quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Mais um carro roubado em Rio Bonito

Flávio Azevedo

A Uno da ilustração não é o veículo roubado.
Dessa vez a vítima é o universitário Vinícius Machado Martins, de 26 anos, morador de Nova Cidade, no 2º Distrito. De acordo com ele, o bem subtraído é um Fiat Uno/96, placa LAV – 7193, da cor vermelho/vinho. Ele estuda na Universidade Estácio de Sá, em São Gonçalo. Por volta das 17h, ele deixou o veículo estacionado próximo a Casa São Vicente de Paulo, na Av. Sete de Maio, mas quando retornou o carro não estava no local, deixando o universitário literalmente “a pé e morando longe”.

Enquanto isso nós esperamos a implantação do novo Sistema de Monitoramento e a laureada Central de Inteligência que seria uma ferramenta e tanto nesses casos. A incompetência, a morosidade e, por vezes, o desinteresse, dos administradores da nossa cidade é irritante.

Programa Flávio Azevedo lança quadro "Estúdio Maverick Recebe"

A galera da banda, no estúdio, durante a entrevista.
O programa Flávio Azevedo dessa quarta-feira (28/11) recebeu os integrantes da Banda Maverick. Além da conversa sempre descontraída e agradável que travamos com essa galera, nós também aproveitamos a oportunidade para divulgar o show que a banda realiza no Esporte Clube Fluminense, nessa sexta-feira (30/11), a partir das 22h.

Para o último show da Banda Maverick, realizado no último dia 30 de março, também no Fluminense, todas as mesas foram vendidas e foi um grande sucesso. A entrevista foi a primeira de uma série de entrevistas que o programa vai realizar com os músicos e bandas locais, no quadro “Estúdio Maverick Recebe”. O novo quadro promete ser um grande sucesso!

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Igualdade entre os vereadores pode não ser aprovada

Flávio Azevedo

O pedido de vista pode ter sepultado o Projeto de Resolução que iguala os benefícios destinados aos parlamentares.
Já está causando polêmica o Projeto de Resolução (PR) que regulamenta a igualdade entre os vereadores. Apresentado no início do mês pela vereadora Rita de Cássia (PP), o projeto foi posto em votação na última terça-feira (27), mas o vereador Carlos Cordeiro Neto, o Caneco (PR) pediu vista. Apesar do tempo que a mensagem já tramita na casa, o parlamentar argumentou que precisar estudar um pouco mais o Projeto. Acompanhado com expectativa pelos vereadores eleitos no último dia 7 de outubro, e também pela população, tudo indica que o projeto não será aprovado.

A vereadora Rita de Cássia disse que o pedido de vista é um ato legítimo, mas não conseguia esconder a sua contrariedade com o que foi classificado por quem assistia a reunião como uma manobra para retardar a votação da matéria. De acordo com o vereador Marcos Botelho (PR), que se diz favorável ao Projeto, antes do Legislativo entrar em recesso o Projeto de Resolução será votado.

Um dos mais inconformados com a possível não aprovação é o vereador Humberto Belgues (PSDB). Ele classifica o pensamento contrário ao projeto como “vergonhoso” e afirma que a opinião pública olharia o Legislativo de maneira diferente se o Projeto de Resolução for implantado. O vereador garante que os contrários estão sendo influenciados por “forças ocultas”.
– Quando eu me lancei presidente da Câmara, ainda em 2010, regulamentar essa igualdade era um dos meus objetivos. Mas fui acusado de estar mal intencionado e não foram poucas as pessoas que usaram os problemas que ocorreram na Casa para denegrir o meu mandato. Essa mensagem, porém, vai tirar a máscara de muita gente. Eles tinham era medo que eu chegasse a Presidência da Casa e resolvesse uma série de coisas que, se trazidas à tona podem, ainda hoje, fazer um estrago – alfinetou.

Para Humberto, “a Câmara Municipal de Rio Bonito precisa ser transformada em um Poder Legislativo de verdade, mas manter a coisa do jeito que está é melhor para muita gente”. Segundo ele, não existe interesse em modernizar, dar transparência e não são poucos os que se beneficiam com isso. “Alguns colegas ganharam fazendo pose de honestos, outros venceram criticando a atual composição do Legislativo, mas nos bastidores esses santinhos são contrários a esse importante projeto e na calada da noite firmam acordos escusos”, dispara o vereador, sem mencionar nomes e entrar em detalhes. “Quem está no jogo sabe de quem e do que eu estou falando”, concluiu o enigmático Humberto.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Movimento pró-royalties tem manifestação “Fora Cabral”

Flávio Azevedo

Grupos contrários ao governador aproveitaram a oportunidade para protestar contra o governo Cabral.
A passeata promovida pelo governo do Estado do Rio contra o projeto de redistribuição dos royalties do petróleo tem protestos contra a gestão Sérgio Cabral (PMDB). Parte dos manifestantes usa uma enorme faixa com os dizeres “Fora, Cabral – Veta, Dilma”, disparam palavras de ordem contra o governador e usam guardanapos na cabeça, em referência ao episódio onde o alto escalão do governo fluminense e o empresário Fernando Cavendish, ex-dono da construtora Delta, apareceram em uma festa, em Paris, trajando bandanas de guardanapos.

Em París, a farra promovida pela alta cúpula do Estado escandalizou a população fluminense.
A imagem foi divulgada em meio às denúncias de ligação de Cavendish com o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, alvo de duas operações da Polícia Federal. Ele é acusado de comandar um esquema de jogos ilegais, envolvendo servidores públicos e uma série de ações ilegais envolvendo empreiteiras e construtoras que prestam serviço para os governos, federal e estadual.

Enquanto alguns estão preocupados com a perda de recursos, o governo do estado do Rio de Janeiro informou que foram gastos R$ 783 mil na manifestação chamada de "Veta, Dilma". O dinheiro foi gasto com montagem de palco, estruturas de som e iluminação, aluguel de trios elétricos e contratação de pessoal.

Pezão anunciado como pré-candidato a governador do Rio

Flávio Azevedo

O vice-governador, Luiz Fernando Pezão
Agora é oficial. O PMDB anunciou o nome do vice-governador Luiz Fernando Pezão à sucessão de Sérgio Cabral, em 2014. O evento aconteceu na última semana e contou com a presença de vários prefeitos do interior e parlamentares. Além do governador, também prestigiaram o evento, o presidente estadual do partido, Jorge Picciani, o prefeito do Rio, Eduardo Paes e o presidente nacional do partido, senador Valdir Raupp (RO).

Pezão agradeceu o apoio recebido, afirmando ter muito orgulho de ser membro do partido e do governo. “Se eu for mesmo confirmado candidato em 2014, vou andar de cabeça erguida nos 92 municípios, porque sei da importância do trabalho que desenvolvemos”, afirmou o vice-governador, destacando que o cronograma do governo planejado para os oito anos de mandato de Sérgio Cabral precisa de mais tempo para dar os frutos almejados. “Sofremos com 40 anos de abandono, de brigas com Brasília, e hoje somos referência para todo o País”, disparou.

Em Rio Bonito, no dia 14/10/2009, junto do governador Sérgio Cabral, Pezão participou da assinatura de um convênio para trazer obras para Rio Bonito, mas nem 30% do prometido foi cumprido pelo governo do Estado.
O governador Sérgio Cabral afirmou que o saneamento das contas do estado ampliou a capacidade de investimento fluminense e isso não teria sido possível sem o trabalho de Pezão. “Devemos dar continuidade ao renascimento do Rio olhando para frente e desenvolvendo o estado com este grande quadro que é o Luiz Fernando Pezão”.

Pouca coisa aconteceu


Topiqueiros de toda região vieram precionar o governador que estava em litígio com a classe.
Quando a alta cúpula do estado esteve em Rio Bonito em 2009, o governador anunciou a liberação de uma verba de R$ 4 milhões para o município e assinou o convênio para a liberação do recurso. Durante a solenidade prevaleceram as vaias, os apupos, as zombarias e as palavras ordem. “Queremos trabalhar, o Cabral não quer deixar”, “Cabral governa para os empresários de ônibus”; “fora Cabral”; “obrigado pelo meu desemprego”; “vaza, não queremos você aqui”. Apesar de tentar fingir que os manifestantes não estavam ali, eles roubaram a cena e conseguiram irritar o governador que encerrou o seu discurso aos gritos.

Na oportunidade, o deputado Marcos Abrahão agradeceu a criação da Coordenadoria de Educação Serrana V, a Ciretran e as obras de recuperação de três encostas (Bosque Clube, Cidade Nova e Rua Lauro Araújo Jr, no Centro). Ele também destacou a doação de R$ 1 milhão, que a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) enviou para o município atender os desabrigados atingidos pelas chuvas do último verão. Os manifestantes permitiram que Abrahão falasse, mas quando ele citava os nomes do deputado Paulo Melo (PMDB) e do presidente da Alerj, Jorge Piccini (PMDB), os protestos recomeçavam.

Tentando demonstrar tranquilidade, mas visivelmente constrangido com a manifestação, o governador Sérgio Cabral disse em rápidas palavras que o Rio de Janeiro estava abandonado há 30 anos e as vaias que tem recebido são orquestradas sempre pelas mesmas pessoas. De acordo com ele, “houve um tempo que as brigas, as desavenças prevaleciam e o povo era prejudicado. O Rio nunca recebeu tanto recurso do governo federal”. Demonstrando não estar por dentro da política local, o governador elogiou o fato de ver no mesmo palanque o prefeito, o vice-prefeito e o presidente da Câmara.

Recursos

À época, foi anunciado que os municípios de Rio Bonito, Silva Jardim e Tanguá receberão cerca de R$ 14 milhões do governo do Estado. Em Rio Bonito foi construída uma Praça de Convivência, com uma academia de ginástica, área de lazer infantil, teatro de arena e biblioteca popular (ainda não concluída). Além disso, o segundo galpão da antiga Nadisa, anexo ao Centro Administrativo será recuperado (ainda não concluído). O convênio também prevê obras de urbanização, pavimentação e drenagem em diversos bairros, perfazendo uma extensão total de 19,7 Km (não veio metade disso). Também será a concluída, a estrada que liga o Green Valley ao Basílio (continua no barro).

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Maridos inconformados confirmam que a sociedade está doente

Flávio Azevedo

Preso pela polícia, o atirador disse ter perdido a cabeça.
O Fantástico desse domingo (25/11) trouxe uma triste reportagem. Aliás, esse é mais um episódio que tem sido rotina no noticiário: inconformado com a separação e tomado de ciúmes, ex-marido (Rodrigo Moreira) tenta matar a ex-esposa (Fernanda Moreira). O fato ocorreu em Santana do Livramento, no Rio Grande do Sul. As câmeras da Santa Casa de Misericórdia flagram os cinco tiros que Rodrigo dispara contra a ex-esposa depois de persegui-la. As imagens ainda mostram a mãe de Fernanda, que corre para impedir o pior.

Dois tiros acertaram Fernanda. Um atingiu a cabeça, o outro acertou uma das mãos. “Ela está consciente, não tem sequelas visíveis no momento e eu espero que esse quadro continue andando bem”, diz o neurologista Carlos Alberto Vieira, médico da vítima. Preso pela polícia, o atirador desceu do carro da brigada militar dizendo não saber o que estava fazendo. O motivo do crime, segundo a família, teria sido ciúme. De acordo com a reportagem, em conversas informais ele confessou que o crime foi passional. Ele não aceitava o fim do casamento e suspeitava da mulher (traição).

A vítima se recupera bem, está consciente e não corre risco de morte. Mas afinal de contas, o que se passa na cabeça desses homens? Recentemente numa reunião do Conselho Comunitário de Segurança (CCS) de Rio Bonito/RJ, o delegado titular da Delegacia da cidade falou sobre o alto volume de crimes classificados como Lei Maria da Penha.
– Eu não sei o que está acontecendo com os homens aqui de Rio Bonito... Não sei se é a água, mas as ocorrências de crimes dessa natureza estão em número muito elevado. Algo precisa ser feito para melhorar esses índices. Isso sem falar nas mulheres que são agredidas, mas por conta dos filhos e da dependência do esposo acabam não registrando a ocorrência. E continuam apanhando – alertou o delegado acrescentando que recentemente prendeu um sujeito que batia na esposa e diante do delegado confirmou que vai matar a mulher. “A prisão não fez esse marido refletir. Mesmo estando preso, ele garantiu que quando sair da cadeia vai matar a mulher".

Especialistas apresentam como desculpa para esse hábito terrível, alterações provocadas por bebida alcoólica, drogas ilícitas, estresse, entre outros fatores. Infelizmente as pessoas que debatem esses assuntos são frouxas, falam de boca pura e não têm coragem de por o dedo na ferida. A verdade é que o Brasil ainda é um país extremamente machista (inclusive, as mulheres); a criação tradicional diz que a agressão é normal e prega como regra social o domínio do homem sobre a mulher.

Contribui para isso o ensino rígido, retrógado e ultrapassado das escolas, geralmente dominadas por pessoas anacrônicas e “fora do prazo de validade”. Na mesma direção estão às igrejas, instituições que pregam o amor, mas esquecem de permitir que o referido sentimento entre em seus corações. Se os líderes religiosos e políticos da sociedade civil organizada não conseguem exercer liderança para mudar esse doentio cenário – muito por conta de estarem com o rabo preso – o povo acaba assimilando a postura dos seus líderes.

Concluindo o assunto convém falar do sentimento de propriedade que fascina homens e mulheres. O sujeito, metido a mais macho que os outros, prova a sua masculinidade se dizendo o dono da esposa. Por outro lado, ela pensa que ele é seu empregado e, por isso, ele tem, inclusive, que fazer tudo o que ela mandar (sem direito a erros). Resumindo, para qualquer relacionamento, a falta de amor e respeito é a raiz de toda espécie de males. Aliás, se estivermos falando da tão comentada vida a dois, experiência que requer renúncia, entrega e dedicação, a ausência desses valores (amor e respeito) resulta em noticiários dessa natureza.

Bethânia Prevot Moda Fashion é a nova opção de moda em Rio Bonito

Flávio Azevedo

A empresária Bethânia Prevot preparou um espaço de muito bom gosto no Centro de Rio Bonito.
Consumidores de bom gosto contam, desde o último dia 12 de novembro, com uma nova opção de moda em Rio Bonito. A Bethânia Prevot Moda Fashion chegou focando novas tendências para vestimenta e acessórios. Localizada na Rua da Conceição, nº 37, Loja 04, no Centro, o novo espaço conta com estoque moderno, atualíssimo e exclusivo. O público, masculino e infantil (feminino), não foi esquecido. O novo espaço oferece opções excelentes sempre com preço e condições de pagamento especiais.

Espaço climatizado, aconchegante e confortável são algumas das marcas da Bethânia Prevot Moda Fashion.
Com vitrines charmosas, espaço aconchegante, climatizado e confortável, a Bethânia Prevot Moda Fashion pretende ser o principal espaço de moda da cidade, antecipar tendências, oferecer exclusividade e ter como diferencial, além do bom atendimento, a moda “Plus Size” (tamanhos grandes/44 a 56).
– O nosso objetivo é tornar o hábito de compra uma experiência deliciosa para clientes de todos os estilos e idades. Estamos aqui para auxiliar na escolha da roupa de festa, a roupa da noite e até aquele simples acessório. Queremos fazer a diferença. Antes de fazer uma compra consulte a Bethânia Prevot Moda Fashion – afirmou a proprietária do novo espaço.
A Bethânia Prevot Moda Fashion espera você com excelentes opções de compras para o Natal. Aberta de segunda a sexta de 9h às 19h30min. Telefone: (21) 2734 - 4101.

Flashes do Casamento de Rute e Eliseu

O casal Rute Rosa e Elizeu Mazziotti.
Nesse sábado (24/11) eu passei por uma experiência nova em minha vida. A honra e a oportunidade de celebrar o casamento do casal de amigos, Rute e Eliseu. A cerimônia aconteceu no Salão José Egger, no Rio Bonito Atlético Clube e contou com a presença de centenas de amigos e parentes. Ela, de família católica; ele, de família evangélica; não poderiam se unir sob as bênçãos de sacerdotes de suas respectivas crenças, por conta da diferença de credo e regulamentos de cada denominação.

Durante os votos do matrimônio e troca de alianças, um noivo emocionado que chegou as lágrimas.
Por conta desse impasse, eu fui convidado para fazer algumas reflexões e oficiar a cerimônia. Como o que me interessa é o amor que o casal nutre um pelo outro, eu aceitei o desafio e Deus abençoou a todos nós. Em rápidas palavras nós meditamos na força do Amor; na importância do respeito mútuo; na necessidade da presença de Deus no seio da família; nas obrigações dos líderes do lar, entre elas a criação e Educação dos filhos, tarefa árdua, porém, vital para a sociedade. Concluímos frisando ser imperioso que essa divina responsabilidade não seja transferida para terceiros.

Um dos momentos mais emocionantes da cerimônia.
A troca de alianças foi marcada pela forte emoção de Eliseu, que com voz embargada (em vários momentos) fez os votos matrimoniais diante de Deus e de dezenas de convidados que estavam igualmente emocionados. A música da parte religiosa do evento ficou por conta de Sheila Sá e Ricardinho. O poeta e escritor Francisco Azevedo também apresentou uma poesia em homenagem ao casal.

Concluída celebração, os convidados foram brindados com coquetel; e a animação ficou por conta de Júnior e Luciano, amigos do noivo, que é um dos músicos (baixista) da banda que acompanha a dupla. Que Deus derrame muitas bênçãos sobre o casal!

Reflexões do celebrante:

As reflexões para o casal foram baseadas nas palavras "Amor" e "Respeito".
Taj Mahal – Um Monumento ao Amor

Escolhido como uma das “Sete Maravilhas do Mundo Moderno”, o Taj Mahal está longe de ser um monumento que referencie uma guerra, uma conquista ou algum tipo de realização. Localizado na Índia, na cidade de Agra, o Taj Mahal, queira você ou não, é um mausoléu, um sepulcro, uma sepultura. Apesar disso, a construção, erguida por cerca de 20 mil operários entre os anos de 1631 e 1653, foi tombada pela UNESCO, em 1993, como Patrimônio da Humanidade.

Você pode estar se perguntando: “esse cara ficou maluco! Falar de mausoléu numa cerimônia de casamento?”. Eu explico. O Taj Mahal, suntuoso monumento construído todo em mármore branco, foi erguido por ordem do imperador Shah Jahan como memorial a sua esposa Aryumand Banu Begam, a quem chamava de “Mumtaz Mahal”, que significa “A jóia do palácio”.

Assim, o Taj Mahal pode ser pensado como a maior prova de amor do mundo. A construção é incrustada com pedras semipreciosas e sua cúpula é costurada com fios de ouro. A “Jóia do Palácio” deu ao seu esposo 14 filhos. Ela faleceu exatamente no último parto. O Taj Mahal é uma oferta póstuma. Diz a história que Shah Jahan adoeceu. Ao perceber que o fim dos seus dias se aproximava, ele passou o reino para os filhos e pediu que pudesse viver num aposento onde ele pudesse olhar o Taj Mahal pela janela. Quando morreu, em 1666, Shah Jahan foi sepultado ao lado da esposa.

Apesar de iniciarmos a nossa cerimônia falando de morte, nós também podemos falar de festa, inclusive, de uma festa de casamento. O relato está escrito no evangelho de João, no capítulo 2, versos 1 a 11. O texto conta a história de um casamento, ocorrido numa localidade chamada de Caná, na Galiléia. O evento contou com a presença de Jesus, da sua mãe e dos seus discípulos. Algo terrível, porém, aconteceu: o vinho acabou. Discretamente, Maria se aproximou do filho e comentou o ocorrido. Embora Jesus, a princípio, não tenha demonstrado muito interesse em atender a sua mãe, ela conhecendo o filho pediu que os garçons fizessem o que Jesus ordenasse.

O texto bíblico afirma que estavam ali, seis talhas de pedra, objetos que eram usados para a purificação dos judeus. Jesus ordenou que as enchesse de água. Depois de cheias, Ele ordenou que a água fosse levada ao mestre-sala, uma espécie de cerimonial contratado para organizar a festa. Ao provar o vinho, o mestre-sala chamou o noivo e fez um comentário que ocorre ainda nos dias de hoje: “todo homem põe primeiro o vinho bom e, quando já têm bebido bem, então o inferior; mas tu guardaste até agora o bom vinho”.

Essa história é outra lição importante para qualquer casal. Quando Jesus está presente no casamento milagres podem acontecer, mudanças não imaginadas podem ocorrer, hábitos ruins, mas acariciados podem ser abandonados. O termo “triângulo amoroso” sempre é olhado pelos casais com grande espanto, sobretudo pelos mais ciumentos. Eu afirmo, porém, Rute e Eliseu, que quando essa terceira pessoa é Jesus, a possibilidade de vida feliz é de 100%.

A última história bíblica que iremos abordar nessa noite está localizada no capítulo 8 de Lucas, a partir do verso 40. Jesus foi procurado por um homem chamado Jairo, que era príncipe da sinagoga. Ele pediu que Jesus fosse a sua casa. O motivo da visita era curar a sua filha. Ela estava muito doente. Enquanto Jesus se dirigia a casa de Jairo, sempre envolvido pela multidão, chegou um dos assessores de Jairo com a notícia de que a menina, que tinha cerca de 12 anos, já está morta. Jesus, porém, ouvindo, respondeu: “Não temas, crê somente, e ela será salva”.

Entrando em casa, a ninguém Ele deixou entrar. Apenas Pedro, Tiago, João e os pais da menina. As pessoas choravam, mas Jesus pedia que não chorassem. O pedido, logicamente, inusitado, gerou risos e o deboche de vários que estava ali acompanhando cada passo do mestre. Depois de pedir que todos saíssem, Jesus pegou a jovem pela mão e disse: “Levanta-te, menina!”.

Diz o relato que ela voltou a respirar, se levantou e Jesus a entregou aos seus pais para que a alimentassem. Estamos falando de uma criança, uma menina que estava chegando a sua adolescência, uma fase difícil e complicada que será enfrentada por todos os pais e mães. Entretanto, não são poucas as famílias que estão transferindo a responsabilidade, que é delas, para terceiros. Transferem para a escola, para o Conselho Tutelar, para a Prefeitura, para a Igreja, para a Delegacia, para a Câmara de Vereadores, para o instrutor de capoeira, para a professora de balé, para a televisão, para o curso de inglês, para a Natação e muitas vezes para a rua.

E, a Bíblia também fala sobre isso. O profeta Jeremias, no capitulo 9, verso 21 do seu livro, escreveu o seguinte: “porque a morte subiu pelas nossas janelas e entrou em nossos palácios, para exterminar as crianças das ruas e os jovens das praças”. Interessante é que já nos temos bíblicos a morte entrava pelas janelas e buscava exterminar os jovens. Fica muito nítido, que os problemas, às vezes, podem estar dentro de casa. Eles entram pela janela, pela porta, pelo rádio, pela TV e, ultimamente, pela internet.

Em Deuteronômios 6, versos 5 a 9, Moisés escreveu aconselhamentos importantes. Diz assim: “Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração (sentimentos), de toda a tua alma (escolhas) e de todas as suas forças (luta e iniciativa). E estas palavras que hoje te ordeno estarão em teu coração. E as ensinarás a teus filhos e delas falarás: assentado em tua casa, andando pelo caminho, ao deitar e ao levantar. Também as atarás por sinal na tua mão (serviço) e te serão por frontais entre os teus olhos (mente). Escreva estas palavras nos umbrais da tua casa e nas tuas portas”.

Conclusão

Rute Rosa Gomes Fonseca, 25 anos; Eliseu Nunes Mazziotti, 37 anos. Ela é filha de Regina Maria Gomes Fonseca e Nelson Alves da Fonseca. Ele é filho de Dora Nunes Mazziotti e Geovanni Mazziotti. São as pessoas responsáveis pelo cuidado, até aqui desse casal que se une em matrimônio diante de Deus e dos homens. Rute e Eliseu apontaram o que mais chamou atenção quando se conheceram. Ela disse que ele é “sincero”; ele destacou a “beleza” da gata.

Prezado Elizeu, continue sendo sempre muito sincero com a sua companheira. E Rute, continue a cada dia sendo mais bela... Mas eu não estou falando da beleza que sai com água e sabão ou é construída pelo bisturi de um exímio cirurgião plástico. Estou falando da beleza interior, de um coração apaixonado, de um espírito apaziguador. Retribua, sempre, a sinceridade que você enxergou no seu esposo.

Termino com o conselho de S. Paulo a igreja de Corinto. Estamos falando de uma congregação de crentes que era extremamente problemática, mas tudo por conta da falta de amor. Como já mencionamos aqui anteriormente, mas nunca é demais lembrar, a raiz de toda espécie de males que atinge qualquer união, seja ela, amorosa, familiar ou comercial, é a falta de amor. Essa é a realidade de qualquer convivência.

O trânsito que nós criticamos; o vizinho que prejudica o outro; o colega de trabalho que diz inverdades e adora mexericos; o sujeito que se acha mais esperto que os demais e fura a fila onde todos estão pacientemente aguardando a sua vez; as pilhérias e piadas que fazemos com as limitações, físicas ou mentais, das pessoas; e as desavenças entre os casais... Tudo isso é fruto da falta de amor.

Os problemas de convivência não foram originados pela modernidade. Pode ser que tenham sido ampliados, mas eles existem a muito tempo. O primeiro casal que existiu nesse mundo, Adão e Eva, viu os seus filhos, os primeiros jovens da história do planeta, entrando em vários atritos. O resultado nós já sabemos: Caim matou Abel. 

Sendo assim, S. Paulo, na sua primeira carta aos Coríntios (13) escreveu:

Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.
E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.
E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.
Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;
Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;
Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
O amor nunca falha.

domingo, 25 de novembro de 2012

Vereador Luciano Lúcio comemora conquista do terceiro mandato e campanha baseada em propostas

Flávio Azevedo

O vereador Luciano Lúcio discursando na tribuna da Câmara de Tanguá.
Numa série de entrevistas que o jornal “O TEMPO” vai fazer com vereadores eleitos de Tanguá, a nossa reportagem ouviu nessa edição, o parlamentar Luciano Lúcio Natalino (PSDB), eleito nas eleições do último dia 7 de outubro com 581 votos. O parlamentar vai exercer o seu terceiro mandato e tem vasta experiência na vida pública. Ele já foi secretário de governo, candidato a prefeito de Tanguá, assessor parlamentar “tudo isso por conta da impetuosidade da juventude”, acredita o próprio Luciano, que aos 40 anos é casado e tem um filho.

Para o vereador, a nominata montada por ele para disputar as eleições poderia ter elegido três parlamentares, “mas infelizmente isso não aconteceu, só fizemos dois”. Ele se orgulha de ter feito uma campanha baseada em propostas, o que, segundo ele, “é muito difícil numa cidade carente como Tanguá”.
– Boa parte do povo tanguaense ainda pensa o vereador como um assistente social. Como alguém que deve ajudá-lo com benefícios individuais e oferecendo algum tipo de assistência. Sendo assim, ser vereador defendendo setores e propostas, em algumas ocasiões, faz com que você não seja reconhecido por alguns – disse o vereador, que tomou um susto no início de setembro ao sofrer um infarto, mas garante estar recuperado.

Sobre as desavenças ocorridas no parlamento tanguaense, onde todos os vereadores ficaram contra o presidente Paulo do Correio (PTB), fato muito criticado pela população, o vereador afirma que o ocorrido deixou lições.
– O vereador precisa ter postura e eu afirmo que o Poder Judiciário faltou com o respeito com o poder Legislativo. Eu era o único vereador que dialogava com o presidente Paulo, mas apesar dos avisos ele excedeu todos os limites, foi ditador e o Poder Judiciário foi conivente porque não agiu. Por outro lado, isso aconteceu porque faltou postura da nossa parte. O vereador precisa se preparar mais para exercer a função, esquecer a política de varejo e entender o funcionamento da Casa – ponderou.

Eleito no palanque de Rodrigo Medeiros (PP), candidato derrotado pelo prefeito eleito Válber Marcelo (PTB), Luciano Lúcio também falou sobre a sua expectativa para a nova administração. “Eu sempre falei que Válber precisava se preparar para ser prefeito. Os mecanismos de controle são muitos, a política tem mudado, mas ele tem me surpreendido. O que eu entendo hoje é que a população escolheu Válber para ser prefeito e me escolheu para fiscalizar essa nova gestão. O meu partido não vai migrar para a base do governo, mas também não é nossa intenção perseguir o novo prefeito, porque o município precisa realmente de poderes independentes, mas que sejam harmônicos”, afirmou.

Questionado sobre esse eleitor que alimenta expectativas equivocadas quando se aproxima do político (benefícios pessoais), o vereador afirma que a culpa pode ser atribuída a vários atores que estão inseridos nesse processo. “Os partidos políticos são os principais culpados e isso precisa mudar. As pessoas não são preparadas para assumir cargos tão importantes e os partidos não têm essa preocupação”.
– Para ser Conselheiro Tutelar é preciso estudar o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), fazer uma prova e conseguir acertar 51%. Não estou falando de diploma, mas de treinamento e informações básicas. Seria importante exigir o mínimo de conhecimento das instituições, dos poderes, do Regimento Interno da Câmara e da Lei Orgânica do município. Sendo assim, os candidatos fazem campanha gerando expectativas que não poderão cumprir. Mas o eleitorado está amadurecendo, tem votado de forma diferente e se o voto tem sido dado a quem marcou o exame é porque essa é a expectativa do eleitor que também precisa ser orientado – concluiu.

Presidente da 35ª Subseção da OAB faz balanço positivo da sua gestão

Flávio Azevedo

O presidente da OAB, César Sá durante entrevista na Rádio Sambê.
O Programa “Flávio Azevedo” da Rádio Sambê FM (98,7) recebeu no último dia 14 de novembro, o presidente da 35ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), César Gomes de Sá. O objetivo foi analisar as ações da entidade durante o seu mandato. Ele iniciou elogiando a “boa gestão” do presidente da Seccional, Wadih Damous; frisando a importância do nome de Felipe Santa Cruz para “dar continuidade a esse bom trabalho”; comentou a luta e as vitórias da Ordem para garantir as prerrogativas da classe; enalteceu o trabalho dos colegas, “que foram importantes para o sucesso dessa gestão”; frisou a proximidade da OAB com a categoria; lembrou a luta da OAB pela celeridade da Justiça em Rio Bonito; e destacou a abertura da Casa para estagiários e advogados recém-formados.
– A advocacia, como qualquer outra profissão, precisa de renovação e deve ser pulverizada e oxigenada por novas ideias. Não podemos esquecer que assim surgiu o movimento das “Diretas Já”, assim a Ditadura Militar tomou um ponto final nesse país; assim foi instalada, por pressão da OAB, uma Comissão da Verdade que vai passar o nosso país a limpo. É por isso nós precisamos de todos, inclusive dos estagiários e acadêmicos – analisou.

Prerrogativas

Sempre lembrando que existe uma grande diferença entre “prerrogativa e privilégio”, o presidente da OAB comenta que “a prerrogativa não é do advogado, mas da advocacia”. Para ele, o profissional que não conhece e não lança mão das suas prerrogativas “não terá condições de defender de maneira intransigente o cliente e a comunidade”.
– Os advogados não podem se intimidar diante das pressões que sofrem. Às vezes alguns setores querem atrapalhar o exercício pleno e independente da advocacia. Eu já fui vítima disso. Mas quando o advogado se mantém firme às suas prerrogativas isso não perdura – disse o presidente, destacando a criação do projeto “Prerrogativas sim, privilégios não” durante a sua gestão.

Quanto a Prestação Jurisdicional, “que nada mais é do que a vontade do estado revelada através da ação do Poder Judiciário”, o presidente destacou que essa é uma estrutura que precisa ser melhorada e a OAB está atenta a essa questão. “Nós precisamos de juízes, de serventuários e estrutura. Esse ano, por exemplo, esse tema consumiu boa parte das nossas energias, porque trabalhamos quase o ano inteiro com apenas um juiz em Rio Bonito. A carência de serventuários também é grande, mas esse é um problema nacional”, destacou César.

Pleito

Segundo o presidente da 35ª Subseção da OAB, no último dia 9 de novembro, o corregedor do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministro Francisco Falcão, visitou a seccional da OAB para uma reunião onde foram tratados os problemas da prestação jurisdicional. “Foi um debate amplo, nós encaminhamos para esse evento as nossas reivindicações, as nossas denúncias, defendemos, inclusive, o serventuário da Justiça, que geralmente está sobrecarregado”, frisou o presidente.

O presidente também destacou que no último dia 31 de julho, ele foi recebido pelo presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, Manoel Alberto Rebêlo dos Santos, a quem ele levou as reivindicações da categoria. “O encontro foi bem sucedido, porque Rio Bonito já conta com dois juízes”. O presidente frisou que as reivindicações também estão sendo levadas, desde janeiro, ao CNJ.
– Em agosto, na cidade de Vassouras, eu estive pessoalmente com o conselheiro Jorge Hélio Chaves de Oliveira e tratamos dos problemas relacionados às nossas comarcas. Conversamos sobre a não instalação de um Fórum em Tanguá; o problema da inexistência de um juizado eficiente em Rio Bonito e Silva Jardim; a inexistência, à época, de mais um juiz em Rio Bonito; entre outros assuntos. Ele se empenhou, logicamente não conseguiu nos atender em tudo que solicitamos, mas algumas reivindicações foram atendidas – afirmou.

Depois de ouvir as propostas dos candidatos a prefeito de Rio Bonito, durante as últimas eleições, a OAB, segundo o presidente, irá marcar novos encontros com os prefeitos e vereadores eleitos de Rio Bonito, Silva Jardim e Tanguá. “Nós vamos debater com eles a prestação jurisdicional nos seus municípios. Essa questão também é problema do prefeito e dos vereadores, sim, porque as autoridades políticas não podem ficar de fora desse debate”, ponderou César, afirmando que “essa agenda deverá ser cumprida ainda em 2012 para que os assuntos pleiteados pela categoria não sejam encarados como surpresa”.

Composição da nova diretoria da 35ª Subseção: Presidência: César Gomes de Sá; Vice: Adelcir Machado; Secretária Geral: Telma Benevides e Kátia Lemos (secretária adjunta); Tesouraria: João Carlos Faria.

CMDCA debate atividades e metas para 2013 com a comunidade

Flávio Azevedo

Os principais integrantes do CMDCA durante a reunião na Câmara de Vereadores.
Um marco na história do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) de Rio Bonito. É como pode ser classificada a reunião que os membros desse órgão promoveram na noite do último dia 12 de novembro, na Câmara de Vereadores. Conselheiros e representantes da sociedade trataram de temas como a regulamentação de instituições governamentais ou não governamentais que prestem atendimentos a crianças, adolescentes e suas respectivas famílias.

Também foi discutida, com ampla participação da sociedade, a regulamentação do processo de captação de recursos para o Fundo para a Infância e Adolescência (FIA). Durante a reunião ainda foi apresentado o novo Regimento Interno do CMDCA. Fazendo um balanço da reunião, a presidente do CMDCA, Vânia Farias, disse que “o Conselho começa a fazer o caminho do seu próprio objetivo”.
– Precisamos trabalhar com a sociedade e a família. Essa união, contando também com a presença do Conselho Tutelar, é que faz a eficácia da lei prevalecer. Não adianta o CMDCA ficar fechado numa sua sala sem se colocar como cidadão, por isso essa reunião foi aberta. Nós temos uma lei específica, mas ela não pode ficar guardada na prateleira – ponderou a presidente, destacando que o CMDCA irá manter as reuniões abertas e a sociedade está convidada a participar dos encontros.      

Conselho Tutelar

Além dos temas em pauta, os presentes também fizeram perguntas, tiraram dúvidas e apresentaram questionamentos aos conselheiros. O presidente do Conselho Tutelar (CT), Alessandro Brito destacou a importância de se manter uma boa relação com o CMDCA, disse que a cidade sente falta de projetos sociais e políticas públicas de amparo a criança e ao adolescente, comentou que “o efeito Comperj” não está sendo assimilando pelo governo municipal e apresentou dados estatísticos de atendimentos do Conselho Tutelar em 2012.
– Certa vez, eu recebi uma adolescente que estava em situação de risco. Ao perguntar o que ela gostava de fazer, ela disse que gostava de futebol feminino. Mas onde tem um projeto que oferece esse esporte em Rio Bonito? O Comperj está aí e nós já estamos percebendo os seus efeitos. Recentemente nós tivemos problemas sérios com famílias que vieram de Mato Grosso e Tocantins para trabalhar no Comperj – contou Alessandro, que reclamou a falta de estrutura que é oferecida ao Conselho Tutelar e ais conselheiros.

Ainda segundo o presidente Alessandro, em 2012 o órgão abriu 166 novos atendimentos, sendo 11 por maus tratos, 40 casos de negligência, 04 ameaças, 20 casos de agressão, 32 ocorrências de evasão escolar, 19 casos de risco e seis episódios de abuso sexual. “A questão dos adolescentes dependentes químicos é preocupante e a sociedade desconhece o volume de envolvidos nesse problema. Dias atrás fomos procurados por jovens que estavam em risco. Eles foram pedir ajuda porque estavam devendo a um traficante. Para pagar a dívida acabaram roubando alguém. Eles procuraram socorro no Conselho porque estavam na mira do traficante, da Polícia e da pessoa que foi lesada”, contou Alessandro.

Participações

O líder comunitário Roberto Fernandes.
O líder comunitário, Roberto Fernandes, morador do Boqueirão, falou sobre um fato que aconteceu na Escola Municipal Rômulo Tude, em sete de junho de 2008. Segundo ele, à época, a direção da referida escola organizou uma festa e liberou o uso de bebida alcoólica no ambiente escolar. O evento acabou em pancadaria, vandalismo e tiroteio. “O que esses órgãos (Conselho Tutelar e CMDCA) fizeram diante de um caso grave como esse?”, questionou.

A presidente da Associação Atlética do Banco do Brasil (AABB), Rosana de Souza Lopes, falou sobre o projeto “AABB Comunidade” que o banco mantém na AABB (recebe cerca de 100 crianças) e questionou se o projeto, que conta com o apoio da Prefeitura Municipal, pode ser beneficiado pelo FIA. O conselheiro Jorge Wallace Bretas disse que sim e ressaltou que todos os projetos voltados para a criança e adolescência precisam estar registrados no CMDCA. “As pessoas não estão habituadas a isso, mas vamos começar a cobrar esse registro”, alertou.

A futura secretária Rosimere Cerqueira
Representando a prefeita eleita, Solange Almeida, a assistente social Rosimere Cerqueira, se apresentou como a futura Secretária de Habitação, Trabalho e Bem-Estar Social e comentou que ao assumir a pasta a sua intenção é trabalhar em total cooperação com os órgãos voltados ao bem estar da criança e do adolescente.
– Precisamos trocar informações, Solange está bastante preocupada e por isso serão criadas as Secretarias de Segurança e Antidrogas. Nós iremos trabalhar juntos e vamos desenvolver muito essa área – garantiu.

O poeta Francisco Azevedo falou sobre as suas visitas em cerca de 30 escolas do município apresentando os seus livros. Já o enfermeiro Ederaldo Santos contou uma experiência que viveu no mês de julho, depois de uma Balada Sertaneja. Segundo ele, por volta de 4h30min da manhã o SAMU foi chamado para atender quatro meninas que estavam próximo ao Rio Bonito Atlético Clube, totalmente embriagadas. “A mais velha tinha apenas 16 anos. Duas tinham 12 anos, a outra 14 e estavam visivelmente embriagadas. Duas delas estavam deitadas na linha do trem, praticamente em coma alcoólico. Eu gostaria de saber onde está o Comissariado de Menores”, cobrou.

A professora Lucy Teixeira.
A educadora Lucy Teixeira também opinou e comentou o pensamento do sociólogo Boaventura de Souza Santos, que aborda a “Razão Indolente”. De acordo com ela, “é preciso se manter pensando sobre essas questões e os problemas devem ser pensados pelo poder público, mas também pela sociedade. Nós precisamos pensar numa política pública eficaz, mas que ela seja para o mesmo chão e que ela seja desburocratizada”, destacou a professora, que aponta a necessidade de se pensar o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) na escola.

Esclarecimento

No final da reunião, a presidente do CMDCA explicou o desentendimento entre ela e a Prefeitura de Rio Bonito, a respeito da utilização dos recursos do FIA. A presidente se recusou a assinar cheque para custear a construção da Casa da Criança e adquirir um carro para o Conselho Tutelar.
– Essa minha atitude fez com que eu esteja sendo denunciada ao Ministério Público (Tutela Coletiva) por omissão e improbidade administrativa. Também entraram com uma Ação Civil Pública contra mim. Por esse problema, os conselheiros foram renunciando e nós ficamos sem quórum. Mandávamos ofício pedindo a substituição de quem saiu, mas as substituições demoraram a acontecer – revelou a presidente, acrescentando que está convicta de ter tomado a decisão correta, porque a lei diz que os recursos do FIA não podem ser utilizados para obras ou aquisição de veículo.

sábado, 24 de novembro de 2012

Política interna na CBF derruba Mano Menezes da Seleção Brasileira de futebol

Flávio Azevedo

O treinador Mano Menezes foi demitido, curiosamente, quando vivia o seu melhor momento na Seleção.
Que me desculpem aqueles que estão soltando fogos de artifício por conta da demissão de Mano Menezes da Seleção Brasileira, entre eles o baixinho Romário, mas diante de um cenário que ninguém quer imaginar (gente que gosta de ser enganada), pouca coisa mudará. Os prováveis substitutos, Tite, Felipão e Muricy, em nada são melhores que Mano. Também não são piores. Estamos falando de treinadores previsíveis, assim como todos os técnicos espalhados pelo mundo. Os nomes cogitados para assumir essa furada vão representar “mais do mesmo”.

O único que poderia fazer algo diferente a frente de qualquer equipe de futebol seria o laureado espanhol Pep Guardiola. Apesar de ser o “treinador do momento”, por uma série de fatores que a mídia brasileira e o próprio povo nunca admitirão, Guardiola não conseguiria emplacar no comando da Seleção Brasileira. Vale lembrar que nós estamos falando de um povo que embora seja alienado e sem Educação, se acha os melhores treinadores do mundo. Estamos falando de gente que se habituou a repetir a ladainha vendida pela mídia coorporativa e interesseira.

Aliás, o que está em jogo na cabeça dos dirigentes – estamos falando de demissão e contratação – não é vencer a Copa do Mundo do Brasil, em 2014, mas atender os interesses corporativos e empresariais do mundo do futebol, onde a única lógica perseguida é: quem fica rico, quem consegue fechar o melhor negócio e/ou quem juntou a maior fortuna. O resultado dentro das quatro linhas pouco importa para esses abutres que gerenciam o “esporte bretão”.

Diante desse cenário de incertezas e de uma mídia comprometida, algumas perguntas e reflexões deveriam ser pensadas, sobretudo por quem está a frente da CBF. Já a população, parafraseando o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, se tivesse “honestidade intelectual”, pensaria diferente.

O almejado Felipão, por exemplo, acredito que a imprensa esqueceu, é aquele “teimoso” que cortou Romário em 2002. Para quem não lembra, o esperado Muricy é tão antipático quanto o criticado Dunga! Tite, atualmente no Corinthians, precisa ganhar o mundial da FIFA para ser chamado. Como assim? A conquista de um mundial é uma espécie de varinha de condão? Então por que não levam o PC Carpegiani (Flamengo/81)? Que tal Abel Braga (Internacional/2006)? E Osvaldo Oliveira (Corinthians/2000)?

Nós estamos esquecendo que o “bairrismo” brasileiro não permitiria um estrangeiro treinando a nossa seleção. E, diga-se de passagem, ela não é o Barcelona. A real história é que Mano Menezes não foi demitido por deficiência técnica ou falta de resultados, mas por política interna da CBF. E se trouxerem o Guardiola, ele terá carta branca para convocar? Ele terá tempo hábil para adequar os selecionáveis ao estilo de jogo do Barcelona?

Concluindo, também é prudente pensar na farra de agentes e empresários – similar ao que aconteceu em 1990 com Sebastião Lazaroni – que giram na órbita da CBF. Aliás, um cenário perverso que começa lá nos clubes, entidades cada ver mais pobres que são dirigidas por cartolas cada vez mais ricos. Estamos longe de ter uma Seleção genuinamente Brasileira, distantes de ter gente séria a frente do esporte brasileiro e cada vez mais afastados da possibilidade de vencer o Brasil vencer a Copa que irá sediar.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Igualdade no Legislativo riobonitense é um sonho distante

Flávio Azevedo

Plenário da Câmara Muncipal de Rio Bonito. Legislatura 2009/2012.
Tudo indica que o Projeto de Resolução que, se aprovado, poderia estabelecer igualdade entre os vereadores de Rio Bonito (o projeto foi proposto pela mesa diretora há cerca de 20 dias), vai por água abaixo (pelo menos esse ano). Se, parte dos vereadores é favorável, outra parte é contrária. Algumas desculpas e argumentações são descabidas, outras, porém, bem razoáveis.

Analisando o caso percebe-se que forças ocultas estariam contribuindo para a não aprovação dessa mudança, que é inovadora e tornaria o Legislativo riobonitense, uma instituição a caminho da seriedade. Todavia, o cenário que se desenha mostra que parte dos vereadores (atuais e futuros) curte o espúrio, apoia o obscuro e tem como marca de personalidade, a estima pelo grotesco e a apreciação pelo que é condenável! Tomara que estejamos enganados!

Para quem não sabe do que se trata o Projeto de Resolução, nós podemos afirmar que ele acaba com a farra das assessorias serem unicamente do presidente da Casa. Ele dá aos 10 parlamentares, direitos iguais. Podemos considerá-lo uma carta de alforria, porque a partir dele, não será mais necessário o vereador “beber da água do presidente” para ser contemplado com os instrumentos (carro, telefone, combustível, assessores etc.) que o mandato lhe concede, diga-se de passagem, por direito.

Entretanto, sem esse ambicionado poder (a gestão dos tais benefícios), além do presidente perder força política (poder entre os homens significa dinheiro), ele torna-se um parlamentar igual aos seus pares. Logo, a desejada cadeira da presidência perde o seu encanto.

Resumindo: parte dos nossos vereadores, atuais e futuros, não concordam com essa lógica por alimentar a expectativa de um dia, no futuro, alcançar o cargo, ser o dono do tesouro e retribuir aos colegas tudo aquilo que ele recebeu enquanto esteve fora da Presidência da Casa.

Transparência é sempre um problema

Sobre a falta de transparência, no Senado Federal, uma Casa que faz questão de manter valores condenáveis como estamos percebendo no parlamento de Rio Bonito, o jornalista Alexandre Garcia disse o seguinte, em 2009:

“... Afinal ,esses repórteres intrometidos só descobriram que se pagava hora extra nas férias, por causa dessa maldita TRANSPARÊNCIA; descobriram a terceirização entre amigos; que a filha do senador gastou R$ 14 mil no celular do Senado, em passeio no México; que a sogra do assessor de imprensa de Renan Calheiros ganha R$ 4,9 mil, do Senado, sem sair de casa; que a assessora de senador, filha de Fernando Henrique Cardoso, tão pouco sai de casa, porque acha o Senado uma bagunça; que se pode trocar passagens aéreas por jatinhos; que há 181 diretores e uma infinidade de Conselhos bem remunerados e parentes de toda ordem, igualmente bem remunerados, só por causa dessa TRANSPARÊNCIA! Baixe-se, portanto, a OPACIDADE, contra desvios que afetam a constitucional moralidade”.

A verdade é que não tem como olhar o poder Legislativo de Rio Bonito e não perceber que as mazelas, aqui e acolá, são iguais e preservam a mesmíssima lógica corrupta, perversa e individualista!