quarta-feira, 30 de julho de 2014

PMDB lança campanha em Rio Bonito na corrida pelas eleições de cinco de outubro

Flávio Azevedo
Com as presenças dos prefeitos de Tanguá, Silva Jardim (vice), Itaboraí, vereadores desses respectivos municípios e de lideranças de toda região, o PMDB lançou de maneira oficial a sua campanha em Rio Bonito. O evento aconteceu nessa quarta-feira (30/07), no Esporte Clube Fluminense. A prefeita Solange Almeida chegou, por volta das 19h30min, acompanhada do governador, Luiz Fernando Pezão, dos deputados, Paulo Melo (estadual) e Eduardo Cunha (federal); e Marco Antônio Cabral, filho do ex-governador, Sérgio Cabral, que também disputa uma das vagas do Congresso Nacional.
O grupo era esperado por centenas de correligionários e cabos eleitorais que estavam munidos de bandeiras e bandeirolas. Na esquina da Rua Nilo Peçanha com a Av. Manuel Duarte, um grupo colocava “praguinhas”, com o número do PMDB, no peito de quem chegava. Boa parte dos vereadores de Rio Bonito estava presente, entre eles Marcos Fernando da Fonseca, o Marquinhos da Luanda Car, que está na corrida por uma das cadeiras do parlamento federal. Luanda foi chamado ao palco pelo governador Pezão, único que mencionou a candidatura de Marquinhos a deputado federal.
Embora não tenha tido a oportunidade de falar no evento, em seu perfil, no Facebook, o vereador Marquinhos da Luanda Car mencionou o evento e agradeceu “o carinho do governador Pezão”. Ele destacou a beleza da festa e demonstrou confiança na “caminhada vitoriosa que nós estamos trilhando”. Ele terminou agradecendo “as manifestações de apoio e apreço dos presentes”.
– Além da atenção do governador, Pezão, muitos amigos e correligionários, gente que vem acompanhando o nosso trabalho, vieram me abraçar, me cumprimentar e oferecer uma palavra de incentivo. Essa demonstração de apreço me deixa esperançoso quanto ao nosso futuro! Obrigado amigos! – encerrou Luanda.

Muita rasgação de seda

O primeiro a falar foi o vereador, Reginaldo Ferreira Dutra, o Reis, que comentou a amizade dele com o deputado Paulo Melo; pediu aos seus eleitores para votar no amigo; destacou a presença dos vereadores riobonitenses presentes; e comentou as obras que Rio Bonito está recebendo da administração do PMDB. Na sequência discursou a candidata Soraia Santos, esposa do deputado federal, Alexandre Santos, que não vai disputar as eleições, mas está indicando a esposa para o cargo.
Sob alguns gritos de “olha que gatinho!”, também fez o seu discurso, o presidente do PMDB Jovem, Marco Antônio Cabral. Para ele, que tem dicção e trejeitos muito similares ao pai, “o atual governo do estado é a gestão que mais investiu no interior do Rio de Janeiro, por isso deve continuar a governar o território fluminense”.
Também discursaram Eduardo Cunha e César Maia. Esse concorre a uma das vagas do Senado Federal. Aquele tenta retornar ao Congresso Nacional. Eduardo Cunha destacou a sua amizade com a prefeita Solange Almeida; frisou que ela faz falta no Congresso Nacional; disse que em Brasília a prefeita constantemente estava buscando investimentos e emendas para Rio Bonito; e ressaltou a importância de se votar com consciência. Já César Maia destacou a qualidade do grupo vitorioso que foi montado pelo PMDB e destacou a sua experiência de 50 anos na vida pública é o seu diferencial na disputa pela vaga do Senador Federal.

Solange Almeida

Com a tradicional emoção que lhe é peculiar, a prefeita Solange Almeida iniciou o seu discurso ressaltando o volume de pessoas presentes e para delírio dos seus cabos eleitorais disparou: “atiçaram o formigueiro!". Durante a sua fala, ela ressaltou a importância do deputado federal, Eduardo Cunha para a manutenção do seu mandato de deputada federal.
– Eu tive o meu mandato caçado e por três anos eu fiquei pendurada por uma liminar. O meu mandato foi mito prejudicado por conta dessa situação, mas eu sempre pude contar com Eduardo Cunha. Ele sempre esteve ao meu lado até que eu fui inocentada – contou a prefeita.
Sobre o deputado Paulo Melo, a prefeita destacou a origem humilde do presidente da Alerj; lembrou a sua trajetória de vida; e frisou que Rio Bonito precisa apoiar o deputado por ser ele um dos grandes responsáveis pelas obras que estão chegando ao município. Ela também enalteceu os nomes de Pezão e Sérgio Cabral e acrescentou: “mesmo que você não goste de mim, não deixe de votar em Pezão, porque você estará votando a favor de Rio Bonito”, afirmou a prefeita que terminou a sua fala com um verso bíblico: “Quando o justo governa, o povo se alegra; quando o ímpio governa, o povo geme".

Mais rasgação de seda

O deputado Paulo Melo voltou a dizer que o político é empregado do povo e que as pessoas públicas precisam ter “vergonha na cara e trabalhar em prol de quem o elege para justificar a confiança que recebe do eleitor”. Ele disse ainda o homem público é um empregado do povo e espera que o povo de Rio Bonito renove o seu contrato para que ele possa trabalhar mais quatro anos na Alerj por esse povo.
Finalizou o governador Luiz Fernando Pezão, que ressaltou a dedicação da prefeita Solange Almeida por Rio Bonito; o quanto ela busca melhorar a vida do município, através das ações do governo federal; e gracejou: “vaga em hospital então eu já perdi a conta do número de telefonemas que recebo”. Sem comentar nomes de candidatos a Presidência da República, Pezão voltou a ressaltar as ações do governo do Estado nas áreas de Saúde e Segurança, mas pouca coisa para o interior.
– Estamos avançando muito em todos os setores. O Estado do Rio, hoje, é um estado forte. Temos o melhor senador do Brasil conosco, o nosso vice, Francisco Dornelles. Temos um colaborador que não posso deixar de destacar, que é o Felipe Peixoto. Temos ao nosso lado, muitas pessoas que estão dando tudo de si pela nossa vitória – disse o governador, anunciando que o seu nome tem crescido nas pesquisas. “Enquanto o nosso nome cresce os outros ficam no mesmo patamar, isso é um grande sinal para nós”.

terça-feira, 29 de julho de 2014

"Loucos por Jesus"

Flávio Azevedo 
Ginásio Antônio Figueiredo lotado para receber o Seminário “Loucos por Jesus”, no último domingo (27/07), no Rio Bonito Atlético Clube. Ao ver minha publicação sobre o evento, alguém me pergunta in box: “ué, depois do que você escreveu sobre a Marcha Para Jesus, eu pensei que você iria criticar esse evento".

Bem, diante desse pensamento equivocado, eu acho interessante dar novo esclarecimento sobre a minha posição a respeito de eventos promovidos pelo segmento gospel:

1 – Nada tenho contra os evangélicos. Aliás, eu também sou evangélico;

2 – Nada tenho contra a Marcha Para Jesus, que tenha todos os dias, não financiada com o dinheiro público;

3 – O evento que recebeu o pastor Lucinho foi cobrado (R$ 20,00) o ingresso, mas as pessoas pagaram para entrar e custear a programação, que não foi custeada com dinheiro dos cofres públicos;

4 – Que bom seria se nós pudéssemos subvencionar eventos religiosos, que realmente, aos olhos da moral, é mais decente que o Carnaval. Entretanto, o artigo 19 da Constituição Brasileira proíbe subvencionar o que é relacionado à religião, não fala nada de Carnaval ou eventos culturais e esportivos;

5 – A Constituição tem esse artigo, porque o Estado, graça a Deus, é laico. Aliás, não fosse o Estado laico, ia ter evangélico querendo me colocar na fogueira da inquisição, querendo me decapitar ou me jogar às feras, somente porque eu discordei da forma como foi feita a Marcha Para Jesus;

6 – Os vereadores, líderes religiosos e qualquer outro brasileiro, que discordam desse importante artigo (19) da Constituição Brasileira, que se candidatem ao Senado Federal ou Congresso Nacional, e façam uma “emenda supressiva ou modificativa” nesse artigo.

No mais, parabéns aos organizadores do seminário "Loucos Por Jesus" e o meu cumprimento especial ao glorioso Jonatas Teixeira, que se empenhou bastante para que ele acontecesse. Legal ver um rapaz tão jovem e tão dedicado às coisas de Deus. Que Papai do Céu o conserve assim! E que outros aprendam como é que se promove "Jesus" sem um centavo de recurso público.

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Roubo de carga na BR – 101 em Imbaú/SJ

Flávio Azevedo 
O roubo de carga, um dos crimes mais comuns da Região, voltou a acontecer na madrugada dessa terça-feira (22/07). O motorista de um caminhão que fazia o transporte de salmão teve o seu veículo roubado quando parou num posto de combustíveis no Km 242, na altura de Imbaú, em Silva Jardim. Segundo o registro policial, o motorista foi rendido por dois homens armados.

Os bandidos agiram com o mesmo modus operandi que tem sido registrado por outras vítimas. Depois de ser rendido ele foi levado pelos marginais junto com o caminhão e toda carga. Quilômetros adiante o motorista foi deixado num matagal às margens da BR – 101. A polícia confirmou que a carga estava segurada. O valor do roubo não foi informado.

Muitos casos na BR – 101

Na reunião do Conselho Comunitário de Segurança (CCS), do último dia 16 de julho, o comandante da 3ª CIA da Polícia Militar de Rio Bonito, Anderson Sodré, falou sobre os roubos de veículos em Rio Bonito. De acordo com ele, cerca de 50% dos casos são roubos que acontece na BR – 101, que por ser uma rodovia federal, não está sob a jurisdição da Polícia Militar.
– Dos últimos 37 casos de roubo de veículos, mais da metade disso aconteceu na BR – 101, onde acontece muito roubo de carga e do caminhão. Esses números acabam figurando em nossas estatísticas, mas nós não temos o que fazer, porque a jurisdição dessa área é da Polícia Rodoviária Federal – lembrou Sodré, acrescentando que das metas estipuladas para a 3ª CIA, apenas essa não foi cumprida, “porque muitos desses roubos acontecem fora do nosso raio de ação”.

As demais metas alcançadas foram a de homicídio e roubo a transeunte.

Dez presos em operação do 35º BPM

Flávio Azevedo 
A polícia segue trabalhando. Duas operações realizadas por homens do 35º BPM resultou na prisão de seis homens e quatro menores. A ação aconteceu na madrugada desta terça-feira (22/07). A primeira prisão foi em Itambi, no 3º Distrito de Itaboraí, onde quatro homens foram presos e dois menores foram apreendidos. A operação foi executada por homens do Serviço Reservado (P2). Com eles, a polícia encontrou duas pistolas calibre 380 e grande quantidade de drogas.

Em outra ação dos policiais, em Manilha, dois homens foram presos e dois menores foram apreendidos. Eles estavam com um revólver, calibre 38, e um veículo roubado. O quarteto é suspeito de ser responsável por assaltos em pontos de ônibus da região.

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Aplicação de dinheiro público em prédio religioso pode tirar César Maia da corrida pelo senado

Flávio Azevedo 
O ex-prefeito da cidade do Rio de Janeiro, César Maia.
Agora escuta essa! A Procuradoria Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (PRE/RJ) impugnou o registro da candidatura ao senado do ex-prefeito do Rio e atual vereador César Maia (DEM). O entendimento é que ele cometeu improbidade administrativa. De acordo com a sentença, em seu último mandato como prefeito, César Maia usou dinheiro público para construir uma igreja em Santa Cruz, na zona oeste do Rio. Com a condenação, ele perdeu os direitos políticos por cinco anos. A decisão é passível de recurso.

Nas últimas semanas, o assunto em debate foi a Marcha Para Jesus de Rio Bonito. A Prefeitura local estava prontinha para subvencionar o evento com R$ 60 mil. Pensando nesse e em outros fatores, eu escrevi um texto sobre o assunto, comentando, inclusive o artigo 19 da Constituição Federal (1988) que diz assim: “É VEDADO À UNIÃO, AOS ESTADOS, AO DISTRITO FEDERAL E AOS MUNICÍPIOS: - ESTABELECER CULTOS RELIGIOSOS OU IGREJAS, SUBVENCIONÁ-LOS, EMBARAÇAR-LHES O FUNCIONAMENTO OU MANTER COM ELES OU SEUS REPRESENTANTES RELAÇÕES DE DEPENDÊNCIA OU ALIANÇA, RESSALVADA, NA FORMA DA LEI, A COLABORAÇÃO DE INTERESSE PÚBLICO”.

Será que é tão difícil entender que eu não tenho nada contra as igrejas e denominações? Será que é tão difícil entender que eu estava dando uma orientação que já havia, inclusive, sido reiterada pela Procuradoria Geral do Município? Esqueceram que desde a gestão do prefeito anterior a Procuradoria tenta fazer o chefe do poder Executivo entender que esse tipo de ação é inconstitucional? Será que realmente é preciso gastar R$ 60 mil numa Marcha Para Jesus?

Durante o evento, que aconteceu no dia 21 de junho, alguém disse que “o sujeito que escreveu os textos criticando a subvenção para a “Marcha Para Jesus” não serve sequer para ser síndico de um prédio”. Acreditamos que essa afirmação tem como origem, a ideia que alguns têm de que o eu serei candidato a algum cargo eletivo nas eleições municipais de 2016 (essa expectativa se arrasta desde 2008). Se você pensa assim eu deixo um alerta: você está perdendo seu tempo!

Está perdendo tempo porque, realmente, eu não sirvo para ser síndico, sobretudo se o prédio em questão for a cidade de Rio Bonito, uma construção velha, que precisa trocar com urgência a instalação elétrica, hidráulica, o telhado, os rebocos, pisos etc. Eu acrescento que entre as reformas urgentes desse prédio chamado Rio Bonito, está uma atenção especial àquele setor que tem comercializado a devoção das pessoas e faz da fé alheia um mercado próspero e muito lucrativo.

É claro que tem muita gente bem intencionada por aí, mas esses “gente boa”, para não perder o título de “gente boa”, preferem não ingressar nas fileiras daqueles discordam da mercantilização que tem sido feita com o nome de Jesus. Pensemos nisso!

sábado, 19 de julho de 2014

Preso com drogas e liberado

Flávio Azevedo 
Policiais militares prenderam nesse sábado (19/07), um jovem de 21 anos sob a acusação de tráfico de drogas. Ele portava droga e dinheiro. O jovem foi detido na Praça B. Lopes, em Rio Bonito. Na 118ª DP (Araruama), para onde o jovem foi levado, após fazer o registro, o delegado qualificou o moço como “usuário de drogas” e o liberou. 

Afinal de contas, se a lei há muito tempo está liberando o usuário (o que nem sempre é verdade), porque o governo não libera logo essa desgraça? Por outro lado, será que as temidas, cocaína e maconha, são realmente muito piores que a bebida alcoólica? 

Outras perguntas: por que se drogar com álcool é permitido e com as outras drogas não? Será realmente preocupação com o povo a verdadeira razão para a criminalização das outras drogas? Liberar significa legalizar e legalizar significa pagar impostos sobre a respectiva atividade. Ou seja, não seria essa (perder dinheiro para o governo), a verdadeira razão para manter a criminalização da droga?

Vale a discussão! Mas, por favor, esqueçam o senso comum!

Atenção ‘buxas’-sacos dele e dela!

Flávio Azevedo

Em 2009, o governador Sérgio Cabral observa a assinatura do convênio entre Município e Estado, com os seus respectivos representantes, Mandiocão e Pezão.
Não foram poucas as vezes que eu falei e escrevi que o ex-prefeito Mandiocão foi levado no bico, quando sob a contemplação de Cabral, ele e o então secretário estadual de Obras, Pezão; assinaram um tal convênio para o asfaltamento de 29 km de ruas em Rio Bonito. Isso aconteceu em 14 de outubro de 2009, época que Cabral e Pezão se preparavam para a reeleição.

Na Praça da Bandeira, onde a solenidade aconteceu sob vaias dos topiqueiros, eles falaram em pavimentar a Jacuba, o Green Valley, o Cajueiros etc. Pois bem, sempre que eu escrevia isso, os ‘buxas’-sacos de Mandiocão ficavam bravos comigo e diziam que eu era cabo eleitoral de Solange (rsrsrsrs).

Agora, o mesmo governo do estado veio a Rio Bonito e, outra vez, assinou, no último dia 30 de junho, um tal convênio para asfaltar ruas que já haviam prometido fazer em outubro de 2009. Novamente eu volto a dizer que as chances do governo municipal ser levado no bico é grande. Baseio a minha impressão na história que eu acabei de contar. O interessante é que quando eu digo ou escrevo isso, os ‘buxas’ sacos de Solange dizem que eu sou cabo eleitoral de Mandiocão (rsrsrs).

A verdade ‘buxas’ sacos, é que eu não sou tapado e sei fazer uso do meu cérebro! Espero que, sobretudo os ‘buxas’ sacos de Mandiocão, tenham aprendam a lição, já que nesse sábado (19/07), o ex-prefeito José Luiz Mandiocão, assumiu publicamente que sim ele foi levado no bico pelo ex-governador e disse mais. Segundo o ex-prefeito, "a pedido da cúpula do governo do estado, o então coordenador de Defesa Civil Márcio Garcia, foi exonerado. O pedido da cúpula Cabral era uma retaliação ao fato de Márcio ser um dos líderes das manifestações dos Bombeiros por melhores salários"!

Sendo assim, quando eu escrever ou disser alguma coisa, por favor, usem o cérebro para depois comentar, seja esse comentário contrário ou favorável!

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Portal dos Procurados lança cartaz de integrantes de uma quadrilha especializada em roubos de sítios e fazendas

O Portal dos Procurados lança hoje dia 17/07, cartaz com recompensa de R$ 1mil reais, por cada, por informações que levem a prisão dos irmãos Milton Rodrigo Caetano, o RD e Bruno José Caetano de Moraes. Eles fazem parte de uma quadrilha especializada em roubar sítios e fazendas  na Região das Baixadas Litorâneas, no Rio de Janeiro.

Em 2010, a quadrilha teria assaltado uma fazenda no distrito de Amparo, em Nova Friburgo. Eles também teriam roubado a fazenda Nossa Senhora Aparecida, no bairro Ponte Preta, em Barra do Piraí, no dia 13 de dezembro de 2009. É atribuída ao grupo, a responsabilidade de outro roubo a uma propriedade rural no dia 28 de abri de 2010, na Vila Principal, em Barra Mansa. A quadrilha já teria praticado vários roubos a propriedades rurais de Rio Claro a Valença, no período de um ano e meio.

Eles também estão sendo procurados pela policia, acusados da invasão ao sítio de propriedade do deputado estadual Paulo Melo, na noite do dia 21 de junho de 2014, no município de Rio Bonito.  

Milton e Bruno foram apontados por testemunhas como os autores do assalto. Um terceiro integrante do bando, João Sérgio Cabral Neto, 26 anos, teria participado da ação dirigindo o veículo que os criminosos usaram durante o crime. João foi morto durante uma operação da 119ª, 89ª e CORE, no dia 24/06, em Engenheiro Pedreira.

Em novembro de 2010, Bruno foi preso pela delegacia de Barra Mansa, indo cumprir pena na Cadeia Pública Paulo Roberto Rocha. Em 08/03/2013 ganhou o direito de regredir ao sistema semiaberto, indo para o Instituto Penal Edgard Costa. Porém no dia 23 de março do mesmo ano, ele saiu e não mais retornou ao sistema carcerário, e atualmente encontra-se na condição de Evadido do Sistema Penitenciário.

Em desfavor de Bruno José Caetano de Moraes, constam 8 (oito) mandados de prisão, expedidos por diversas Varas Criminais, pelos crimes de Roubo Majorado (Art. 157, § 2º - CP), incisos I e II, e V (3x), n/f do art. 69, ambos do CP. Ele também possui anotações criminais e ocorrências policiais por: roubo no interior de propriedade rural, roubo de veículos e roubo a residência.

Milton Rodrigo Caetano já foi condenando a 11 anos de reclusão, pelo crime contido no artigo 33 C/C artigo 40, artigo 288 e artigo 16, com julgamento transitado em junho de 2009. Contra ele ainda constam 21 (vinte um) mandados de prisão, expedidos por diversas Varas Criminais, pelos crimes de: Tráfico de Drogas e Condutas Afins com Aumento de Pena Por Tráfico Ilícito de Drogas, Posse Irregular de Arma de Fogo de Uso Permitido, Receptação (Art. 180 - Cp) e Quadrilha ou Bando (Art. 288 - CP), Roubo Majorado (Art. 157, § 2º - CP), Crime Continuado (Art. 71 - Cp).  Ele também possui anotações criminais e ocorrências policiais por: roubo no interior de propriedade rural, corrupção de menores, roubo seguido de lesão corporal, roubo de veículos e roubo a residência.

Todas as informações recebidas no banco de dados do Disque-Denúncia estão sendo enviadas para a 119ª DP – Rio Bonito e 89ª DP – Resende, que estão encarregadas da investigação.

Quem tiver alguma informação a respeito da localização dos acusados, pode enviar mensagens de texto, fotos ou vídeos para o WhatsApp do Portal dos Procurados (21) 96802-1650, ou também pode ligar para o Disque-Denúncia (21) 2253-1177. Em ambos o anonimato é garantido. Denuncie a localização de criminosos e ajude a manter a Paz no Rio. 

Assaltantes de ônibus presos em Rio Bonito

Flávio Azevedo 
Policiais militares prenderam por volta das 23h30min, dessa terça-feira (14/07), dois marginais que haviam acabado de assaltar um ônibus da empresa São Geraldo. O coletivo fazia a linha Rio Bonito/Nova Cidade, que faz seção em Parque Andréa, quando os bandidos entraram no veículo. Eles apresentaram um “facão” e anunciaram o assalto. Depois de roubar o dinheiro, a dupla desapareceu na altura do Boqueirão.

Informados do ocorrido, policiais militares patrulharam a área em busca dos marginais. A dupla foi encontrada, capturada e o dinheiro foi recuperado. De acordo com o registro da 119ª DP (Rio Bonito), eles são Ipojucan da Conceição Cardoso e Mateus Oliveira da Silva.

Rio Bonito ganha “Novo Jornal”

Flávio Azevedo
Eu quero cumprimentar o comunicador Tarquíneo Freire Ribeiro, pelo lançamento do “Novo Jornal”, veículo de comunicação lançado por ele essa semana. A primeira edição já circula nas ruas de Rio Bonito. Classifico Sr. Tarquíneo como comunicador, pela história que ele tem na Comunicação de Rio Bonito. Os mais novos só o conhecem como Tarquíneo do jornal Ascirb.

Contudo, os mais experientes e estudiosos da historia de Rio Bonito sabem que, em seus 83 anos, Sr. Tarquíneo sempre atuou, e com destaque, na imprensa escrita e falada; foi vereador do município (no tempo que vereador não tinha salário); exerceu a função de secretário municipal; foi candidato a prefeito de Rio Bonito (quase foi eleito); sempre esteve ligado ao movimento lojista; e foi proprietário da Lanchonete Brasília, estabelecimento que com o “Bar do Honesto”, a “Gruta Tupi”, a loja “A Favorita”, entre outros, integra a história comercial do município.

Para mim é uma honra participar da primeira edição do “Novo Jornal” (foto), onde eu respondi questionamentos sobre a minha saída da Secretaria Municipal de Comunicação de Rio Bonito.

No seu editorial, Sr. Taquíneo diz que “fazer jornal no interior é uma temeridade”. Eu acrescento que só se muda esse cenário com a fundação de novos jornais, sendo assim, que outros veículos de comunicação apareçam, porque o fortalecimento da democracia está diretamente ligada a liberdade de expressão e livre opinião.

Parabéns Tarquíneo!

terça-feira, 15 de julho de 2014

Chuvas podem alagar creche recém-inaugurada em Rio Bonito

Flávio Azevedo 
A Prefeitura de Rio Bonito inaugurou nessa segunda-feira (14/07), a Unidade de Educação Infantil Maria Nazareth Santos Mello. O prédio, alugado, fica localizado na Rua Antenor Marmo, nº 664, no Centro. Não há quem discorde da homenagem feita a essa importante personagem da Educação de Rio Bonito. Também não há como criticar a criação de uma creche, já que a própria secretária de Educação, em várias oportunidades, afirmou que cerca de 2 mil crianças do município não tem acesso a creche. O tema também já foi discutido nas sessões Legislativas e nos fóruns da Agenda 21.

Todavia, os festejos; o contentamento com a conquista; e a expectativa positiva para os bairros que também serão beneficiados com uma creche (Boqueirão, Serra do Sambê, Marajó, Cajueiros e Parque Indiano,); infelizmente, não apaga a imagem que vemos nessa foto, que foi feita durante uma chuva mais intensa. A casa que aparece inundada no fim da rua é a que, hoje, recebe a creche Nazareth Mello.

Contar que a saudosa professora de onde estiver, no seu papel de patrona da unidade, estará intercedendo para que as chuvas não sejam tão torrenciais para não alagar a creche, nos parece um pouco demais. Errou a Secretaria de Educação? Bem, se errou, não o fez sozinha, porque errou também os órgãos fiscalizadores, entre eles o Conselho Municipal de Educação, que diante desse e de outros problemas, não se manifesta como deveria.

Vale ressaltar que, junto da Saúde, a Educação é o maior orçamento de Rio Bonito. Sim, a pasta reúne robustos recursos para executar as políticas públicas do setor. Contudo, por uma série de razões pouca coisa é realizada, sobretudo no que tange a infraestrutura, já que segundo um relatório do Conselho que fiscaliza a utilização dos recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), o governo municipal destina quase a totalidade desse recurso à folha de pagamento.

O relatório foi apresentado na Câmara pela vereadora Rita de Cássia, que deixou uma oportuna reflexão: “quase todo o recurso, um valor da ordem de R$ 28 milhões, está sendo direcionado à folha de pagamento. Por isso não sobra dinheiro para fazer a manutenção das unidades escolares do município”. Ela acrescenta: “o curioso é que apesar desse direcionamento para a folha, a falta de professores na rede é flagrante e a categoria continua tendo baixíssima remuneração”.

Com a palavra, os órgãos competentes!

Prefeitura de Rio Bonito inaugura creche para 70 crianças

Flávio Azevedo 

A Prefeitura Municipal de Rio Bonito (PMRB) inaugura, agora, a Creche Maria Nazareth dos Santos Melo. O imóvel, que tem capacidade para receber 70 crianças, fica localizado na Rua Antenor Marmo, 664, no Centro. O evento conta com a presença do staff da PMRB, vereadores, profissionais de Educação, lideranças religiosas e a família da homenageada, que enquanto viveu foi um baluarte na área da Educação. 

Na solenidade de entrega da creche, a prefeita Solange Almeida anunciou que Boqueirão, Marajó, Serra do Sambê, Parque Indiano e Cajueiro serão os próximos bairros a ganhar uma creche. 

sábado, 12 de julho de 2014

Quarto lugar para Seleção Brasileira na Copa 2014 ficou de ótimo tamanho

Flávio Azevedo 
A Seleção Brasileira que disputou a Copa do Mundo em 2014 ficou num honroso quarto lugar. Chororô a parte, perder de 7x1 para a Alemanha é uma aberração, mas esse grupo não poderia ficar numa colocação melhor. O que precisa ser repensado é a origem do futebol brasileiro, que está carente de craques, sobretudo de meias que encantam os nossos olhos. Depois de Zico, não existiu outro meia diferenciado. Tivemos bons jogadores, mas nada diferente. No ataque, por conta da necessidade de formar jogadores “tipo exportação” (porque o objetivo das peneiras é vender atletas para clubes europeus), depois do baixinho Romário só tivemos um Ronaldo e nada mais.

Se conseguirmos deixar a paixão clubistica de lado, nós conseguiremos ver que nenhum atacante do futebol brasileiro, hoje, é muito superior ao Fred. Pode ser que tenhamos algum jogador em melhor momento técnico, mas não melhor em talento. O novato Neymar teve grande responsabilidade em ter que carregar sozinho, e ainda adquirindo experiência (é um menino de apenas 22 anos), essa geração que não tem a qualidade que se espera do jogador brasileiro.

A verdade é que a última geração que encantou e representou o futebol brasileiro foi a Seleção de 1982. De lá para cá nós viemos na decrescente. Contudo, essa geração que encantou o mundo não conquistou o título mundial. Aquele grupo sucumbiu diante de uma Itália em dia de graça. Quatro anos depois, os remanescentes daquele grupo ficaram nos pênaltis diante da França. Em 1990, a boa seleção também era muito questionada e caiu nas oitavas de final diante da Argentina.

Em 1994 e 2002, o Brasil foi campeão, mas essas equipes campeãs estiveram longe de apresentar o brilhantismo e o bom futebol do escrete de 1982. Em 1994 contamos com o diferenciado Romário. Em 2002, com um predestinado Ronaldo. Em 1998, 2006 e 2010, mais do mesmo. De 1990 para cá, as nossas atuações, com raríssimas exceções, estiveram à conta do chá. Em 1994 vencemos a Itália nos pênaltis. Em 2002, o título veio num dia em que tudo deu certo para o Brasil, como tudo deu certo para eles no vexatório 7x1 de 2014.

Nesses 30 anos, de 1982 até aqui, a qualidade do futebol brasileiro caiu. É logico que nos tornamos mais competitivos, porque as equipes brasileiras, nesse tempo, conquistaram Copas Libertadores, Mundiais de Clubes, Copas Américas, Copas das Confederações, mas com atuações comuns. Se existe algo a se destacar, apenas a dupla, Thiago Silva e David Luiz, que teve atuações ofuscadas pelo mau desempenho dos colegas e esquema tático escolhido pelo treinador.

Mas o que queremos? Conquistas ou belo futebol? Analisando a evolução das demais seleções, a organização do futebol brasileiro e o nascedouro do jogador brasileiro, o melhor a fazer é nos conformarmos com a realidade do quarto lugar. É claro que seremos campeões no futuro, mas nunca com a soberania de outrora. Será sempre na conta do chá, como foi diante da Croácia, do México (que empatamos), do Chile e da Colômbia.

Ficar em quarto lugar com esse grupo mediano que disputou a Copa de 2014 está de bom tamanho e pode ser que, trocando a comissão técnica ou não, esse lugar se mantenha na próxima Copa (Rússia em 2018). É possível, inclusive, que esse modesta colocação só tenha acontecido porque a Copa foi no Brasil. Jogando fora de casa, o vexame poderia ser pior e diante para uma seleção inexpressiva.

Tudo precisa ser repensado, analisado e mesmo que haja mudanças acertadas, elas só serão percebidas em longuíssimo prazo. Concluímos destacando que a FIFA tem provado ser uma máfia. Como bem disse o ex-jogador, Romário, "a CBF é uma entidade dominada por quadrilheiros". Nas Federações, o cenário não é diferente. E nas ligas municipais, como presenciamos em Rio Bonito, o futebol deu lugar a desavenças e politicagem. Ou seja, ficar em quarto lugar está ou não está de bom tamanho?

quinta-feira, 10 de julho de 2014

MP diz que Arruda não pode assumir e eleitores insistem votando num condenado

Flávio Azevedo 
O nome desse artista é José Roberto Arruda (foto), candidato ao cargo de governador de Brasília. O que impressiona é que a Procuradoria Regional Eleitoral do Distrito Federal divulgou nota, nesta quinta-feira (10/07), informando que caso seja eleito ele não poderá assumir por conta da condenação que existe contra ele de improbidade administrativa. Ele é acusado de participar de um esquema de corrupção que ficou conhecido como “mensalão do DEM”. 

A Lei da Ficha Limpa prevê o impedimento da candidatura de políticos condenados por órgãos colegiados por crimes e improbidade administrativa. O cara de pau, porém, diz que os adversários querem ganhar no tapetão. Afinal de contas, como um partido tolera um sujeito todo ‘cagado’ no seu grupo de nomes? E o otário do eleitor? Esses são os verdadeiros artistas, porque sabem do passado do sujeito e continuam votando nele. Só podem ser retardados!

E ainda tem uns imbecis que sustentam a tese ridícula de que Arruda pode concorrer, porque quando registrou a candidatura, ele havia sido condenado apenas na primeira instância e por um único juiz. A legislação e entendimentos anteriores da Justiça Eleitoral indicam que deve ser considerada a condição do político no momento do registro da candidatura, o que poderia liberar o ex-governador.

Resumo: como acreditar num país onde têm inescrupulosos e caras de pau pedindo votos e idiotas e imbecis votando?

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Pode ter faltado bola, mas sobrou patriotismo!

Flávio Azevedo 
No futebol, um dos termos muito utilizados é “regularidade”. Contudo, tem outro termo que também fica evidente, sobretudo nos momentos de frustração e derrota: a “ridicularidade”, que se baseia na falta de equilíbrio, educação, espírito desportivo e senso crítico; e no excesso de futilidade e egoísmo. Estou falando sobre um personagem que exige respeito, mas que não se dá o respeito: o torcedor.

Sempre que um atleta brasileiro se naturaliza em outro país, ele é vítima de críticas por falta de patriotismo. Nessa Copa do Mundo, por exemplo, brasileiros que por conta da naturalidade defenderam outras seleções, acabaram sendo muito hostilizados. Se os atletas não cantam o Hino Nacional ou não levam a mão sobre o coração antes de uma partida de futebol da seleção, uma enxurrada de críticas é despejada sobre eles.

Nessa Copa do Mundo, porém, o negócio foi diferente. Jogando em seu país de origem, sofrendo uma pressão desmedida e com um grupo que não é lá essas coisas, os nossos atletas foram constantemente criticados pelas lágrimas, pela vibração ao cantar o Hino Nacional, pela emoção estampada em cada fisionomia e pela postura apaixonada pelo Brasil.

A entrevista do zagueiro David Luiz, porém, me enche de orgulho, sobretudo pelo puxão de orelha em todos nós. Terminada a partida em que o Brasil caiu de maneira vexatória diante da Alemanha (eles venceram por 7x1), o atleta concedeu significativa entrevista ao repórter Eric Faria:
– Eu só queria poder dar uma alegria ao meu povo... A minha gente que sofre tanto, sofre com inúmeras coisas... Infelizmente não, não conseguimos... Pedir desculpa a todo mundo... Desculpa a todos os brasileiros... Eu só queria ver o meu povo sorrir... Todos sabem o quanto era mais importante pra mim... Ver... O Brasil inteiro feliz pelo menos por causa do futebol! Eles foram melhores, se prepararam melhor, fizeram um melhor jogo, tomamos quatro gols em seis minutos... É um dia pra... De muita tristeza, mas de muito aprendizado também... Na vida... Nunca vou desistir e um dia eu vou alegrar esse povo de alguma forma – disse o cabeludo.

Momentos depois, com os nervos mais controlados, o zagueiro voltou a falar sobre a derrota e as lições que devem ser tiradas da forma como ela aconteceu. “... Assim como a Copa do Mundo uniu o nosso país através do futebol, que a gente possa também estar unidos para melhorar... O nosso dia-a-dia, ajudar a tudo e a todos, porque o meu sonho mesmo é isso... Ver o Brasil... Campeão dentro, mas principalmente, fora de campo, porque a gente pode ser melhor, a gente quer essa melhoria...”. 
Bem, David Luiz, você tenha certeza que a sua fala é a mensagem da Copa! Ainda bem que as nossas frustrações sociais, os ranços políticos e, sobretudo as picuinhas de ordem pessoal não foram levadas por vocês para dentro do campo. A declaração do cabeludo é um “soco” com luva de pelica em todos que aproveitam os momentos de congraçamento para se drogar, se embebedar e se recusam a perceber as lições que as vitórias e derrotas nos oferecem.

Estamos falando de um David Luiz que teve um gesto belíssimo no último dia 4 de julho, quando Brasil eliminou a Colômbia. Ao ver o atleta James Rodrigues chorando por conta da eliminação colombiana, generosamente o zagueiro abraçou o jogador e chamou os demais atletas brasileiros para dar uma levantada na moral do colombiano. Generosidade, uma palavra que parece não ter significado para maior parte dos brasileiros.

terça-feira, 8 de julho de 2014

Walter Terra retorna a Liga Riobonitense de Desportos

Flávio Azevedo

Se tudo correr como o previsto, o desportista Walter Terra será o novo presidente da Liga Riobonitense de Desportos (LRD). A decisão é das agremiações esportivas do município. O objetivo é o renascimento do futebol de Rio Bonito, que, sobretudo por questões de vaidade e, em alguns casos, mal caratismo, está abandonado. Na última quinta-feira (03/07), representantes de Castelo, Cruzeiro e Rio Bonito Atlético Clube estiveram na entidade tratando do assunto. O nome de Walter, que já presidiu a LRD nos tempos de ouro do futebol riobonitense, pode ser a unanimidade que faltava entre, atletas, dirigentes e desportistas.

Empreendedores!

Flávio Azevedo 
Os amigos Yago, Wilker e Pedro Iago são os detentores da marca Morada.
É como podemos classificar os amigos Pedro Iago Guimaraes, Wilker Nascimento Silva e Yago Zaniboni Belgues, que estão promovendo a marca própria “Morada”. O início do trabalho do trio é vendendo camisas com estampas que destacam esportes radicais.

Depois de um ano trabalhando na promoção da marca, com distribuição, inclusive, no Rio de Janeiro, eles abriram nesse sábado (05/07), em espaço próprio, uma loja para a comercialização dos seus produtos. A “Morada” da marca fica no Green Valley, nas imediações da praça do bairro.

De acordo com os jovens empreendedores, a loja vai funcionar nos fins de semana, sempre entre 13h e 18h. Contatos com os meninos pelos endereços eletrônicos @moradarj (instagran) ou www.moradarj.com.br

Escritora Elis Franco lança livro e promove noite de autógrafos

Paula Brito 
Escritora atende leitores durante a noite de autógrafos
No último sábado a escritora riobonitense Elisangela Franco Cantalício lançou o seu primeiro romance. O evento de lançamento aconteceu no novo prédio da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), onde Elis Franco, como é popularmente conhecida, organizou uma noite de autógrafos de seu livro ‘Menina Mulher’.

 Cerca de 60 pessoas, entre familiares e convidados, estiveram no local para prestigiar a escritora. Num ambiente leve e descontraído Elis recebeu uma homenagem de sua prima Flavia Loyola, que falou sobre a infância das duas e destacou a perseverança da amiga. “Guerreira, uma mãe incrível, mulher, amiga e companheira que nunca desistiu de seus sonhos. Elis é um verdadeiro exemplo de luta e perseverança”, discursou.

Aos 40 anos, formada em Administração de empresas e mãe de dois adolescentes, a autora conta que sempre gostou muito de literatura e que durante suas leituras pontuava necessidades em cada narrativa. Com o tempo, o desejo de escrever algo mais completo se tornou uma necessidade, daí surgiu o livro ‘Menina Mulher’. “Eu sempre tive o costume de fazer anotações sobre os livros que lia, com o tempo comecei a fazer rascunhos e resenhas sobre o que eu achava que faltava nos roteiros. Decidi então escrever meu próprio romance, mas achava que não conseguiria. Às vezes o teclado era lento demais para o meu raciocínio, os personagens ganhavam vida própria. Mas no final, deu certo”, contou a escritora, cheia de animação.

Sobre as dificuldades na produção do livro, Elis destaca a importância da família. Separada há dois anos, ela afirma que a presença do novo esposo, Roberto Silva, foi essencial para a concretização do trabalho. “As crianças e o Roberto são uma benção na minha vida. Havia dias em que eu ia dormir às 4h da manhã e graças à compreensão deles eu consegui terminar. Eles sempre me deram total apoio, passei muito mal nessa semana de lançamento, mas eles resolveram absolutamente tudo pra mim. ‘Menina Mulher’ foi um sonho, eu nem tinha a pretensão de publicar, mas o Roberto me encorajou a correr atrás. Ele acreditou primeiro que eu. Devo tudo isso a ele, que me fez acreditar que era possível. Em menos de dois meses o livro foi aprovado em quatro editoras”, contou.

Sobre a proposta de realizar a noite de autógrafos em um evento restrito, a autora é incisiva. “Normalmente os lançamentos são feitos em livrarias, mas infelizmente aqui em Rio Bonito não existe nenhuma. A proposta da editora era fazer no Rio de Janeiro, mas eu não quis. Não lançaria fora da minha cidade, meus amigos e minha família estão aqui, minha terra é aqui e é nela que eu quero estar. Por isso decidimos fazer um coquetel para os mais chegados”, afirmou.

Elis Franco autografa um livro
Durante entrevista Uéliton Cantalício Guimarães destacou a força de vontade e a superação da filha. “Estou muito orgulhoso de ver Elisangela realizando esse sonho. Eu não esperava, foi uma surpresa para todos nós, uma surpresa muito feliz”, disse. Já a tia paterna, Célia Cantalício, de 66 anos, lembrou de talentos que se seguiram na família e que podem indiretamente ter influenciado Elis. “Lembro que mamãe gostava muito de ler, vivia citando poemas a todo o momento. Elis é a primeira escritora da família e estamos muito felizes, foi uma surpresa pra todos nós quando soubemos que ela estava indo por esse caminho. A avó dela certamente estaria muito encantada”, lembrou.

Muito emocionada, a avó Ivetti Soares de Souza se lembrou de quando a neta estava na escola e tinha preguiça de estudar. “Estou muito feliz, creio que todos da nossa família também estejam, Elisangela merece isso e muito mais. Eu me lembro de quando ela era pequenininha e tinha tanta preguiça de estudar e hoje vemos essa mulher guerreira, que nos presenteou com essa surpresa e espero que escreva muitos outros livros”, afirmou.

Elis aproveitou para anunciar o novo livro, ‘Amor e Coragem’, que está produzindo. “A procura do livro está muito maior que o esperado e já estou escrevendo outro. Se Deus quiser vou transitar por várias áreas da literatura”, finalizou.

Livro


Menina mulher é um romance contemporâneo que conta a estória de Lina, uma jovem do interior que vai estudar medicina em New York, e agarra com unhas e dentes a chance de realizar o seu sonho. Acostumada com a pacata vida de faculdade e residência, Lina vê sua vida mudar dramaticamente de um dia para outro, quando passa por situações de extremo perigo nas mãos de um psicopata. É no meio de toda essa trama que Lina se apaixona pelo charmoso detetive Braian, por quem seria capaz de sacrificar a sua própria vida.

Polêmicas relacionadas ao custeio da Marcha Para Jesus não tira brilho do evento

Paula Brito 
Apesar das polêmicas em torno da verba de R$60 mil, aprovada pela Câmara de Vereadores, para a realização da Marcha pra Jesus. O evento aconteceu no último dia 21 e contou com cerca de cinco mil pessoas no Centro de Rio Bonito. A marcha teve o apoio de 20 pastores evangélicos do município e contou com os shows dos cantores Alex e Alex, Fabi, Perlla, Gisele Nascimento e PG. A Marcha teve início às 18h na Avenida Sete de Maio, de onde os participantes saíram em direção a Praça Fonseca Portela. Acompanhados de um trio elétrico e um trenzinho que trazia personagens bíblicos em formato de bonecos, os evangélicos cantaram e dançaram pelas ruas da cidade.

O show teve um atraso de 1h30, e nem a chuva foi capaz de desanimar os evangélicos que aguardavam. Os problemas na aparelhagem de som fizeram com que o show da cantora Fabi fosse interrompido algumas vezes, mas o público presente continuou prestigiando a artista. Os cantores Alex e Alex levaram canções de adoração e testemunhos de vida. A ex-funkeira Perlla animou a todos e ainda convidou uma riobonitense para subir ao palco e cantar junto dela. Gisele Nascimento, em parceria com Perlla, fez uma homenagem aos esposos que as acompanhavam. O momento de carinho foi seguido de canções clássicas das igrejas.

A cantora Perlla.
Apesar do tempo ruim, o show do cantor PG, ex vocalista da banda Oficina G3, foi a grande atração. Mesmo debaixo de forte chuva, todos participaram do lançamento do novo CD do cantor "Foi lindo, eu estou muito feliz! É sempre bom voltar a Rio Bonito, pretendo voltar em breve. Uma pena que começou a chover e nós tivemos que encurtar o show, mas tenho certeza que Deus operou poderosamente no coração de todos que aqui estiveram", afirmou o cantor.

Desabafo

Presidente da Unipas, Rodrigo Salazar
Durante o culto, o presidente da União de Pastores (UNIPAS), afirmou ter dispensado a verba liberada pela Câmara por conta das polêmicas e decidiu organizar o evento apenas com patrocínios de empresários locais. Rodrigo Salazar aproveitou o espaço para fazer um discurso sobre o uso do dinheiro público e a necessidade do retorno de impostos como iniciativas socioculturais. Falou sobre as críticas ao evento nas redes sociais e o uso do dinheiro público em eventos como o carnaval. Criticou ideologias de partidos políticos como o PPS e o PT e afirmou ter apresentado um projeto de lei para que a Marcha também se torne um evento cultural.
– Quem tem coragem de criticar um evento abençoado como esse, pra mim, não serve nem pra ser síndico. Fulaninho fica postando versículo em rede social, falando mal do povo de Deus, mas no fim de semana está no bar. Os cantores evangélicos também precisam receber para estarem aqui. Os valores são determinados a partir dos níveis, assim como o salário de um político ou de um secretário. Mas nós não iremos à rede social, ou em lugar nenhum para nos defender. Nós, pastores aqui presentes, temos um papel social muito importante, nos nossos altares ensinamos as pessoas a cumprirem seus deveres com Deus e com o estado. Nenhum pastor aqui precisa de dinheiro de governo, nós estamos apenas lutando por um direito que é nosso, o de ter o retorno dos impostos que pagamos todos os dias. Nós não somos cidadãos de quinta categoria. Nos últimos três meses meteram o pau nesse evento, devido a isso achamos mais prudente não receber a verba da Câmara, mesmo assim conseguimos trazer artistas maravilhosos para o nosso culto. Hoje eu venho aqui afirmar que já apresentei um projeto de Lei que visa transformar a Marcha pra Jesus num evento cultural, espero que esse evento aconteça por muitos anos em nossa cidade. Independente das pessoas que criticam uma festa tão linda como essa – discursou.
PG, ex-vocalista da banda Oficina G3 foi uma das atrações do evento.
O evento recebeu apoio da prefeitura, com relação a Som, Iluminação e Trio Elétrico. Rodrigo aproveitou para agradecer aos patrocinadores e ao apoio da Prefeitura. “Apesar de todas as dificuldades, foi um culto de grande sucesso. Conseguimos reunir todo o povo de Deus aqui nessa praça, para anunciar as boas novas e falar do amor de Cristo. Quero agradecer aos pastores que estiveram sempre juntos, a prefeitura que nos ajudou com toda a estrutura do evento, e principalmente aos servos de Deus que mesmo com o atraso e a chuva, estavam aqui firmes e fortes adorando àquele que é digno. Esse sempre foi o nosso objetivo, a unidade dos filhos de Deus em detrimento do mal. Esse evento só nos trouxe benefícios, independente de qualquer coisa”, finalizou.

Polêmica

A polêmica sobre o evento surgiu logo após a publicação do texto “Marcha pra Quem?” na última edição do jornal “O TEMPO” (Edição 49) e no Facebook pessoal do editor do jornal. Segundo informações o texto teria sido causador do afastamento do jornalista Flávio Azevedo da Secretaria de Comunicação Social, pasta que era de sua responsabilidade. Em trechos de seu texto, Flávio critica diretamente a subvenção de R$ 60 mil aprovada para o evento, faz reflexões sobre o foco da Marcha e comenta a questão das celebridades do mundo gospel.
“(...) Somos frontalmente contrários a liberação de recursos públicos para qualquer denominação, pelo simples fato de que o louvor é uma oferta voluntária que oferecemos a Deus para retribuir o que Ele fez e faz por nós. Também somos contrários a esse negócio de o sujeito, famoso ou não, só aceitar visitar a igreja que comprar os seus CDs ou DVDs. Também discordamos dos espetáculos promovidos por “cantores e líderes religiosos” que só acontecem quando eles são bem pagos. O problema não é exatamente o dinheiro, mas a forma como ele está sendo arrecadado e empregado. Da maneira que tem sido feito, o louvor fica ofuscado, a adoração fica mascarada e nitidamente a fé esta virando um comércio e bem lucrativo.

O município vai dar R$ 60 mil? Beleza! As igrejas evangélicas – e em Rio Bonito não são poucas – darão quanto? E a comunidade de crentes dará quanto? E o louvor através das ofertas? Não tem? O vereador Marcinho Bocão disse que é preciso trazer um cantor famoso, “que não é barato”, para atrair as pessoas para o evento, “porque senão não vai ninguém”. Mas espera aí... O negócio é “Marcha para Jesus” ou “Marcha para Thales Roberto”? É “Marcha para Jesus” ou “Marcha para Aline Barros”? (...)

Programa Rota Brasil completa 18 anos de sucesso

Flávio Azevedo 
Sonoras, efeitos, comédia, originalidade, muito forró, sertanejo e música de raiz. Tudo isso os ouvintes do programa Rota Brasil da Rádio Sambê FM (98,7) acompanham todos os sábados a partir das 14h. Para celebrar os 18 anos do programa, atualmente, detentor dos maiores índices de audiência entre todas as rádios da Região, o Forró do Arrocha recebeu, no último dia 8 de junho, uma programação especial promovida pelo radialista Nildo Oliveira, apresentador do programa.

Os 27 anos de experiência do apresentador certamente é uma das razões para o sucesso do Rota Brasil, que contou, na comemoração pelo seu 18º aniversário, com a presença de músicos e bandas de forró muito queridas do público. “Gauchinhos do Forró”, “Magno Furacão”, “Românticos do Forró”, “Forrozão Eclipse”, Nélio Silva, Andrezinho, estiveram no palco do evento. 

O comunicador, Nildo Oliveira.
Cerca de 300 CDs foram sorteados com os ouvintes que lotaram o salão do Forró do Arrocha, casa de shows voltada a esse estilo musical, na localidade da Jacuba. No programa do dia 7 de junho, o apresentador Nildo Oliveira recebeu a nossa reportagem, contou fatos inusitados ocorridos durante esses 18 anos e com uma oração de agradecimento concluiu a programação. 

Vereadores repudiam texto crítico sobre a “Marcha para Jesus”

Flávio Azevedo 
O vereador Márcio da Cunha Mendonça, o Marcinho Bocão, faz parte da bancada evangélica.
Na sessão Legislativa do último dia 12 de junho, um dos temas abordados foi a “Marcha para Jesus”, evento realizado no último dia 21 de junho. Os vereadores Márcio da Cunha Mendonça, o Marcinho Bocão; e Edilon de Souza Ferreira, o Dilon de Boa Esperança, integrantes da bancada evangélica da Câmara, criticaram o texto “Marcha para Quem?”, publicado pela última edição do jornal “O TEMPO” (Edição 49) e no Facebook pessoal do editor do jornal. O texto critica a subvenção de R$ 60 mil aprovada para o evento, faz reflexões sobre o foco da Marcha e comenta a questão das celebridades do mundo gospel.

Em suas falas, os vereadores, Dilon e Marcinho Bocão, defenderam o evento; criticaram o texto e afirmaram que os evangélicos e organizadores da “Marcha Para Jesus” ficaram indignados com a publicação. Enquanto Dilon disse que levou o caso a prefeita Solange Almeida e pediu providências; Marcinho Bocão revelou que o recurso de R$ 60 mil, apesar de aprovado pela Câmara, não seria mais liberado pela Prefeitura.

O vereador Dilon de Boa Esperança confirmou a tristeza de vários pastores e reclamou das críticas direcionadas ao poder Legislativo. “O assunto repercutiu nas mídias sociais, nos jornais, mas eu queria que as mídias sociais colocassem como esta Casa tem trabalhado, tem reclamado, que coloquem isso também!”.
– Os pastores da Unipas, pessoas sérias, pediram para agradecer o apoio dos vereadores e querem um direito de resposta, porque da maneira que se coloca, parece que os pastores que estão organizando o evento são incompetentes, não tem boa índole... Eu não gostei, eu não fiquei satisfeito, conversei com a prefeita, disse que não gostei, fiquei indignado e deixo aqui o meu repúdio a essa matéria, que não foi feita de boa fé. E estou falando aqui o que muitos evangélicos e, até alguns católicos, gostariam de estar falando – desabafou Dilon.

“Perseguição” 
O vereador Edilon de Souza Ferreira, o Dilon de Boa Esperança, repudiou o texto e disse que cobrou, da prefeita Solange Almeida, providências. 
De acordo com os vereadores, os pastores e evangélicos de Rio Bonito estão indignados com o conteúdo do texto. No entendimento dos evangélicos, segundo os vereadores, a intenção da publicação é levantar suspeitas e interrogar a intenção dos pastores. O vereador Marcinho Bocão lembra que o colega Aissar Elias explicou que como a “Marcha Para Jesus” é um evento que faz parte do calendário cultural do município, a subvenção é legal.
– É um evento cultural e a União dos Pastores (Unipas) de Rio Bonito está tentando fazer um evento que arrasta multidões em todos os lugares. As críticas dizem que a marcha não é para Jesus, mas isso aí a pessoa é que vai dar conta com Jesus, porque os pastores que estão fazendo são pessoas de bem, de respeito, que pretendem alcançar almas. Estão tentando deturpar dizendo que a marcha não é para Jesus, mas para homens – disparou Bocão.

O parlamentar também comentou que os jornais não se mostram contrários aos recursos destinados aos blocos carnavalescos, “apesar da indecência do Carnaval”.
– Eu sou evangélico, não vou ao Carnaval, quem gosta vai, não tenho nada contra, mas é uma festa indecente e recebe verba da Prefeitura. Homens vestidos de mulher, levantando a roupa no meio da rua, mulheres que não usam sutiã, só colam aquele monte de tinta no peito, ficam expostas em lugares públicos e ninguém publica uma matéria sobre isso. Aliás, os blocos também poderiam se juntar para arrecadar recursos para fazer o Carnaval como o texto sugere que as igrejas façam – analisa.

“Cada um tem o seu valor”

Ainda segundo Marcinho Bocão, o evento está sendo organizado pela Unipas e não por uma igreja. “Os pastores têm me procurado, eles estão muito tristes com essa situação, porque estão tentando tirar o brilho da Marcha Para Jesus”. O parlamentar revelou também, que o recurso aprovado pela Câmara, da ordem de R$ 60 mil, que seria destinado ao custeio do evento, não vai mais sair. Quanto a crítica direcionada aos cantores “celebridades”, o vereador argumenta que “todo mundo quer o melhor e Jesus também quer o melhor”.
– Se Jesus deu o dom e o talento para uma pessoa é porque ela tem o seu valor. Nós somos vereadores. Será que aquele que está capinando e roçando tem o mesmo valor que um vereador? Todos são iguais, mas para o presidente dessa Casa chegar onde está ele teve que ter 1.890 votos. Eu, para estar onde estou, precisei ter 841 votos. Se fosse fácil todo mundo tinha voto e todos seriam vereadores – destacou Bocão, lembrando que “se tanta gente vive da música, por que um evangélico não pode viver da música?”.

O vereador lembra que a Unipas pediu R$ 60 mil, mas poderia ter pedido R$ 10 mil. “Tem gente que não ganhou porque não pediu”. A própria Bíblia diz que “às vezes, você não recebe, porque pedistes mal”. O vereador estranha o fato da cantora Aline Barros, uma das atrações dos festejos de 168 anos de Rio Bonito, não ter sido alvo de críticas.
– Eu não sei nem o valor que foi pago a Aline Barros, mas poderiam convidar uma pessoa de uma igreja do interior. Por que na Festa da cidade pode contratar Aline Barros e para a “Marcha Para Jesus” não pode? No meio evangélico, as pessoas também têm a sua preferência como em qualquer outro setor. E que as indecências do Carnaval sejam mostradas pelos jornais, assim como também deveriam apontar o clima de harmonia da “Marcha Para Jesus” – concluiu Bocão.