domingo, 27 de janeiro de 2013

Incêndio em boate gaúcha nos deixa com a certeza de que o Brasil é um país de mentirinha


Flávio Azevedo

Mais um festival de mortes e irresponsabilidades em nosso país.
O Brasil acordou nesse domingo (27/01) sob o horror de mais uma tragédia, em que as vítimas são pessoas bem jovens (a maior parte com idade entre 16 e 20 anos). Em Santa Maria/RS, um incêndio numa boate, até agora tem o saldo de 233 mortos e 92 feridos. Diante de mais uma história de perdas, outra vez o quesito IRRESPONSABILIDADE aparece como ator principal dessa trama de horror. Nessas horas, perguntas, que logicamente nunca serão respondidas, começam a ser pensadas, mas nunca debatidas, porque não interessa resolver os problemas apontados.

1 – A banda “Gurizada Fandangueira”, que se apresentava na boate no momento  que o incêndio começou, trabalhava com pirotecnia durante os seus shows (o que teria provocado o incêndio). Eles tinham formação técnica para isso?
2 – Por que as portas ficaram fechadas tanto tempo? Para ninguém sair sem pagar? Será que a casa conseguirá receber os ingressos dos 233 mortos?
3 – Segundo os Bombeiros, o Alvará de funcionamento estava vencido desde agosto, então como a casa estava funcionando?
4 – Antes de qualquer evento desse porte, não tem uma vistoria dos Bombeiros? O tal examinador quem é? Ele não viu o Alvará vencido?
5 – Todo especialista que aparece na TV fala em “cuidado preventivo”, mas por que isso não é levado a sério em lugar nenhum do Brasil?

Cara de pau

O interior da boate ficou totalmente destruído. Segundo os Bombeiros, 25 corpos estavam carbonizados.
O ex-presidente Lula divulgou nota manifestando solidariedade pelo ocorrido. “O Brasil inteiro está triste e de luto pelas mortes ocorridas no incêndio em Santa Maria. Nesse momento difícil, expressamos nossa solidariedade aos amigos e familiares das vítimas e à toda a população da cidade, mas em especial aos pais e mães por essas perdas irreparáveis. Nossos sentimentos", diz a nota.

Infelizmente, essa turma só fica de luto diante de desgraças como essa. As perdas e desastres que ocorrem diariamente em todo território nacional não sensibiliza ninguém, principalmente esses caras de pau que comandam e/ou comandaram o Brasil. Histórias como essas só ocorrem porque quem deveria estar atento fingiu que não viu, foi subornado ou recebeu um telefonema de alguém importante com a seguinte ordem: “libera a situação aí porque esse negócio é de um amigo nosso”.

O ex-presidente Lula e os políticos brasileiros deveriam estar de luto por conta das bandalheiras que já se tornaram corriqueiras em nosso país. Um comportamento perverso que contribui para transformar uma nação promissora como o Brasil numa verdadeira república de bananas.

Incompetência e irresponsabilidade

Moacyr Duarte
A prova das afirmações, para o meu entendimento “firmes”; para outros, “muito fortes”, que estamos fazendo, se baseia na entrevista do especialista em gerenciamento de risco, Moacyr Duarte. À Globo News, ele disse que faltou cuidado preventivo. Ele também ressaltou que na busca por responsabilidades a lista não será pequena.
– Era uma questão de ter visto antes as características do local para dizer se seria possível fazer aquela pirotecnia no ambiente. A visita de um técnico na boate evitaria a tragédia. É preciso ter uma brigada interna, gente treinada e preparada para orientar a evacuação. O plano de evacuação é uma medida extrema, aquele remédio que ninguém quer tomar, então já que ela é o último recurso, espera-se que seja eficiente – afirmou.

Ainda de acordo com Moacyr, sustentar um estabelecimento sem condições de segurança é um problema ético. “Não é razoável que um cidadão, dono de um empreendimento, uma casa de festas para duas mil pessoas, não tenha atentado para a questão da segurança. O Brasil é um país onde leis não são cumpridas e a cadeia de responsabilidade vai se estender do dono da boate ao governador do Rio Grande do Sul”, afirma Moacyr.

Nenhum comentário:

Postar um comentário