos desaparecem da pauta depois de serem anunciados.


PS: os ministros citados são Teori Zavaschi, Gilmar Mendes e Dias Toffoli. O vice-presidente, Michel Temer também foi citado na gravação. É claro que todos negaram qualquer tipo de conversa com o senador.

Governo do “calote” em Rio Bonito

Janete Soares reclama da Secretaria de Cultura
Diz o adágio popular: “quem não aguenta com mandinga não carrega patuá”. Recorro a esse folclórico ditado, para ilustrar o que está acontecendo com a galera que participou do Festival da Canção 2015, que aconteceu dentro da Virada Cultural, ocorrido na primeira semana de Outubro, em Rio Bonito. O evento foi feito pela Prefeitura e organizado pela Secretaria Municipal de Cultura. E foi muito bacana!

Como eu estive presente, divulguei e até elogiei, eu estou muito à vontade para criticar. Acontece que os vencedores, segundo fontes e postagens nas mídias sociais, ainda não receberam a premiação (R$ 1,5 mil vencendor/R$ 1 mil segundo colocado/R$ 500,00 terceiro colocado). Ou seja, a principal “virada cultural”, que consiste na Prefeitura respeitar os artistas da nossa cidade, não aconteceu!

É impressionante a vocação que a Prefeitura tem para estragar fatos positivos! Estamos falando de um montante (R$ 3 mil) que para o município é uma gorjeta. A verdade é uma só: ESSE É O GOVERNO DO CALOTE!

Rita solta o freio na Sessão Legislativa

Flávio Azevedo
Cheguei atrasado à sessão da Câmara de Vereadores, nessa terça-feira (24/11), mas em tempo de ouvir um discurso muito interessante da vereadora Rita de Cássia (PP). As declarações dela serão destaques amanhã no Programa Flávio Azevedo. Entre os principais assuntos abordados pela vereadores estão a Educação do Município, o Instituto de Previdência e a Iluminação Pública.

Espero que os puxa sacos e representantes do DOI-CODI estejam atentos ao que ela disse, porque as palavras da parlamentar provam que as minhas reportagens e opiniões sobre o governo municipal não são perseguição a tresloucada que chefia o Executivo. 

Sem dúvida estamos diante da pior gestão municipal de todos os tempos. E não sou eu que digo isso!

O ex-verador de Rio Bonito: Janjão

Em nossa visita a Escola Municipal Castro Alves, em Catimbau, eu encontro uma figura emblemática daquela localidade, o ex-vereador João Evangelista, o popular Janjão. Estamos falando de alguém que tem uma experiência importante na política local, conhece de gestão e poderia ser aproveitado e ouvido pelos últimos gestores municipais. Certamente nós estaríamos numa situação melhor. Abraços Janjão!

Mais um aniversário da minha Lorena

Nessa terça feira (24/11), a minha Lorena está comemorando nove aninhos. Vamos celebrar!

Agenda 21 em ação com Cidade Educadora

A professora Virgínia Borges é sempre uma motivadora do grupo de trabalho.
Na manhã dessa terça-feira (24/11), representando a Agenda 21 e promovendo o projeto Cidade Educadora, uma iniciativa da Agenda 21, nós visitamos a Escola Municipal Castro Alves, de Catimbau, interior de Rio Bonito. Nós fomos muito bem recebidos por toda equipe da unidade escolar, principalmente os alunos. Esse sorrisão da professora Virgínia Borges é uma das coisas que me deixa muito satisfeito em participar da Agenda 21 e incentivar o Projeto Cidade Educadora. Foi muito bacana!


A partir da esquerda: Flávio Azevedo, Suely de Paula, Raimundo ribeiro e Virgínia Borges.
Aos meus companheiros ativistas que fortalecem o Projeto Cidade Educadora da Agenda 21, os meus agradecimentos pelo trabalho bacana que vocês realizaram nessa terça-feira (24/11), na Escola Municipal Castro Alves, em Catimbau. Vocês são feras! Eu tenho grande prazer em ser coordenador executivo da Agenda 21. A todos os colaboradores muito obrigado pelo carinho!

Programa Flávio Azevedo ganha “doce de jaca”

O Programa Flávio Azevedo dessa quinta-feira (13/11) recebe um mimo dos amigos ouvintes, Neilson Santos e Janice Matos. Um doce de jaca caseiro show de bola! A Super Rádio Tupi 1340 AM – Leste Fluminense tem um grupo de ouvintes especiais, porque eles também são nossos amigos. Obrigado ao Neilson e a Janice pelo carinho com toda nossa equipe. Na foto conosco, o comunicador Eurivaldo Silva (minha esquerda), um colega muito estimado pelos ouvintes e um grande colega de trabalho.

Eu aproveito a oportunidade para lembrar que no início de novembro eu completei oito meses na Tupi 1340 AM, onde fui muito bem recebido e trabalho com grande prazer! Valeu gente!

Lama da Samarco é a prova de que o Brasil é uma bagunça

Cortar um galho de mato na frente da nossa casa, dentro do nosso quintal, significa fiscal do Meio Ambiente na porta perturbando. E essa cagada da Samarco em Mariana, que prejudicou dois Estados importantes da Federação, até agora ninguém do governo federal disse nada. Onde está o tal do poder Judiciário? Estariam recebendo o "Mister M" para tratar de outros assuntos?

A ferrovia insiste em mostrar que os "mautoristas" de Rio Bonito não têm bom senso

Pelo buzinaço que ouço aqui de casa, outro asno estacionou na linha do trem ou muito próximo dos trilhos. Eu fico me perguntando: esses 'mautoristas' são distraídos, maldosos ou são imbecis mesmo? Ou é tudo isso junto? Como é que pode... Os caras não aprendem!

Olha aí a razão do buzinaço! E ainda há quem defenda esses caras quando são esculachados nas mídias sociais. E outros dizem é preciso esconder a placa! Veja se isso é normal! O carro quando quebra, já aconteceu comigo e pode acontecer com qualquer um, o razoável é empurrar o veículo até um cantinho onde ele não atrapalhe ninguém!

Tropa de Elite é sempre uma lição

Flávio Azevedo
A sacudida que Nascimento dá em Guaraci Novais é sempre um orgasmo para o espectador.
Assistir Tropa de Elite, que seja pela 20ª vez, sempre me deixa com a alma lavada, sobretudo o momento, em que o Coronel Nascimento está depondo na CPI. É animador ver alguém sem medo, dando nome aos bois e dizendo o que precisa ser dito. Bom demais quando ele relata o desprazer que teve em trabalhar para políticos que na verdade são os maiores bandidos do Rio de Janeiro.

É bem significativo ver na fictícia presidência da Comissão de Ética da Câmara de Deputados, o tal Guaraci Novais, o bandido apontado por Nascimento, mas que foi eleito deputado federal e ainda chega a Comissão de Ética. Como diz Nascimento, "o sistema é foda". Eu acrescento que mais foda ainda é essa turma que vai as urnas, porque são eles, através do voto, que mantém o sistema!

Penso que o Tropa de Elite II é o melhor filme brasileiro de todos os tempos. Somente um filme se iguala a ele: o Tropa de Elite I. Aproveito a ocasião para dar um VIVA ao diretor José Padilha!

Entrevistando Joel Azevedo, o adventista mais antigo de Rio Bonito

Nesse sábado (21/11), a Igreja Adventista do Sétimo Dia central (IASD) de Rio Bonito promoveu uma programação em celebração aos seus 56 anos de atividade. A denominação nasceu na casa do meu avô, Joaquim Azevedo, em 1959. Num dos trechos da programação, eu entrevistei o tio Joel Azevedo, companheiro do vovô nessa empreitada. Hoje, tio Joel está com 89 anos e tem muita história para contar, entre elas, a história da IASD em Rio Bonito. Uma das entrevistas mais bacanas que tive o prazer de fazer.
A foto é do primo Mauro Azevedo, a quem eu quero agradecer o registro.

O primo Alcir

Esse é o primo Alcir, carinhosamente chamado em família de Cici. Grande parceiro de papai numa série de aventuras e desventuras em tempos que longe vão, o primo Alcir sempre foi personagem das histórias que papai me contava dos seus tempos de garoto e adolescente. Um grande abraço ao primo Alcir, que mora na cidade vizinha de Itaboraí. Grande sujeito! 

O primeiro converso da Igreja Adventista em Rio Bonito

Aos 82 anos, Ruberval Lopes é um personagem que faz parte da minha infância. Tradicional lavrador da Serra do Sambê, eu reencontro Ruberval na programação que celebrou os 56 anos da Igreja Adventista do Sétimo de Dia (IASD) de Rio Bonito. A programação aconteceu nesse sábado (21/11), no templo central da denominação. Depois que o meu avô, Joaquim Azevedo, abriu as portas para a Igreja Adventista, em 1959, Ruberval foi o primeiro a ingressar na denominação. Ou seja, estamos falando de um co-fundador da IASD em Rio Bonito.

domingo, 22 de novembro de 2015

Igreja Adventista do Sétimo Dia de Rio Bonito completa 56 anos

Flávio Azevedo 
Pioneiros da Igreja Adventista do Sétimo Dia central de Rio Bonito. A partir da esquerda: Otília Azevedo, Joel Azevedo, Nelson Azevedo, Izequias Azevedo, Ruberval Lopes e Diolinda Vieira (filha de Joaquim - tem o mesmo nome da mãe).
A Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD) de Rio Bonito, denominação religiosa que somente no templo central conta com cerca de 250 membros, completa nesse mês de novembro 56 anos. A denominação está em Rio Bonito desde 1959! A igreja começou na Serra do Sambê, na casa do lavrador e comerciante, Joaquim Azevedo. Os trabalhos começaram com uma escola filial da denominação. O primeiro contato do pioneiro Joaquim Azevedo com a mensagem Adventista foi em 1912, quando colportores (vendedores de livros religiosos) passaram por Rio Bonito apresentando as doutrinas da referida denominação.

Com apenas 10 anos, o pequeno Joaquim era membro da Igreja Batista, uma congregação que funcionava no alto da Serra do Sambê. Apesar da tenra idade, ele nunca mais esqueceu as palavras dos vendedores de livros, que entre outras coisas, comentaram a doutrina mais distintiva dos adventistas: o sábado como dia sagrado. Posteriormente, na década de 20, ele frequentou um grupo adventista que realizava reuniões na localidade de Cachoeira dos Bagres. Somente em 1959, à época com 57 anos, Joaquim decidiu seguir fielmente a IASD e manter um templo da denominação.

Os pioneiros, Joaquim Azevedo e Diolinda Vieira. 
A IASD Central de Rio Bonito começa nascer numa conversa informal entre Osvaldo Portilho e Joaquim Azevedo. Entre outros assuntos, eles dialogaram sobre uma IASD que existia em Braçanã, localidade de Rio Bonito. “Por lá tem um missionário chamado Ciro Raton, ele lidera um grupo de adventistas e faz reuniões muitos boas”, contou Osvaldo. Ao lado do filho Joel Azevedo, hoje, com 89 anos, Joaquim foi a Braçanã, conheceu o grupo de adventistas, ficou entusiasmado com o que viu e tomou o propósito de formar um grupo adventista na Serra do Sambê, onde morava. Na solenidade que celebrou os 56 anos da igreja, Joel Azevedo, presente ao evento, lembra como foi aquele dia.
– Papai estava muito entusiasmado. Fomos para Braçanã a cavalo. Usamos um caminho que existe pelo alto da Serra do Sambê e quando chegamos lá encontramos um grupo muito animado e uma igreja lotada. Ficamos impressionados e papai de imediato decidiu que convidaria o missionário Ciro Raton para organizar um grupo em nossa casa – lembra Joel, que é responsável pela primeira pessoa que aceitou a mensagem Adventista.

Joel Azevedo e Ruberval Lopes, o primeiro converso
Os organizadores da cerimônia que comemorou os 56 anos da Igreja Adventista promoveu um encontro entre Joel Azevedo e Ruberval Lopes, hoje, com 82 anos. Passados 56 anos, a conversa que fez Ruberval ingressar na IASD está bem viva na mente de ambos. “Eu ouvi Joel falar sobre a eminente volta Jesus, ele me convidou para participar das reuniões que estavam acontecendo na casa do seu pai; e o meu coração ficou tremendo diante daquelas informações”, narrou Ruberval.

Crescimento

A primeira formação da Igreja Adventista do Sétimo Dia central de Rio Bonito. O ano é 1959 e essa imagem foi fotografada em frente a pequena igrejinha da Serra do Sambê.
O grupo de crentes só aumentava. Por isso, as reuniões que tiveram início na sala da casa de Joaquim Azevedo foram transferidas para uma casa ao lado, também de propriedade do pioneiro. O volume de pessoas continuou crescendo e para oferecer maior conforto as pessoas, ele teve que derrubar a pequena casa e construir um templo. O passar do tempo e o aumento do número de adventistas fez com que eles mudassem novamente, agora, para o Centro de Rio Bonito. O novo templo foi erguido na Rua Nilo Peçanha, nº 110, onde funciona até hoje. Ao completar 56 anos, a Igreja Adventista do Sétimo Dia de Rio Bonito é responsável pelo surgimento de outras igrejas, em Rio Bonito e municípios vizinhos.

Os Adventistas do Sétimo Dia
  
Pioneiros mileritas que formaram a Igreja Adventista do Sétimo Dia a partir de 1844.
A IASD tem como um dos seus pilares a mensagem do apóstolo João escrita no capítulo 14, versos 6 e 7 do Apocalipse. “Vi outro anjo voando pelo meio do céu, tendo um evangelho eterno para pregar aos que assentam sobre a Terra, e a cada nação e tribo e língua e povo, dizendo em grande voz: “Temei a Deus e dai-lhe glória, pois é chegada a hora do seu juízo e adorai aquele que fez o céu, a terra e o mar e as fontes das águas””.

Segundo a história, a partir de meados do século XIX, inúmeros despertamos religiosos aconteceram pelo mundo, sendo o principal deles nos Estados Unidos. Inicialmente chamados somente de Adventistas, o grupo recebeu esse nome porque aguardavam o advento (volta) de Jesus para o ano de 1844. O seu principal líder era o pregador Batista, Guilherme Miller, que depois de fazer algumas contas e somas temporais embasadas em versos bíblicos concluiu que Jesus voltaria para purificar a terra em 1844.

Mas Jesus não retornou na data esperada. Segundo o livro “História do Adventismo”, de C. Mervyn Maxwell, as contas de Guilherme Miller estavam exatas, mas apontavam para outro acontecimento profético. Todavia, desapontados com o fato de Jesus não ter voltado, quase todos os mileritas (seguidores das pregações de Guilherme Miller) desanimaram da fé. Porém, um pequeno grupo estava convencido de que alguma coisa não estava correta e seguiu orando e buscando orientação divina que explicasse o que aconteceu. Eles estudaram diligentemente a Bíblia e acabaram entendendo que os números estavam corretos, mas não apontavam para a volta de Jesus.

Nessa série de estudos da Bíblia, eles encontraram os Dez Mandamentos, um preceito que afirma ser sagrado o dia do sábado (Êxodo 20: 8 a 11). Chamou a atenção desses estudiosos, que nove mandamentos são respeitados por todas as denominações do cristianismo, mas o quarto mandamento, que recomenda “lembra-te do dia de sábado para santificar”, é ignorado. Aquele pequeno grupo de pessoas entendeu que Jesus vai voltar, mas não existe uma data definida para isso na Bíblia. Eles decidiram adotar o sábado como um dia sagrado.  A junção dessas duas crenças, a espera pela volta de Jesus e a observância do sábado como dia sagrado, definiu o nome da igreja como Adventista (esperam a volta de Jesus) do 7º Dia (entendem o sábado como dia sagrado).

O movimento Adventista do Sétimo Dia nasce em 1844, nos Estados Unidos, a partir dos mileritas que passaram pelo “Grande Desapontamento” (Jesus não voltou como esperavam). Aqueles que permaneceram se organizaram, tiveram novos entendimentos em relação a volta de Jesus e se organizam como igreja em 21 de maio de 1863. A denominação cresceu e no ano de 1874, o pastor J. N. Andrews, um dos líderes do movimento, leva a mensagem Adventista do Sétimo dia para a Europa (Inglaterra e Suíça), se tornando o primeiro missionário da denominação fora dos Estados Unidos. Atualmente os Adventistas do Sétimo Dia estão presentes em todos os continentes do planeta e são cerca de 17 milhões.

Adventistas do sétimo dia no Brasil 
Primeiros Adventistas do Sétimo Dia no Brasil, na localidade de Palo Alto, em Santa Catarina.
As primeiras notícias da mensagem Adventista do Sétimo Dia no Brasil vêm da Região Sul. Em Gaspar Alto-SC, famílias de origem alemã tiveram o primeiro contato com literaturas da IASD. Os livros, impressos em alemão, chegaram ao porto de Itajaí. O fato desse trecho do país ser povoado por muitos alemães facilitou a compreensão das mensagens contidas nesses livros. O pioneiro da denominação, no Brasil, é Guilherme Belz. Quando Albert B. Stauffer, primeiro missionário enviado ao Brasil, chega a São Paulo; já havia guardadores do sábado em solo brasileiro. Em 1894, Albert Bachmeier também chega ao Brasil e encontra observadores do sábado em Brusque e em Gaspar Alto, onde foi organizada a primeira Igreja Adventista do Sétimo Dia, em 1895.

Segundo Michelson Borges, pastor e jornalista que escreve sobre “O Adventismo no Brasil”, os estados de Santa Catarina, Espírito Santo, São Paulo e Rio de Janeiro são os primeiros a abraçar a fé Adventista do Sétimo Dia. Em muitos lugares, os missionários chegavam apenas para batizar as pessoas e organizar as igrejas, porque eles já observavam o sábado como dia de guarda e falavam da volta de Jesus. Mas como eles conheciam tudo isso antes da chegada dos missionários? Através dos livros denominacionais que chegavam aos portos brasileiros. Em muitos lugares, embora não houvesse igreja organizada, as pessoas já se reuniam por terem a mesma fé.

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Cristo e Alah nada tem haver com o fanatismo dos seus seguidores

Sempre discordei da atenção que a mídia ocidental dá ao Oriente Médio. Também discordo da intromissão ocidental nos costumes e cultura dos povos daquela Região do planeta. Nós estamos falando de civilizações que tem a guerra no sangue e sempre viveram se destruindo. Basta dar uma olhada na Bíblia – ambientada naquela Região – que nós teremos a comprovação de que esses povos (que no fundo são parentes) vivem uma eterna relação “cão e gato”.

Por conta dessas questões, antes ingressar na Comunicação Social eu me informei sobre a história de Maomé e entendi que ele tem pensamentos até interessantes. Todavia, assim como acontece com o cristianismo, segmento religioso que está repleto de bobalhões fazendo um monte de idiotice, sob o argumento de estarem agindo em nome de Cristo; eu vejo um monte de mané agindo grotescamente sob o argumento de estarem defendendo os preceitos de Alah.

Sinceramente, as nações ocidentais e europeias deveriam tomar um chá de semancol, tirar o olho gordo do petróleo dos caras, largar essa galera para lá com os seus costumes e práticas; e cuidar dos seus territórios. Agir diferente disso significa ter um homem bomba explodindo do nosso lado a qualquer momento. O extremismo e o fanatismo dos servos de Alah em territórios ocidentais é resposta ao xeretismo e apropriação indevida dos bens alheios que os ocidentais estão praticando no Oriente Médio há décadas.

Sai daí gente! Já não temos muitos loucos em território ocidental para dar conta? Concluo deixando um versinho da Bíblia para os ocidentais que vivem lá aporrinhando as civilizações daqueles países: “aquele que se mete em questão alheia é como quem toma um cão pelas orelhas” (Provérbios: 26 – 17).

Os antagonismos do bairro Parque Indiano em Rio Bonito

As obras da unidade escolar estão de vento em popa (pelo menos até agora).
Finalmente uma notícia boa em Rio Bonito, principalmente para os moradores do Parque Indiano! Passando nessa quinta-feira (19/11), pela localidade, eu fiz uma visita às obras do prédio que vai receber a nova Escola Municipal Raulbino Mesquita. Por lá os operários estavam em franca atividade. Os trabalhos por lá estão mais adiantados que a obra do Colégio Municipal Dr. Kingston de Souza Motta, em Parque Andréa, onde os trabalhos começaram na gestão anterior!

Depois de ficar impressionado com essa notícia boa, eu fui reconduzido a realidade de atrasos, obras paralisadas e enrolação. As obras da Unidade Básica de Saúde do Parque Indiano, orçadas em R$ 507 mil e já em ponto laje, estão paralisadas. Não vi ninguém lá trabalhando por lá! Essa é a realidade do município.


As obras da Unidade de Saúde estão atrasadas e com cara de que nada acontecerá por aqui tão cedo.
A obra da Escola Raulbino é um ponto fora da curva. É uma pena, mas a realidade é essa! De acordo com a placa, o início aconteceu em 1º de dezembro de 2014 e deveria ser entregue em 1º de agosto de 2015. 

Programa Flávio Azevedo recebe alunos da Escola Criar

O Programa Flávio Azevedo dessa quinta-feira (19/11) recebeu alunos do 3º Ano do Ensino Fundamental da Escola Criar, de Rio Bonito. Uma galera cheia de energia e curiosidade que encheu de alegria o estúdio da Super Rádio Tupi 1340 AM – Leste Fluminense. Nem tudo está perdido! O João Victor, por exemplo, na sua participação disse: “quando crescer eu quero ser vereador!”. E me pediu até voto! Grande garoto! Eu quero cumprimentar as professoras, Tayenne Rodrigues e Gabiroba Rocha, pela dedicação a essa garotada!

O primeiro líder da Igreja Adventista do 7º Dia em Rio Bonito

Esse é o Tio Nelson, irmão do meu pai. Um grande sujeito! Homem comunicativo e que gosta muito de cantar. Uma história interessante é que nos anos 50, aqui em Rio Bonito, tio Nelson, junto com tia Darcy e Tio Izequias, tinham um grupo musical que a galera curtia muito. Se não me engano, chamava-se “Grupo Serrano”. Compositor de várias canções, tio Nelson, há anos pertence a Igreja Adventista do 7º Dia, sendo um dos seus fundadores em Rio Bonito. O talento de compositor, músico e comunicador, hoje, está a serviço da igreja. Um abraço tio Nelson!

Residências terapêuticas com despensas vazias

A vereadora Marlene Carvalho soltou o verbo e denunciou falta de víveres nas Residências Terapêuticas.
Depois de divulgar, hoje, no Programa Flávio Azevedo, a falta de alimentação nas Residências Terapêuticas, situação denunciada pela Vereadora Marlene Carvalho Pereira (PPS); dois pais entram em contato comigo reclamando a falta gêneros alimentícios. Em algumas escolas não fosse a "Vaquinha" entre profissionais, não teria nada.

Um dos pais reclamam que há dias o seu filho só recebe banana; o outro comentou que na escola da filha dele só servem macarrão. Meses atrás, o amigo Rai Ribeiro fala sobre um tal angu com uma salsicha!
E não pode reclamar, porque isso é coisa de gente frustrada. E se Deus quiser esse ‘governaço’ vai até 2020! Tomara!

Educação segue sendo desrespeitada em Rio Bonito!

Num passado recente, para ajudar escolas, postos de saúde, prédios públicos de toda ordem etc., as pessoas se cotizavam em "vaquinhas" e mutirões para fazer obras e benfeitorias nesses locais. Hoje, porém, com a carga de impostos que pagamos e o orçamento substancial que o município tem, inclusive, as verbas estaduais e federais, isso não é mais aceitável. Vivemos outros tempos!

Quando eu vejo situações em que profissionais de Educação precisam fazer rifa para construir varandão, eu fico indignado. Penso que o corpo docente precisa estar concentrado nos alunos, no ensino, no desenvolvimento das crianças e não fazendo rifa e promovendo festinha.

Acrescento que Orçamento da Educação em Rio Bonito é da ordem de R$ 40 milhões/ano. Aliás, somente a verba do Fundeb representa, mensalmente, o aporte de mais R$ 2 milhões nos cofres municipais. E onde está essa grana, se na hora de fazer um varandão, os representantes das unidades escolares têm que fazer rifa de R$ 3,00?

A “Campanha do Varandão” está acontecendo, segundo um morador do Rio Vermelho, na Escola Municipal Jaudet Curi.

PS: Vivemos outros tempos, mas os políticos não evoluem. Apesar dos avanços tecnológicos, eles seguem com os seus maus hábitos e maus costumes de antigamente!

Vida pública segue na pauta

 O jornalista Flávio Azevedo foi lembrado pelo Jornal da Cidade como pré-candidato em Rio Bonito.
Eu quero agradecer ao Jornal da Cidade de Silva Jardim, do amigo Ecio Campos, a inclusão do meu nome entre os prefeitáveis de Rio Bonito, para as eleições de 2016. Grato pela deferência, mas nunca é demais lembrar que o pré-candidato do PSDB em Rio Bonito é o vice-prefeito, Anderson Tinoco!

Na foto, onde também estão os prefeitáveis de Silva Jardim, eu apareço junto de personagens como o ex-prefeito, José Luiz Mandiocão; o advogado, Rosicleto Pimentel; e o empresário, Aécio Moura. Abraço Écio e boa sorte na sua caminhada!

Palestra na Escola Criar sobre Educação

Na tarde dessa terça-feira (17/11), eu fui recebido na Escola Criar por essa simpática galera. E por incrível que pareça, eles me entrevistaram sobre a minha profissão e a Comunicação Social! Um abraço a essa meninada simpática, extrovertida e muito perspicaz! Agradeço a acolhida dessa turminha show de bola! E mais uma vez parabéns a equipe da Escola Criar!
Com a garotada para a tradicional "selfie".

Entulho acumulado no bairro Monteiro Lobato

Muita sujeira no bairro Monteiro Lobato tem incomodado os moradores
ATENÇÃO PREFEITURA DE RIO BONITO! Acabo de receber um pedido de socorro de uma moradora do bairro Monteiro Lobato. "Como eu faço pra conseguir uma caçamba e um caminhão de entulho? Porque eu já liguei, já fui na Secretaria de Obras, mas está difícil! Aqui na rua principal do BNH está com muito entulho. Isso só atrai bichos. A menina fala para mim, "senhora, tem que aguardar".... Eu não sei o que fazer, ajuda o nosso bairro".

Ontem, conversando com o vereador, Claudio Fonseca de Moraes, o Claudinho do Bumbum Lanches (PSB); ele comentava que os proprietários de caminhões há meses não recebem. Essa é a razão dos entulhes estarem acumulados em vários pontos da cidade e dos bairros.

Exemplo de superação!

Esse é o pipoqueiro, Armando Campos dos Santos. Aos 61 anos, ele vende suas pipocas na Praça Fonseca Portela, no Centro de Rio Bonito. Trata-se de um sujeito muito simpático, batalhador e que está sempre de bem com vida. Várias vezes, quando eu trabalhava no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), eu atendi Armando por conta de problemas que ele tinha com o alcoolismo. Isso mesmo! TINHA, porque, agora, isso é coisa do passado!

Morador da Cidade Nova, hoje, ele diz que é um novo homem, dá graças a Deus por ter parado com a bebida e afirma que só pensa em trabalhar. "Não quero mais saber de graça com bebida". Eu fico feliz em vê-lo recuperado. Um abraço ao Armando, bons negócios para ele; e que Papai do Céu continue fortalecendo essa decisão de se manter longe do alcoolismo!

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

“A religião é o ópio do povo”!

Flávio Azevedo 
As tragédias de Mariana-MG e da França nos deixaram estupefatos, pasmos, boquiabertos com a capacidade que o ser humano tem destruir, inclusive, o semelhante. A tragédia brasileira se sustenta no tripé, corrupção, irresponsabilidade e interesses econômicos dos envolvidos, inclusive, as vítimas. Já a tragédia francesa, o tripé repete corrupção e irresponsabilidade, mas substitui interesses econômicos por fanatismo. Mundo a fora as explicações são muitas, mas nenhuma delas dá alento.

O volume de gente recomendando que nós estejamos rezando e orando é grande, o que me obriga a ser polêmico novamente em relação a religião. Eu analisei os muitos pedidos de oração e descobri que as pessoas não sabem o que é religião. As igrejas e a fé se tornaram uma muleta, sobretudo para o frouxo que não deseja se posicionar, opinar e, sobretudo, trabalhar. O sujeito diz “vamos orar” simplesmente para jogar sobre Deus a responsabilidade de consertar erros que são nossos. E detalhe: se os problemas persistem é porque “Deus quis assim”, mas “se Deus quiser” vai melhorar. Penso que nós estamos nos esquecendo do adagio popular “Deus ajuda quem trabalha”.

É atribuída a Karl Marx, a afirmação de que “a religião é o ópio do povo”. E eu sou obrigado a concordar, porque estamos esperando Deus resolver os nossos problemas. E não é assim que a banda toca! Deus deseja ajudar, mas Ele quer ver o interesse e a participação das pessoas. Todavia, nós somos preguiçosos, coisa que não agrada a Deus.

Para comprovar o que digo, eu gostaria de dissecar a palavra “ORAÇÃO”, que pode ser dividida em “ORA” e “AÇÃO”. A verdade é que o sujeito pode ORAR o quanto quiser, mas sem AÇÃO nada muda. O próprio Jesus aconselhou: “VIGIAI E ORAI”! Eu tenho visto muita gente “ORANDO” e pouca gente “AGINDO”. Precisamos “AGIR” e uma das formas de fazer isso é nos organizando em partidos, conselhos, associações, sindicatos, fóruns, organizações, grêmios e até em igrejas, mas sem essa de transferir as nossas responsabilidades para Deus.

A principal estratégia de uma organização é o envolvimento. Uma organização precisa dar foco, traçar objetivos, sobretudo em relação aos jovens, que estão sem rumo e sem norte. As pessoas querem experimentar o PERTENCIMENTO. Entretanto, somente o crime organizado e os terroristas têm essa estratégia. E quando transferimos para Deus a responsabilidade que é nossa, a sensação de pertencimento desaparece e a pessoa fica sem objetivos e isso leva ao desânimo.

ORAR com AÇÃO faz a pessoa manter a fé sem se anular. A lógica é fazer o que diz a letra daquela conhecida canção: “segura na mão de Deus e vai”. O religioso não tem que ser um parasita, um menino mimado. A verdadeira religião precisa permitir o envolvimento, o engajamento, a participação, porque isso gera a sensação de pertencimento.

Na França, os excluídos que vivem na periferia de Paris buscam um sentido para as suas vidas. Eles se encantaram quando alguém disse que eles foram escolhidos por Alah. O islã permite que o seu seguidor participe, porque ele sabe que todos querem pertencer. Concluo destacando que as organizações de paz e do bem, entre elas as igrejas, precisam praticar essa receita, porque até aqui a regra está baseada no “se Deus quiser”, ou no tradicional “Deus quis assim”, pensamentos que são frontalmente contrários ao bíblico “Deus ajuda quem trabalha”.

Jornalista Flávio Azevedo recebe Moção de Aplausos em Tanguá

O jornalista Flávio Azevedo entre o prefeito Válber e o vice-prefeito, Waldirzinho.
Recebi na Sessão Solene da Câmara de Vereadores de Tanguá, Moção de Aplausos da Prefeitura Municipal do município. A homenagem me foi entregue pelo prefeito Valber Marcelo (PTB) e pelo vice-prefeito, Waldir Dias Moreira Filho, o Waldir da Beltec. Eu agradeço a deferência e faço votos que o chefe do Executivo tanguaense continue perseguindo o ideal de fazer o melhor pela sua cidade.

Sauna gratuita na UPA de Rio Bonito!

Alguém me liga dizendo que Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Rio Bonito está uma “verdadeira sauna”, porque os aparelhos de ar refrigerado não estão funcionando. Do outro lado a pessoa pergunta: "você sabia disso, Flávio?". Eu respondo que sim, afirmo que isso, inclusive, é notícia velha, porque essa deficiência já foi tema de reportagem aqui no Facebook, no meu programa na Super Rádio Tupi 1340 AM - Leste Fluminense, mas a cara de pau dos governistas é tão grande, que eu estava quase convencido que tudo não passava de mais uma mentira do jornalista Flávio Azevedo.

A época, quando eu comentei essa questão, não houve muita repercussão, porque estávamos no inverno. Mas ao que tudo indica, com o aquecimento da temperatura - e nós ainda nem chegamos ao verão - a chapa literalmente esquentou e a noticia que disseram ser mentirosa é bem real. 

PS: só não definiram ainda, se os aparelhos de ar refrigerado estão desligados por conta de defeito, falta de pagamento aos prestadores de serviço que botam os equipamentos para gelar; ou se é para oferecer uma sauna gratuita aos usuários da UPA.

Sobrevivente de desastre ferroviário em Tanguá, em 1950, conta como escapou

Flávio Azevedo 
Esse é o tio Izequias, irmão de papai. Aos 84 anos, esse meu tio tem muitas histórias para contar. Morador de Tanguá há 42 anos, nessa sexta-feira (13/11), eu estive em sua casa para um papo e aproveitei para registrar, numa entrevista, um fato histórico e trágico que aconteceu em 1950: a queda da ponte ferroviária de Tanguá, que foi levada pela força das águas do Rio Tanguá, que subiu consideravelmente o nível das águas.

Segundo o tio Izequias, a queda do trem aconteceu por volta de 1h30min da madrugada de uma sexta-feira da Paixão. Muitos dormiam. Ele conta que viajava numa das últimas composições, o que foi fundamental para a sua sobrevivência, uma vez que os primeiros vagões afundaram nas águas enfurecidas do rio.
– O nível do rio subiu tanto, que encobriu os canaviais que margeavam o rio. As mães olhavam pela janela do trem, viam o chão amarelado e pensavam que era a areia da margem do rio e pulavam e jogam os filhos pela janela do trem. O problema é que não era areia, mas a água do rio, e as crianças e pessoas eram lançadas para a morte – narra tio Izequias.

O nosso entrevistado, que é motorista aposentado, conta que nesse tempo estava no quartel. Nesse tempo ele tinha apenas 19 anos e aproveitou o período de Semana Santa para visitar a família, que morava em Rio Bonito, na Serra do Sambê.
– O trem saía de Barão de Mauá, mas fazia uma escala em Visconde de Itaboraí. Nessa mudança, algumas composições eram acrescidas e os vagões que vinham de Barão de Mauá ficavam no fim da fila, o que contribuiu para que eu estivesse nos vagões que não caíram no rio e eu pude sobreviver – narra o aposentado, acrescentando que quase todos os passageiros morreram, inclusive, uma família tanguaense, que havia embarcado na estação de Tanguá. “Muitos morreram afogados e outras morreram esmagados entre os vagões, porque naquele tempo era comum os passageiros viajarem no estribo do trem”.

Na oportunidade ele também falou um pouco sobre Tanguá, que nesse dia 15 de novembro completa 20 anos de emancipação politico administrativa do município. A entrevista será disponibilizada em breve na minha página no Facebook e no canal do YouTube do jornal O Tempo. 

Preocupação com o comércio local é tema de Happy Hour

Nessa quinta-feira (12/11), eu fui conferir o Papaola Gourmet e encontro por lá uma galera da Loja Taco, estabelecimento comercial de Rio Bonito. Fui chamado a mesa do grupo pelo simpático, Bruno Alves, que demonstrou grande preocupação com o comércio local. “Flávio, precisamos criar estratégias para que o consumidor de Rio Bonito faça as suas compras de Natal na cidade”. Além do Bruno, eu também conheci o Matheus Barbosa e o Lucas Rangel, todos com a mesma preocupação.

Chamou a minha atenção a preocupação desses jovens: “o comércio de Rio Bonito, estratégias que precisam ser feitas para manter o consumidor comprando aqui, o fortalecimento do comércio, entre outras questões envolvendo a economia local”. Sendo assim, fica aqui a minha dica, o meu apelo e, sobretudo a minha preocupação, porque a debandada de pessoas que, por uma série de razões, vão comprar em outros centros é uma realidade.

A falta de compromisso com o comércio local já começa quando a própria Prefeitura empresta ônibus para excursão de funcionários públicos que vão fazer as suas compras natalinas, por exemplo, na Rua Tereza, em Petrópolis. Eu fico me perguntando se a Associação Comercial e Industrial de Rio Bonito (Ascirb), a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) e a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico já estão se reunindo para tratar desse assunto.

Hoje já é 13 de novembro de 2015 e ainda não vi nenhuma campanha publicitária oficial ou iniciativas nessa direção por parte das entidades representativas e principalmente da Prefeitura local. Alô rapaziada! Vamos debater esse assunto? Termino aqui mais uma vez cumprimentando a rapaziada da Loja Taco pela e nobre preocupação e dizendo aos comerciantes que como a cidade está acéfala, vocês terão que, despidos de quaisquer vaidades e sentimento de concorrência, se unir e criar as estratégias necessárias.

Rodrigo Lombardi de Rio Bonito

Nessa quinta-feira (12/11), eu fui conferir o Papaola Gourmet e quem eu encontro por lá? Sim, o nosso Rodrigo Lombardi de Rio Bonito. O amigo, Eleilton Lacerda, que há anos eu chamo de "Rodrigo Lombardi" e ele sempre leva a brincadeira na esportiva. Grande profissional! Quanto ao sucesso do Papaola Gourmet (que substitui o Degusta), eu não me surpreendo, porque Nestinho, proprietário do espaço, é filho de “Almeida”, empreendedor do ramo gastronômico que na década de 80 revolucionou o setor com o “Garota de Rio Bonito”; posteriormente, o “Bocadilhos”; e o inesquecível “Sombra da Amendoeira”.

Está um lixo!

Enquanto isso, no bairro Praça Cruzeiro, em Rio Bonito, moradores pedem mais eficiência na limpeza da localidade! Na última reunião da Agenda 21 de Rio Bonito nós conversávamos sobre a limpeza da cidade. Segundo informações, são dispensados para esse serviço, um valor da ordem de R$ 450 mil/mês. Estamos falando de R$ 5,4 milhões por ano! Com esse valor todo sendo investido somente com a coleta de lixo, nós poderíamos ter uma prestação de serviço um pouco melhor, o amigo não acha?

Ainda segundo informações obtidas durante a reunião da Agenda 21, a limpeza urbana não está inserida nesse pacote de R$ 5,4 milhões. A questão da limpeza urbana é esquematizada em outro contrato, com outra empresa. Não é interessante? Ou seja, quando você decide se aprofundar no assunto, o negócio fica "cada vez melhor!".

Condomínio Industrial é lugar para caminhões e não vacas

Nessa terça-feira (10/11), quando me dirigia para o estúdio da Super Radio Tupi 1340 AM – Leste Fluminense para apresentar o programa Flávio Azevedo, em determinado ponto do Condomínio Industrial eu me deparei com essa cena. Aos amigos que atuam na Prefeitura de Rio Bonito, eu quero deixar claro que esse é o atrapalho que desejamos ver diariamente nesse espaço, porque o entra e sai de caminhões significa que as nossas empresas estão trabalhando, estão gerando renda, gerando emprego etc.

Nesse local, geralmente precisamos parar o carro, porque uma vaca entrou no caminho, o que e um absurdo. Condomínio Industrial é lugar para carros, caminhões, operários e máquinas; e não vacas, bois e cavalos!