sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Ex-prefeita Solange Almeida participa de encontro com universitários

Flávio Azevedo

No último dia 25 de agosto, a ex-prefeita Solange Almeida (PMDB) esteve reunida com os universitários de Rio Bonito. A reunião aconteceu na Sociedade Musical e Dramática Riobonitense. O objetivo foi apresentar as suas propostas para a categoria. Além de apresentar os seus projetos para os jovens riobonitenses e falar da importância de se implantar o ensino superior e Técnico na cidade, Solange defendeu a entrega do Transporte Universitário a iniciativa privada. O objetivo é driblar a burocracia porque a Prefeitura tem outros fins.
– A finalidade da Prefeitura não é cuidar de ônibus. Sendo assim, para que o serviço seja prestado com dignidade, caso eu seja eleita nós iremos contratar uma empresa para realizar o transporte dos universitários – afirmou a ex-prefeita, garantindo que também vai se empenhar para transformar o Transporte Universitário em um direito através de um ato do Executivo municipal.

A ex-prefeita também comentou que irá se empenhar em buscar o ensino superior para Rio Bonito. Qualificação profissional, geração de renda e emprego para os mais jovens também foi apontado como objetivos do seu governo caso seja a vencedora nas eleições do próximo dia 7 de outubro.

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

“Programa Flávio Azevedo”: novo sucesso do jornalismo riobonitense


Foi ao ar no último dia seis de agosto, pela Rádio Sambê FM (98.7), o “Programa Flávio Azevedo. A atração vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 11h ás 13h. A atração promete movimentar ainda mais o meio político, esportivo e cultural de Rio Bonito. De acordo com o jornalista, em abril de 2008, a convite do jornalista Evaldo Ramos Vieira, ainda estudante de jornalismo, ele lançou o programa “O TEMPO EM RIO BONITO”.

Passados quatro anos “O TEMPO EM RIO BONITO” deixa o formato semanal e passa a ser apresentado diariamente com novo nome: “Programa Flávio Azevedo”. Sempre polêmico e sem muita preocupação com a repercussão das suas colocações, o jornalista Flávio Azevedo começou sua carreira na mídia impressa (Folha da Terra/2006). Depois de ter rápida passagem pelo jornal Gazeta de Rio Bonito (2009/2010) ele lançou o seu próprio jornal.

“O TEMPO EM RIO BONITO” impresso chegou às ruas em abril de 2010. A forma incisiva de comunicar os fatos e pensar a sociedade também caiu nas graças do riobonitense. Com um time de novos colaboradores, linha editorial arrojada e discurso independente, o veículo provocou mudanças e segue crescendo na preferência dos leitores.

Em 2010, com o programa “O TEMPO EM RIO BONITO” consolidado, o jornalista Flávio Azevedo investiu na publicação de notícias nas mídias sociais (Blog, Orkut e Facebook). A aposta funcionou. Em cerca de dois anos, o Blog do jornalista tem cerca de 14 mil acessos/mês e o Facebook “O TEMPO” é um dos mais seguidos da região. “Poucos acreditavam, mas eu acreditei, criei essa forma de dar a notícia e a aceitação é espantosa”, comenta o jornalista.

Em junho de 2011, “O TEMPO EM RIO BONITO” impresso ganhou nova logomarca e novo nome: “O TEMPO”. O jornal faz parte do “Grupo de Mídias O Tempo” que envolve Jornal, Rádio, Blog e Facebook. Curta a nossa página!

Rio Bonito ganha novo laboratório de análises clínicas

Flávio Azevedo

No último dia 27 de julho foi inaugurado na Rua Vital Brasil, nº 109, no Centro de Rio Bonito, a empresa Gram Medicina Laboratorial, que tem a direção dos médicos, Paulo Sérgio Osório Rodrigues, José Lelis Guimarães e Homero Viegas Neto. Responde pela parte técnica, a bióloga Cátia Alves. O empreendimento está instalado no antigo Laboratório Santa Terezinha, que foi totalmente reformado, remodelado e ganhou equipamentos de última geração.

De acordo com o sócio Paulo Sérgio Osório, “como o antigo laboratório estava enfrentando dificuldades, houve a possibilidade de adquirirmos a administração e abraçamos a oportunidade. Foi feita uma ampla reforma física, novos equipamentos foram adquiridos e estamos atendendo pacientes particulares, planos de saúde e SUS”.
– O nosso ideal, e desejo, é que o atendimento seja personalizado, individualizado, acolhedor e que ofereça resultados confiáveis para que os pacientes e os colegas médicos confiem em nosso trabalho. Estamos aqui com os nossos amigos, contamos com o apoio de todos e tenham certeza que o trabalho nesse laboratório será muito sério e de qualidade – garantiu.

Sobre a confiabilidade, Osório assegura ser esse o grande objetivo de qualquer empresa. “A medicina em todos os seus campos precisa oferecer confiança. E, com a área de laboratório não é diferente. Por isso, não podemos abrir mão de resultados exatos. Como profissionais da medicina, nós queremos resultados confiáveis”.

A bióloga Catia Alves disse que a reformulação do espaço físico (externo e interno) levou cerca de três meses para ficar pronto, porque um dos propósitos era padronizar e dar excelência a todas as atividades do laboratório.
– O nosso grande desafio agora é manter essa qualidade. Nós procuramos trabalhar com aparelhos automatizados, porque quando o manuseio é evitado os erros diminuem sensivelmente. Para isso nós também estamos investindo na qualificação dos funcionários em todos os setores, inclusive na Recepção – afirmou.

Questionado sobre a impressão que teve do Gram Medicina Laboratorial, o médico Javier Zafra, que prestigiava a inauguração, comentou que a comunidade riobonitense está de parabéns por ganhar um espaço cientifico de confiança. “Ainda mais com a reputação dos colegas que são sócios nesse investimento, nós ficamos bem tranqüilos. O laboratório conta com aparelhagem de alto nível, equipamentos que realizam as atividades propostas com rapidez, mas sem perder qualidade”, concluiu.

terça-feira, 28 de agosto de 2012

“Programa Flávio Azevedo” entrevista vereador Marcus Botelho

Flávio Azevedo

Dando continuidade a uma série de entrevistas com os vereadores de Rio Bonito, o “Programa Flávio Azevedo” entrevistou no último dia (22/08), o vereador Marcus Vinícius Moreira Botelho (PR). O atual presidente do Legislativo está no seu terceiro mandato e respondeu perguntas como porque não é candidato nas eleições de sete de outubro, questionamentos sobre os seus pares, as lições adquiridas na sua carreira política e sobre o polêmico concurso público para o Legislativo de Rio Bonito, assunto em ele que está diretamente envolvido por conta de uma série de fatores.
– O balanço que faço da minha gestão, que já começou com problemas – os momentos foram conturbados, os reflexos negativos ainda existem – não é ruim. Fazendo uma autocrítica da minha atuação na presidência da Casa eu considero 70% positiva. Tive e tenho boas ideias e tenho erros e acertos – ponderou Botelho.

Sobre o concurso público promovido pela Casa, tema que está entre os assuntos mais comentados entre os riobonitenses, muito por conta de supostas irregularidades, o presidente comentou que o motivo de se realizar o certame é um questionamento que nuca ninguém fez. “Tudo aqui nessa Casa acaba ficando muito solto, porque não existe um Plano de Cargos e Salários para os nossos funcionários”. Quanto a afirmação dos integrantes da Mesa Diretora que dizem não terem tomado conhecimento da criação do concurso, Botelho assegura que não é verdade. “Isso foi apresentado na Casa, colocado em votação e todos aprovaram. Se a matéria não foi bem analisada o problema não é meu”, disparou.

A aprovação da sua esposa no concurso da Câmara de Itaboraí, o que seria uma combinação entre as Casas, o vereador garantiu “não existir” e comentou que o cancelamento do certame foi precipitação dos colegas.
– Essa suposta fraude não existe, porque o nosso concurso sequer aconteceu. Eu nunca vi isso! Para se caracterizar fraude teria que haver provas e não suposições. Creio que os vereadores também agiram errado. Eu acatei, porque sou flexível, mas não assinei. O que deveria ser feito? O certamente deveria ser suspenso, o Plano de Cargos e Salários ser adequado, porque os salários realmente ficaram altos, aí sim faríamos o concurso em outra data – afirma.

Devolução do dinheiro

A grande preocupação de quem se inscreveu no concurso é a devolução do dinheiro que foi pago no ato da inscrição. Se algumas correntes defendem que a Fundação Benjamim Constant (Faibc), empresa contratada para a realização do certame, deve ser responsabilizada pelo ressarcimento, outras defendem a Câmara como entidade responsável pela devolução do dinheiro dos candidatos. Questionado sobre isso, o presidente Marcus Botelho afirmou que ele particularmente acha que o concurso deve ser realizado e justifica: “nós fizemos atendendo exigência do Ministério Público (MP)”.
– Muitas coisas têm sido cobradas de nós, porque a situação da Casa é muito complicada. Por exemplo: nós temos Departamento Pessoal, mas não temos oficial para desempenhar essa atividade, atualmente controlada por um agente administrativo. Não temos um oficial de Protocolo, que também é comandado por um agente administrativo. Não temos um Auxiliar Legislativo. A Ata, documento que seria responsabilidade desse servidor, hoje é preparada por uma assessora. Se existe 50 funcionários na Casa, isso é problema meu, mas eu não posso nomear as pessoas para ocupar funções que a lei determina serem desempenhadas por concursados – disse Botelho.

Quando foi feito o contrato com a Faibic, segundo o presidente, “uma das cláusulas desse documento diz que “aquele que romper o contrato arca com os prejuízos”. Dentro do contrato, isso compete a Câmara, porque foi ela quem rompeu esse contrato”. Ele, porém, destacou que orientado pela sua Procuradoria aguarda uma avaliação do MP.
– Oficialmente eu não posso dizer quem vai fazer esse ressarcimento, porque o MP pediu uma série de documentos (Regimento Interno, Lei Orgânica, Processo de contratação da empresa organizadora, entre outras coisas) para analisar a questão. Nós estamos recebendo muitas ações, estamos juntando tudo, protocolando, mas esperamos a manifestação do MP. Caso seja decidido que a devolução é conosco, nós teremos que devolver – frisou o parlamentar.

“Mal orientado”

Também em entrevista ao “Programa Flávio Azevedo”, o vereador Márcio da Cunha Mendonça, o Marcinho Bocão (DEM), que é membro da Mesa Diretora (2º secretário), disse que “Marcus Botelho é uma pessoa boa, mas foi mal orientado na questão do concurso”. A nossa reportagem também perguntou ao presidente sobre uma pessoa que transitava junto a presidências anteriores, que quando o grupo pró-Botelho assumiu, um dos primeiros atos seria afastar essa pessoa, mas é exatamente esse personagem que, além de ter conduzido essa questão, seria responsável pelos problemas que envolvem o certame.

O presidente declara a questão levantada acima mostra que o cancelamento do concurso teve fundo político e não administrativo. “A maior parte dos nossos vereadores é experiente. Quase todos têm mais de um mandato e conhece os bastidores da Casa. Marcinho, eu até entendo por estar no seu primeiro mandato, mas os demais se embasaram em questões políticas”. Se as seguidas matérias exibidas nos telejornais das grandes mídias provocaram essa celeuma e desconfianças, o presidente comenta que “não só a população, mas até os vereadores foram inflamados por esses noticiários”.

Desavenças com colegas

O evidente racha do grupo que o conduziu Marcus Botelho a presidência da Casa e a patente aproximação com vereadores que se posicionaram contrários a ele, também foram questionamentos feitos durante a entrevista. O parlamentar comentou que tem cumprido todos os acordos que foram tratados, disse que atende todos os vereadores, “mas cada político tem uma cabeça”. O parlamentar reconhece que existe uma proximidade com o então desafeto Humberto Belgues (PSDB) e acrescentou que “isso, inclusive, tem trazido problemas com os vereadores do meu grupo, mas acredito que devemos dar espaço a todos”.

Por que não é candidato?

Se a presidência da Câmara é ambicionada por boa parte dos vereadores, sobretudo no segundo biênio, por conta do período eleitoral, época que a presidência acaba dando aos presidentes poderio econômico que retorna como exposição midiática, o vereador Marcus Botelho, contrariando essa tendência, decidiu não ser candidato. Questionado sobre a inusitada decisão, o parlamentar comentou que “por incrível que parece foi nesse curto período de presidência que eu aprendi o que é realmente a política”. O presidente também comenta que está cansado e decidiu descansar da vereança.
– Nesses 12 anos (três mandatos) eu tive alegrias e decepções, erros e acertos. A verdade é que eu sempre fui contrário a reeleição, porque as pessoas acabam se achando dono de cargos que ocupam por um período. No meu primeiro mandato, eu achava que ia transformar Rio Bonito. Com o passar do tempo, porém, nós acabamos entrando no jogo, porque aqui dentro não basta ser político. A verdade é que eu estou desencantado com a política – concluiu o parlamentar.

Conselho de Segurança discute insegurança das comunidades lindeiras a ViaLagos

Flávio Azevedo

A insegurança que atinge os moradores das localidades de Viçosa, Três Coqueiros, Boqueirão, Rio Seco, Catimbau Pequeno, Mata, Tomascar e adjacências, ao atravessar a RJ – 124 (ViaLagos) foi um dos temas do Conselho Comunitário de Segurança (CCS). A questão foi tratada no último dia seis de agosto, na reunião que aconteceu na Câmara de Vereadores. Vários moradores dessas localidades participaram da reunião e disseram que “diariamente são obrigados a enfrentar o tráfego da ViaLagos, o que provoca inúmeros casos de atropelamentos e acidentes”.

Uma das principais queixas é que na saída Estrada de Rio Seco, em Três Coqueiros/Viçosa, não existe sequer uma passarela. “Nos feriados e fins de semana, as pessoas chegam a esperar 45min para conseguir fazer a travessia”, disse o advogado Joaquim Maurício, morador da Viçosa. O presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, Edon Quintanilha, comentou que os moradores dessas localidades são muito prejudicados. Os representantes das localidades não descartam a realização de uma manifestação para reivindicar as melhorias pleiteadas.

Preocupação

O advogado Joaquim Maurício comentou a necessidade de a ViaLagos construir uma passarela e/ou um viaduto no local. “Desde que aconteceu a duplicação da rodovia (1996) ela só trouxe problemas. É gente machucada, gente morta, gente que por conta dos atropelamentos acaba ficando inutilizada pelo resto da vida”, disse o advogado. Ele também comentou que os diretores da concessionária consideram o quilômetro três um trecho de alto risco.
– Se sabem disso, porque não constroem uma ponte seca e reduzem a zero esse risco? Nós sugerimos esse equipamento porque ele atende a todos. Uma passarela, por exemplo, atende a poucas pessoas (somente pedestres). O que nós queremos é atravessar a pista com segurança em qualquer tempo... Seja fim de semana, feriado ou dias comuns – ponderou Joaquim, acrescentando que “caso o problema não se resolva, nós iremos fechar a pista”.

O advogado comenta que ninguém quer que isso, “mas se não formos atendidos é o que vai acontecer”. Ainda segundo Joaquim, a concessionária não tem respeito com as pessoas. “Em várias reuniões que eu participei, os representantes da empresa argumentaram que as pessoas atropeladas na rodovia são bêbadas. Mas não é assim, porque mesmo que sejam bêbados, eles são seres humanos que precisam ser respeitados e tem direito a Segurança”.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, Edon Quintanilha, afirmou que a questão preocupa. “Nós estamos nesse movimento, porque como representante dessas pessoas nós temos ciência de que os trabalhadores que moram em Catimbau Pequeno, Rio Seco, Mata e Tomascar passam diariamente por esse trecho e sabemos o risco que eles correm. O movimento está sendo encabeçado por moradores de Três Coqueiros, mas por conta dessas questões que envolvem as pessoas que nós representamos, nós abraçamos a causa. Por ali, passam linhas de ônibus que transportam crianças e queremos 100% de segurança para a nossa população”, frisou.

Boqueirão

Moradora do Boqueirão, localidade que sofreu com a duplicação da rodovia, Daniele Matos elencou os principais prejuízos causados pela concessionária. “Os acidentes e atropelamentos são constantes; os ciclistas não podem transitar; as calçadas ao longo das pistas não têm nenhuma condição de serem utilizadas pelos moradores do bairro; e os carros estacionados sobre as calçadas, por causa da rodovia, também é um sério problema”.

A moradora afirma que não vai desistir da luta, não vai parar de reivindicar as melhorias exigidas e denuncia a cooptação de membros dessas mobilizações pela ViaLagos. “A questão dos presentes e favorecimentos é fato, porque todas as vezes que nós começamos algum movimento, alguém sempre se afasta sob a argumentação de ter recebido algum benefício para abandonar o movimento”.

ViaLagos

De acordo com o presidente do CCS, Bruno Soares, ele fez seguidos contatos com a concessionária para que ela se fizesse representar na reunião, “mas a resposta foi que não seria possível”.
– Quando eu comentei com um dos representantes da ViaLagos que as pessoas estavam planejando alguma manifestação, a resposta que eu ouvi é que “caso isso aconteça nós iremos chamar a polícia”. A sensação deles é que são inatingíveis, mas não é bem assim, porque eles não estão levando em conta a força e a união que nós podemos ter estando unidos – disse o presidente.

Na última foto, representantes do Conselho Comunitário de Segurança (CCS) de Rio Bonito, o prefeito José Luiz Antunes (DEM) e representantes da CCR ViaLagos, estiveram reunidos no último dia 25 de abril, no gabinete do prefeito para discutir melhorias na rodovia.
O texto na íntegra: (http://jornalistaflavioazevedo.blogspot.com.br/2012/05/melhorias-na-rj-124-e-tema-de-debate.html).

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Castelo F.C. anuncia criação do seu Memorial

Flávio Azevedo

No próximo dia 16 de setembro de 2012, durante todo dia, o Castelo Futebol Clube, tradicional agremiação esportiva do 2º Distrito de Rio Bonito, promove o “Dia Esportivo”. O clímax do evento será a inauguração do “Memorial do Castelo”. O clube, que também é uma entidade de utilidade pública municipal e estadual, é presidido pelo apaixonado desportista, Almir Pereira Pintas (na foto), que aos 74 anos reúne infindáveis histórias do desporto riobonitense.

A diretoria do tricolor do 2º Distrito convida a população, sobretudo os moradores da região, para juntos celebrarem essa ocasião que, talvez, seja uma das páginas mais significativas do Castelo ao longo dos 58 anos de existência.

Na foto, o presidente do Castelo, Almir Pintas, folheia amarelados documentos da Liga Riobonitense de Desportos (LRD), que datam de 1968 e 1969. Parte desses documentos contém a assinatura de Nélio Moraes, então presidente da LRD e saudoso desportista. Segundo Almir Pintas, junto com outros legendários personagens da nossa cidade, “Nélio fez muito pelo futebol de Rio Bonito”.

Quem é amante do Esporte, da Cultura e da História de Rio Bonito, certamente vai se emocionar com o “Memorial do Castelo”. Faça planos de estar lá! O evento contará com cobertura total do jornal “O TEMPO” e do “Programa Flávio Azevedo”.

Dia 27 de Agosto – Dia do Psicólogo

Flávio Azevedo

Parabéns a todos os psicólogos pelo seu dia. Esse profissional é o que mais conhece a mente humana. Cabe a esse profissional estudar os fenômenos da mente e do comportamento humano com o objetivo de orientar os indivíduos a encontrar o equilíbrio entre razão e emoção.

Existe a psicologia da personalidade (ocupa-se dos diagnósticos e desenvolvimento das personalidades); a psicologia social (estuda o comportamento dos indivíduos dentro do grupo); psicologia comparativa (compara o comportamento animal com o do homem); psicologia do desenvolvimento (avalia as mudanças que acontecem com o indivíduo); psicologia experimental (analisa os fenômenos psicológicos com fenômenos naturais, em condições monitoradas em laboratório) e a psicologia clínica (tratamento das neuroses e demais problemas psíquicos).

O psicólogo pode atuar em consultórios, mas também em escolas, empresas, hospitais, e na área de pesquisa, um campo é bem amplo. A psicologia jurídica é outra área desse universo de opções. Seja qual for a sua escolha, o profissional precisa saber que estará lidando com pessoas e os seus sentimentos, medos e desejos.

Arildo Abreu de Carvalho... Um amigo de infância

Flávio Azevedo

Na tarde de ontem (domingo/26/08/2012), eu visitei o Castelo Futebol Clube, simpática agremiação esportiva do 2º Distrito. Na Sala de Troféus, que me foi apresentada pelo apaixonado desportista e presidente do Castelo, Almir Pintas, é possível respirar parte da história dos áureos tempos do futebol riobonitense.

Entre as muitas fotos eu encontrei essa, uma equipe de meninos que foi tricampeã no fim da década de 80. Na foto está o meu amigo, irmão, companheiro, vizinho e colega de turma, Arildo Abreu de Carvalho, que chamávamos de Nido (entre os agachados, o terceiro, a partir da esquerda).

No ano de 1996, com apenas 22 anos, Arildo morreu vítima de duas desgraças: ACIDENTE AUTOMOBILÍSTICO E MÁS COMPANHIAS.

domingo, 26 de agosto de 2012

Friburguense de Marcelinho garante vaga na próxima etapa da Série D do Brasileirão

Flávio Azevedo

Com direito a gol do riobonitense Marcelinho (com a bola), o Friburguense garantiu vaga na próxima fase da Série D do Campeonato Brasileiro de 2012. Com 16 pontos, a equipe terminou a primeira fase na primeira colocação do seu grupo. A última partida aconteceu nesse domingo (26/08). Jogando no seu estádio (Eduardo Guinle), o tricolor serrano não sentiu a ausência de vários titulares e goleou o Guarani/MG por 6x0. Além de Marcelinho (11’2ºT), Bruno (24’1ºT), Ziquinha (39’1ºT), Marquinhos (4’2ºT), Flavinho (19’2ºT) e Toshyia (30’2ºT), de pênalti, marcaram para a equipe tricolor.

Na próxima fase (oitavas de final), o Friburguense vai encarar o Ceilândia, equipe de Brasília, que terminou a primeira fase na segunda colocação do seu grupo. A partida de ida, no Distrito Federal, acontece no próximo domingo (02/09). O jogo de volta acontece no dia 9 de setembro no Eduardo Guinle. A torcida tricolor promete invadir o Eduardo Guinle.

Friburguense: Adilson, Marquinhos (Alves), Evair, Bruno e Flavinho; Zé Victor, Elan, Marcelo e Romulo (Toshyia); Ziquinha (Gleison) e Douglas. Técnico: Gerson Andreotti

Guarani: Thiago Braga, Carlinhos, Negretti, Marcio Santos e Tita; Toto (Esquerdinha), Jaú (Cafu), Marcelinho e Ivan; Robert e Chico Marcelo (Robertinho). Técnico: Rafael Foca

Árbitro: Leandro Bizzio Marinho.
Assistentes: Bruno Rizo e Daniel Marques.

Onde está a mensagem e a vergonha na cara?

Flávio Azevedo

Coisas esdrúxulas e estarrecedoras continuam acontecendo na Câmara Municipal de Vereadores de Rio Bonito. Na última quinta-feira (23/08), durante a sessão ordinária, surgiu uma discussão sobre determinada mensagem (cerca de R$ 200 mil para a Saúde) que não foi colocada na Ordem do Dia para ser votada, porque teria sumido. O vereador Márcio da Cunha Mendonça, o Marcinho Bocão (DEM), que é da base governista, pediu urgência na votação da matéria.

O presidente em exercício, o vereador Carlos André Barreto de Pina, o Maninho (PPS), embora também seja da base governista, disse não saber o paradeiro da matéria e afirmou que embora a Mensagem tivesse sido protocolada, ela não foi encontrada. O assunto foi amplamente debatido no “Programa Flávio Azevedo” (diariamente pela Rádio Sambê FM/98.7, das 11h às 13h) e continuará sendo assunto até que ela apareça. Segundo fontes, o tal desaparecimento seria retaliação a outra Mensagem (presa na Comissão de Obras) que a base governista estaria manobrando para não colocar em votação para agradar ao governo.

Trâmite

Para quem não conhece o funcionamento do Legislativo, convém destacar que enquanto a Mesa Diretora não colocar a mensagem na Ordem do Dia e os vereadores não aprovarem a incorporação dela no orçamento do município, o recurso não poderá ser utilizado. Caso exista prazo para sua utilização, o município pode ficar sem o recurso se não for votado. A possibilidade de que exista esse prazo é real, por conta do pedido de urgência para a sua aprovação, proposto pelo vereador Marcinho Bocão.

Alguns parlamentares, como o vereador Humberto Belgues (PSDB), informaram que vão lutar para que o recurso não seja perdido. Contudo, caso qualquer vereador que não faz parte da Mesa Diretora queira aprovar a mensagem (e eles já afirmaram que querem), se ela não for colocada na Ordem do Dia isso não será possível. Segundo fontes, a mensagem não sumiu, “ela foi escondida”. Entretanto, caso esse esconderijo não seja encontrado, mesmo com a boa vontade da maioria, o município pode ficar sem o recurso, porque quem manda na Casa é a Mesa Diretora, que há muito não se entende (os seus membros estão divididos).

Tristes conclusões

Diante desse cenário medonho, quem é desprovido de cinismos partidários chegam a duas tristes conclusões. Primeiro, que quando o prefeito e parte da sociedade usam o manjado jargão “DEIXA O HOMEM TRABALHAR” contra os vereadores, embora os parlamentares façam beicinho e fiquem tristinhos, não há como pensar diferente diante de uma lambança dessas. E, segundo, e mais grave, fica muito nítido que situações como essas se repetem porque o povo é mais “safado” que os desinteressados vereadores.

Essa antipática, mas verdadeira, conclusão, é constatada porque os eleitores continuam alugando o vidro do carro para colocar adesivos, locando muros para colocar placas, se trocando por tijolo, areia, cimento, cestas básicas, Carteira de Motorista, entre outras coisas.

Esclarecimento

A matéria tem o objetivo de mostrar o cenário interno do Legislativo, as desavenças entre os pares (que estão mais para ímpares) e dar publicidade aos fatos que ocorrem no ambiente que conhecemos, teoricamente, como "Casa de Lei". E por último, e não menos importante, ela tem o propósito de reafirmar a ideia que defendemos há alguns anos: “quem vota tem total responsabilidade nesse cenário pavoroso”. É bom que fique claro que a culpa que atribuímos ao povo não é o “VOTO ERRADO” (quem nunca errou?), mas o voto vendido, trocado, negociado, inclusive, com pessoas que dão evidentes demonstrações de não serem merecedoras de ocupar o cargo pleiteado.

sábado, 25 de agosto de 2012

Hélio Bicudo, um bom brasileiro!

Flávio Azevedo

Em tempos que nós ficamos estarrecidos com a cara de pau de determinados brasileiros, por exemplo, o Sr. Márcio Thomaz Bastos, ex-ministro da Justiça, que com a maior cara-de-pau, defende o mafioso Carlinhos Cachoeira, ainda temos pessoas como o jurista Hélio Bicudo (foto), que demonstram orgulho, integridade e honestidade ao longo da vida pessoal e profissional.

Educação e Cultura é “BESTAGEM”.

Flávio Azevedo

Depois de matar a mulher por se sentir traído, o coronel Jesuíno (foto), personagem da novela “Gabriela”, já escolheu nova esposa e pagou bom dinheiro por ela. A sua primeira providência foi ordenar que a futura esposa abandonasse os estudos. “Mulher minha não precisa estudar para não pensar BESTAGEM”, disse o arrogante coronel.

Essa declaração nos permite entender porque os governos não investem em Educação e Cultura e nos operários e equipamentos desse setor. Isso ocorre pura e simplesmente para que o povo não pense “BESTAGEM” e deixe de votar nos coronéis que comandam as nossas cidades, estados e país.

Enquanto isso, os políticos vão “USANDO” os cargos que exercem para se locupletarem, para enriquecerem e para explorarem o “ABESTADO” ou ALIENADO povo. No próximo dia sete de outubro têm eleições municipais. Nas entrelinhas, as campanhas eleitorais dão ao povo um recado semelhante ao que dizia o coronel Jesuíno para a esposa: “VÁ SE ARRUMAR PORQUE NOS PRÓXIMOS QUATRO ANOS VOU LHE USAR”.

Dois acidentes e dois mortos na saída do Green Valley, na BR – 101.

Flávio Azevedo

Adilson Rodrigues de Senna (73) e Ubirajara Cardoso Farias (54), moradores da localidade do Rio do Ouro, em Rio Bonito, morreram instantaneamente depois que o carro em que estavam, um Voyage, placa GUS 2180 (Rio Bonito), se envolveu num acidente com o Corolla, placa KXG 3391 (Macaé). O acidente aconteceu por volta das 15h, na tarde dessa sexta-feira (24/08), na BR – 101, na saída do Green Valley, ponto onde tem acontecidos centenas de acidentes e inúmeras mortes.

De acordo com testemunhas, o Voyage, que era dirigido por Adilson Senna, atravessou a rodovia para acessar o retorno, quando foi atingido violentamente pelo Corolla que trafegava em direção ao Rio de Janeiro. O trânsito no local estava confuso por conta de outro acidente que havia ocorrido momentos antes. Um Fiat Uno, placa KVR 8862 (Rio Bonito), que também atravessou as pistas para acessar o retorno, foi atingido pelo Peugeot, placa KXF 0206 (Rio de Janeiro). Nesse acidente ninguém ficou ferido.

No segundo acidente, o Voyage capotou e parou cerca de 50 metros da colisão. Ubirajara (foto), que viajava no banco do carona, foi cuspido, o que teria motivado a sua morte. O motorista do Corolla, protegido pelo airbag, sofreu leves ferimentos.

Missão Impossível


O “Programa Flávio Azevedo” está contratando o agente Ethan Hunt, protagonista do filme “Missão Impossível”, para investigar o suposto DESAPARECIMENTO de uma mensagem de cerca de R$ 200 mil que deveria reforçar o setor da Saúde de Rio Bonito. Na sessão da última quinta-feira (23/08), o presidente em exercício, o vereador Carlos André Barreto de Pina, o Maninho (PPS) informou que a mensagem não foi colocada na ordem do dia para ser votada porque SUMIU (como assim?). Como o município não pode ficar sem esse importante recurso, nós esperamos que a perícia e a audácia do agente Ethan Hunt ajudem a solucionar o problema!

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Irresponsabilidade...

Flávio Azevedo

Algumas coisas beiram o ridículo. Nessa quinta-feira (23/08), durante a sessão da Câmara de Vereadores, surgiu uma discussão sobre determinada mensagem (cerca de R$ 200 mil para a Saúde) que não foi colocada na ordem do dia, simplesmente, porque sumiu (como assim?).

Detalhe: quando o prefeito e parte da sociedade lançam o manjado jargão “DEIXA O HOMEM TRABALHAR”, os parlamentares fazem beicinho, sobretudo porque lá fora, outro parlamentar afirmou acreditar que "a mensagem não sumiu, ela está escondida".

Pergunto: "E se tiver prazo? Quer dizer que podemos perder recurso para a Saúde por conta desse joguinho de gato e rato"?

Que absurdo!

PS: vale ressaltar que o clima entre os vereadores Rita de Cássia (PP) e Carlos André Barreto de Pina, o Maninho (PPS) é o pior possível. Se a dupla conspirou em 2010 para chegar ao poder, dessa vez a conspiração é entre eles. Quem viver verá!

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Hospital Darcy Vargas tem nova diretoria

Flávio Azevedo

O funcionário público Joaquim Antonio Pacheco Martins, o popular Quincas, é o novo presidente do Hospital Regional Darcy Vargas (HRDV) de Rio Bonito. Ele substitui o advogado Luis Gustavo Siqueira Martins, que estava na presidência da entidade há 10 anos. A assembleia que elegeu Quincas aconteceu nessa quarta-feira (22/08), no Salão Nobre do Esporte Clube Fluminense. A chapa eleita teve apenas duas mudanças em relação a que foi apresentada no último domingo (19/08). Na 1ª Tesouraria, o advogado Luis Guilherme Soares Cordeiro deu lugar ao comerciante José Egger. Ele saiu da presidência do Conselho Deliberativo e Fiscal, agora sob o comando do empresário Kleber Francisman Moreira.

Depois da prestação de contas, a mesa receptora e apuradora foi formada pelos sócios Moayr Schueler, Cláudio Portela e Eidval Oliveira para conduzir a eleição. Embora não existisse outra chapa, segundo o estatuto da entidade, é preciso ter a votação nas cédulas. Dos 251 sócios, 47 assinaram o livro de presença. Desse número, foram contabilizados 42 votos. Os demais não votaram porque por motivos particulares se ausentaram. Depois de 25 minutos de votação e apuração, o sócio Cláudio Portela anunciou o resultado.

Composição da Chapa

Presidente: Joaquim Antonio Pacheco Martins;
1º Vice-Presidente: Eduardo Balbino;
2º Vice-Presidente: Aécio Moura;
3º Vice-Presidente: Jamil da Silva Machado;
1º Secretário: Gibran Elias Mansur;
2º Secretário: Marcelo Santos Cardoso;
1º Tesoureiro: José Egger;
2º Tesoureiro: Murilo Romero Oliveira;
Procurador: Adelci Coelho Machado.

Conselho Deliberativo e Fiscal: (Membros efetivos:) Kleber Francisman Moreira, João Eupídio Alves de Figueiredo, Laerte Ferreira Júnior, Jânio Kiuchi, Ignácio João Goulart, Rogério Nunes de Souza, José Rodrigues Peixoto Filho, Alexandre Cazorla, Airton Espanhol, Carlos Augusto Albuquerque de Mattos; (Membros Suplentes:) Carlos Alibert Guimarães, Antonio Carlos Pimentel de Araújo, Vicente Hipólito, Antonio de Oliveira Faria e José Luis Vieira.

Despedidas

Para se despedir do cargo que ocupou por 10 anos, o ex-presidente Luis Gustavo Martins com a voz embargada fez um discurso emocionado. Ele iniciou falando da honra que foi ocupar um lugar que já foi ocupado por ilustres riobonitenses como Oscar Nunes, Aissar Elias, Altério Machado, Armando Machado, Aloísio Rangel, Adão Oliveira e tantos outros. “Saio com a certeza de que fiz tudo o que era possível e estava ao meu alcance”. Martins agradeceu aos colaboradores, a família, a diretoria e destacou a dedicação do secretário Robertinho Figueiredo, “o grande responsável pela chegada do atual grupo a direção do HRDV, em 1997”.
– Robertinho fez um apelo ao meu mentor Benedito Caridade, para que ele assumisse a direção da entidade. Ele mandou uma carta pedindo isso. É por conta disso que Robertinho Figueiredo é o grande responsável por essa virada que nós conseguimos dar no HRDV, aonde eu cheguei com apenas 32 anos. Hoje eu estou deixando a presidência do hospital, mas sem deixar o hospital e no que eu puder ser útil saiba que eu estarei sempre por perto – contou.

O ex-vice-presidente Luis Fernando Romanelli Cardoso disse que gostaria de já ter deixado a direção do HRDV, “mas eu tinha que sair junto com Gustavo, porque esse era o meu compromisso com a sua mãe. O presidente foi o nosso líder e uma figura muito importante durante todo esse tempo. Tudo que foi feito ele esteve à frente. É uma história muito linda que não foi contada, uma hora, porém, será. Mas ele fez bem não sair, porque durante esse tempo o HRDV ganhou o CTI e o serviço de Oncologia”, disse Romanelli.

O ex-tesoureiro Antonio José Alfradique enalteceu a figura do ex-presidente e fez uma metáfora com um adágio popular: “o cavaco não cai longe do pau”, numa referência a Maríssimo Martins, pai de Gustavo. “Sabedoria, equilíbrio e honradez, virtudes demonstradas pelo nosso presidente foram adquiridas dos seus pais. Eu te admiro muito... Respeito o que você fez pela comunidade. Você assumiu a responsabilidade de fizer o hospital crescer e se tornar perene, como os homens da sua índole”, discorreu.

Novo presidente prega união

O recém-empossado Joaquim Martins agradeceu os votos de confiança dos associados e lembrou que o motivo dele estar ocupando o lugar do sobrinho foi o seu problema de saúde. “Eu não poderia deixar de estar ao lado do meu sobrinho nesse momento. Não estou aqui por vaidade, porque esse não é o meu tipo e quem me conhece sabe disso. Eu nunca me candidatei a cargo eletivo nenhum, mas não poderia deixar de dar a minha contribuição a sociedade nesse momento”, destacou Quincas, enaltecendo o apoio que teve da família, sobretudo da esposa que não só compreendeu a sua decisão, como também incentivou.

O novo presidente disse que conta com o apoio dos funcionários, dos amigos, dos diretores, dos colegas de trabalho e familiares. “Pretendo trabalhar renovando alianças com todas as classes do município a bem do hospital. Com essa renúncia em bloco da gestão anterior, nós estamos celebrando aqui, hoje, um ato de coragem, porque não sei quase nada de gestão hospitalar, mas não mediremos esforços para atender os anseios da população”, frisou Quicas, que disse esperar o surgimento de novos associados para também darem a sua contribuição para o HRDV.

terça-feira, 21 de agosto de 2012

IDEB da rede municipal de Rio Bonito continua evoluindo

Flávio Azevedo

Segundo dados apresentados pelo Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB), do Ministério da Educação (MEC), a Rede Municipal de Educação de Rio Bonito está crescendo acima das metas estabelecidas. O município recebeu a pontuação 4.8 e superou a meta de 4.4 que era o desafio proposto para 2011. A marca supera, inclusive, a meta já estipulada para 2013, que é de 4.7. De acordo com os dados oferecidos pelo MEC, o município saiu de 3.5, no ano de 2005, para os atuais 4.8, quase a pontuação estipulada para 2015, quando a meta será 4.9.

Nas escolas municipais, a melhor pontuação entre as unidades da 4ª série ao 5º ano é da Escola Municipal Paulo Pffeil (5.7). A unidade é seguida pela Jaudeti Curi, de Rio Vermelho (5.3); Serra do Sambê (5.2) e Professor Honesto Almeida de Carvalho (5.0). A pior colocação é da Escola Municipal Sete de Maio, de Nova Cidade (3.8), que só é superada pelas escolas Albino Thomaz de Souza Filho (Conjunto Monteiro Lobato), Castro Alves (Catimbau Pequeno) e Escola Municipal da Posse (Sambê), que não tiveram média na Prova Brasil, segundo o site do MEC.

Entre as escolas que oferecem da 8ª série ao 9º ano, a maior pontuação (4.7) é da Escola Municipal Dr. Astério Alves de Mendonça. A unidade é seguida pelas escolas Professor Honesto Almeida de Carvalho (4.6); Raulbino Pereira de Mesquita, do Parque Indiano (4.5); e Kingston de Souza Mota, no Parque Andréa (4.1). Apenas a Escola Municipal Maria Lídia Coutinho, de Rio do Ouro, não pontuou, também por não ter média da Prova Brasil.

Rede estadual

Já as notícias da rede estadual não são boas. Como aconteceu em 2009, os números alcançados estão abaixo da meta estipulada pelo MEC. A educação estadual em Rio Bonito alcançou apenas 4.4 pontos, e deveria, segundo tabela do IDEB ter alcançado 5.5. Os dados deixam patente que houve regressão na pontuação da rede estadual, que em 2005 alcançou 4.7 e em 2012 registra 4.4

Das escolas estaduais de Rio Bonito, a melhor ranqueada foi o Colégio Estadual Roberto Pereira dos Santos (5.3), seguido pelos Colégios Estaduais Desembargador José Augusto Coelho Rocha Júnior (Bela Vista); e Bernardino da Costa Lopes (Boa Esperança), que alcançaram 4.5 de pontuação. O pior do ranking foi o Colégio Estadual José Matoso Maia Forte (Praça Cruzeiro), que alcançou 3.5 na pontuação do IDEB. As escolas Antonio Lopes Campos Filho (Basílio) e Dyrceu Rodrigues da Costa não pontuaram porque não alcançaram média da Prova Brasil.

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Programa eleitoral no rádio e TV a partir dessa terça-feira

Flávio Azevedo

Candidatos a prefeito e vereadores em todo país, exceto no Distrito Federal, começam nessa terça-feira (21/08) as suas campanhas políticas gratuitas no rádio e TV. O horário eleitoral vai durar 45 dias e será exibido até o próximo dia 4 de outubro. O programa será apresentado de segunda a sábado. A duração é de 30 minutos com duas exibições diárias: 7h às 7h30min e 12h às 12h30min, no rádio; e 13h às 13h30min e 20h30min às 21h, na TV.

As segundas, quartas e sextas apresentarão os prefeitáveis. Já os candidatos a vereador, terças, quintas e sábados. É proibida a propaganda que degrade ou ridicularize candidatos. O partido ou coligação que descumprir essa regra estará sujeito à perda do direito de veicular sua propaganda gratuita no dia seguinte ao da punição determinada pela Justiça Eleitoral.

Nas cidades com mais de 200 mil eleitores, cuja eleição a prefeito for para o segundo turno, o início da propaganda eleitoral gratuita será no dia 13 de outubro e se estenderá até o dia 26. O tempo da propaganda será dividido meio a meio entre os dois candidatos mais votados e a sua veiculação, no rádio e na TV, de segunda a sábado nos mesmos horários do primeiro turno.

Minutos valiosos

O tempo de propaganda de cada candidato ou coligação, tanto a prefeito como para vereador, é definido proporcionalmente pelo tamanho das bancadas partidárias na Câmara dos Deputados. Por esta razão, muitos candidatos procuram formar alianças com legendas para obter mais tempo no rádio e na TV.

Os partidos com maior tempo de propaganda eleitoral são o PT, maior bancada da Câmara, PMDB e PSDB. Mesmo os candidatos cujos partidos não têm representação na Câmara, dispõem de alguns segundos de propaganda gratuita.

Regras

Além do horário eleitoral gratuito, os candidatos a prefeito têm direito a inserções diárias na programação normal das emissoras de rádio e TV. A quantidade e o tempo dessas inserções também respeitarão a proporcionalidade usada para definir o horário eleitoral.

Na propaganda dos candidatos a prefeito deve constar o nome do candidato a vice-prefeito, de modo claro e legível, em tamanho não inferior a 10% do nome do titular. No caso de haver coligação, deverá ser usado também, obrigatoriamente, as siglas de todos os partidos que compõem a coligação. Já na propaganda proporcional para vereador, cada partido deve usar apenas a sua sigla sob o nome da coligação.

Fonte: Agência Brasil

“Programa Flávio Azevedo” entrevista vereador Marcinho Bocão

Flávio Azevedo

Dando continuidade a uma série de entrevistas com os vereadores de Rio Bonito, o “Programa Flávio Azevedo” entrevistou no último dia (15/08), o vereador Márcio da Cunha Mendonça, o Marcinho Bocão (DEM). Exercendo o seu primeiro mandato, ele respondeu uma série de perguntas relacionadas aos seus pares, as lições adquiridas durante a sua carreira política, a busca pela reeleição e temas como compra de voto e o polêmico concurso público para o Legislativo local.
– Quando nós participamos da política as promessas são muitas, por isso, o meu grande objetivo é não decepcionar as pessoas que me confiaram o voto. Eu tenho a consciência tranquila porque venho trabalhando bastante. Eu posso não ter mesma leitura dos meus pares, mas não sou analfabeto. O que vale para mim é o homem ser honesto, competente, sincero e que tenha força e garra para trabalhar – comentou o vereador, destacando que “o político é empregado do povo e como todo empregado precisa agradar o patrão, principalmente porque eu ganho bem para isso”.

O parlamentar comentou que “foi feliz ao longo do mandato” e prega união com o Executivo para não prejudicar a população, “porque muitas vezes chega à Câmara um projeto que beneficia o povo e vejo gente rejeitando por puro interesse próprio”. Vereador da base governista, algumas correntes defendem esse aspecto como determinante para os bons índices de popularidade de Marcinho, que perguntado sobre essa questão agradeceu o carinho do prefeito José Luiz Antunes (DEM), mas afirmou que “o seu compromisso é com o povo”. Ele também salientou que “as pessoas precisam ter responsabilidade com o cargo que exercem”.
– Se eu tenho espaço com o chefe do Executivo é porque eu busquei. Os demais parlamentares também poderiam ter espaço, mas não souberam conquistar. Eu visito todos os bairros, sou criticado por isso, mas se eu fui eleito para ser vereador, eu tenho que exercer a minha função, que não pode ser encarada como bico. O prefeito não protege vereador. Ele simplesmente valoriza quem tem disposição para trabalhar e isso eu tenho de sobra. Se os demais não pensam assim o problema não é meu – disparou.

Sobre compra de votos, o parlamentar classificou a questão como “uma vergonha”. Ele comentou que a cidade não precisa de pessoas que gastam R$ 400 ou R$ 500 mil com eleição, “porque quando eles chegam aqui dentro, só pensam em resgatar o que gastou na campanha”. A respeito do que espera da disputa eleitoral para os poderes, Executivo e Legislativo, Marcinho afirmou que “o mais importante é saber que nós somos adversários e não inimigos, por tanto, esse negócio de denegrir a imagem dos outros não está com nada. Eu acredito ser Matheus Neto o melhor, mas nada contra os demais candidatos e todos deveriam pensar assim”.

Compra de votos

A postura de boa parte do eleitorado, que aproveita as ilegalidades cometidas no processo político para ganhar dinheiro e não se preocupam com os resultados desse ato, também foi alvo da conversa com o vereador. Ele revelou ter conhecimento de pesquisas que o colocam na dianteira da preferência popular; disse ter conhecimento de uma suposta pressão financeira dos seus adversários sobre os seus eleitores; e ao analisar a questão deixou escapar um desabafo:
– Eu não sei se deveria me aprofundar no assunto, mas eu vou falar. Eu tento conquistar o meu eleitorado com trabalho, mas tem candidato entrando no meu bairro comprando os meus eleitores para me diminuir. Eu não aceito isso! O político deveria ganhar na moral, mas estão distribuindo quantias consideráveis. Tem gente levando R$ 3 mil. Ou seja, quem pega esse dinheiro não pode reclamar lá na frente quando faltar Saúde e outros direitos do cidadão – afirmou.

Situação interna

Questionado sobre os recentes problemas (o concurso público, por exemplo) que ocorrem dentro do grupo que lidera a Câmara, que chegou ao comando da Casa criticando os atos e postura da Mesa Diretora anterior (que tinha Fernando Soares (PMN) na presidência), o parlamentar, que fez parte da base de apoio ao presidente Marcus Botelho (PR), acredita que o colega foi mal orientado sobre a questão do concurso público.
– Os membros da Mesa Diretora, da qual eu faço parte, poderiam ter uma participação maior nesse processo, mas não soubemos de nada. Quando a vereadora Rita de Cássia (PP) entrou fundo no assunto encontrou coisas muito graves, a começar do salário que não condiz com a nossa realidade. Sei que isso terá repercussão negativa – ponderou o vereador, acrescentando que acredito nas boas intenções do presidente, que segundo ele, “foi orientado por gente mal intencionada”.

O parlamentar concluiu lamentando o fato de o presidente ter “dado ouvidos ao inimigo, o que acabou prejudicando ele e a todos nós”; afirmou esperar que a próxima Câmara de Vereadores, que será eleita no próximo dia sete de outubro, seja mais decente e que tenha mais acertos que erros; e apelou para que a população participe mais das reuniões da Casa, “para ver de perto como as coisas acontecem”.

Contagem regressiva para a Copa Hand Riba 2012

Flávio Azevedo

Os amantes do Handebol estão em polvorosa. É que nesse fim de semana (25 e 26/08/2012), o Rio Bonito Atlético Clube (RBAC) sedia uma das competições mais tradicionais do estado da modalidade: a 7ª Copa Hand Riba. A competição é organizada pelo desportista e professor de Educação Física, Luiz Gustavo Machado, o Popó. Os jogos serão realizados no Ginásio Antonio Figueiredo.

De acordo com o organizador, a versão 2012 contará com as categorias cadete (Sub-16), masculino e feminino, que jogam no sábado (25). Já a categoria infantil (sub-14), também masculino e feminino, entram em quadra no domingo (26). A cidade de Rio Bonito será representada pelos atletas do Colégio Cenecista Monsenhor Antônio de Souza Gens, destaque nos Jogos Estudantis do município, em todas as categorias. Uma das equipes que vai participar da Copa é o Centro Educacional Alfredo Prado, de Seropédica/RJ, única equipe presente nas sete edições da Copa.

A organização da Copa Hand Riba informa que o formato da competição será em rodízio simples, com todas as equipes se enfrentando dentro de suas categorias. Sagra-se campeã quem obtiver o maior número de pontos.
– Prepare a sua torcida para grandes emoções, porque quem conhece Handebol sabe que esse esporte é sempre feito de grandes lances e jogos muito movimentados até os minutos finais de cada partida. Vejo vocês na quadra e na arquibancada – convoca Popó num site de relacionamentos.

Encontro de artistas riobonitenses na Pinacoteca da cidade pode definir os rumos da Cultura local

Flávio Azevedo

Na próxima sexta-feira (24/08) a Pinacoteca Municipal, espaço cultural que funciona sobre o Banco Itaú (antiga Inspetoria Estadual), realiza, a partir das 14h, um encontro com artistas locais, onde o Instituto Idéias fará levantamento e cadastramento das pessoas que trabalham com o que chamam de “economia criativa” em Rio Bonito.

O diretor do Departamento de Cultura, da prefeitura Municipal, Dawson Nascimento (foto), convida para participar, todos os envolvidos em qualquer segmento ou manifestação cultural (artesanato, escritores, teatro, culinária, poetas, dança, música, entre outras).

Segundo ele, “quantos somos e o que fazemos é de interesse do Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro (Comperj), por isso todos devem comparecer e compartilhar com os colegas a realização desse encontro”. Quem não puder comparecer, segundo Dawson, podem se fazer representar.

domingo, 19 de agosto de 2012

Nova assembleia define os rumos do Hospital Darcy Vargas nessa quarta-feira (22/08)

Flávio Azevedo

Em nova assembleia que acontecerá na próxima quarta-feira (22/08), no Esporte Clube Fluminense, o nome do funcionário público, Joaquim Antonio Pacheco Martins, o popular Quincas, deve ser anunciado presidente do Hospital Regional Darcy Vargas (HRDV). A sucessão da atual diretoria, que renunciou em bloco há cerca de um mês, tem sido um dos assuntos mais comentados de Rio Bonito nas últimas semanas. Declarações polêmicas da diretoria do hospital contra a Prefeitura; e da secretária Municipal de Saúde, Maria Juraci Dutra, sobre a gestão do HRDV acirraram os debates.

Marcada no último dia 1º de agosto, quando a atual diretoria renunciou em bloco, a assembleia desse domingo (19/08) deveria apresentar as chapas que substituiriam os membros da atual gestão. Entretanto, apenas uma chapa, encabeçada pelo advogado Luis Guilherme Soares Cordeiro, atual procurador do HRDV, foi apresentada no último dia 15/08. A chapa, porém, segundo a mesa diretora “não atendia alguns requisitos básicos para concorrer”. Foi dado prazo para sanar as faltas, “mas no dia 16/08, o candidato a presidente da chapa desistiu da presidência, e, posteriormente, também retirou a chapa”.

Surpresa e debates

Diante da ausência de nomes, o funcionário público Joaquim Antonio Pacheco Martins (foto), o popular Quincas, pediu a palavra e informou que “diante da desistência de Guilherme Cordeiro... Eu assumo a presidência indicando o próprio Guilherme como diretor tesoureiro”. Para analisar a proposta, a Mesa Diretora interrompeu a sessão e esclareceu que “a anormalidade encontrada na chapa foi a falta de assinaturas dos nomes”, o que confirma a vontade das tais pessoas de participar da nova diretoria.

O presidente licenciado, Luis Gustavo Martins, disse que as “anormalidades são sanáveis” e afirmou que a proposta da mesa diretora seria permitir que a chapa, em 48 horas, regularizasse as pendências. “A assembleia suspende, hoje, e volta a se reunir na quarta-feira, ás 19h. Regularizada a chapa, está mantida a programação do Edital, prestação de contas, eleição e posse da nova diretoria. Não regularizada a chapa, suspende-se a assembleia e abre-se prazo para a inscrição de novos sócios que possam participar das eleições”.

A vereadora Rita de Cássia, que é sócia do HRDV, pediu a palavra e comentou que “nós precisamos resolver os problemas do hospital, como a falta de médicos; e proponho que, como a assembleia é soberana, nós venhamos a relevar detalhes e buscar sair daqui com isso resolvido”. O presidente licenciado esclareceu que a ausência das pessoas que estão inscritas na chapa poderia gerar a nulidade dos atos decididos na assembleia. Já o presidente em exercício lembrou que “o tempo de até quarta-feira é para adequar os nomes apresentados pela chapa”.

O sócio Rosicleto Pimentel também pediu a palavra e disse que “como a chapa foi indeferida pela mesa diretora, ela estaria anulada e não teria validade. “Eu proponho que a assembleia seja mantida em caráter permanentemente e que se estabeleça o dia 10 de outubro para a eleição, o que dará tempo para a apresentação das chapas”. A sócia Solange Almeida disse que a assembleia está sendo esvaziada, comentou que em Rio Bonito todos se conhecem e pediu celeridade por conta dos problemas que precisam ser resolvidos. O sócio José Rodrigues Peixoto Filho discordou e salientou ser preciso ter cuidado “porque alguém pode recorrer a Justiça e os problemas que estão quase solucionados podem se agravar”.

Também foi comentada pelos presentes a ausência dos sócios, sobretudo aqueles que compõem a chapa apresentada. “Isso demonstra incoerência e pode ser entendido como desinteresse”, ponderou o sócio Paulo de Ribeiro Júnior. “É por esse motivo que não se pode colocar o nome das pessoas sem se saber da vontade delas, porque uma série de situações jurídicas e legais passa a ser responsabilidade delas”, argumentou o presidente licenciado Gustavo Martins.

Composição da Chapa

Presidente: Joaquim Antonio Pacheco Martins;
1º Vice-Presidente: Eduardo Balbino;
2º Vice-Presidente: Aécio Moura;
3º Vice-Presidente: Jamil da Silva Machado;
1º Secretário: Gibran Elias Mansur;
2º Secretário: Marcelo Santos Cardoso;
1º Tesoureiro: Luis Guilherme Soares Cordeiro;
2º Secretário: Murilo Romero Oliveira;
Procurador: Adelci Coelho Machado.

Conselho Deliberativo e Fiscal: (Membros efetivos) José Egger, João Alves de Figueiredo, Laerte Ferreira Júnior, Jânio Kiuchi, Ignácio Goulart, Rogério Nunes de Souza, José Rodrigues Peixoto Filho, Alexandre Cazorla, Airton Espanhol, Carlos Augusto Albuquerque de Mattos; (Membros Suplentes: Carlos Alibert Guimarães, Antonio Pimentel de Araújo, Vicente Hipólito, Antonio de Oliveira Faria e José Luis Vieira).

“Está tudo bem”

O presidente licenciado Gustavo Martins voltou a tranqüilizar os sócios e a população quanto a situação financeira e funcional do HRDV. De acordo com ele, o novo Plano Operativo Anual (POA) foi assinado, houve aumento do repasse dos recursos do Sistema Único de Saúde (SUS) e os débitos com impostos e fornecedores estão quitados.
– O HRDV não está parado. A diretoria continua trabalhando! Até o meu afastamento se deu dentro da legalidade e quem assumiu sabia da responsabilidade. Com o novo POA, a diretoria já está contratando médicos com salários adequados ao mercado e tudo está sendo feito para que não tenhamos uma diretoria sub-judice, o que poderia trazer instabilidade para os funcionários e para a população – ponderou o presidente licenciado, acrescentando que “as dificuldades enfrentadas pelos diretores do HRDV sempre existiram e continuarão ocorrendo”.

O provável presidente do HRDV Joaquim Martins disse a nossa reportagem que a sua decisão foi impulsionada pelo fato de já participar da diretoria do HRDV e já saber como a instituição funciona. “Vou procurar a diretoria que está saindo para obter as orientações necessárias. Eu venho do Conselho Deliberativo, onde nós não temos acesso a todas as informações, mas eu conheço um pouco o assunto e tenho algumas ideias”, pondera Joaquim, que destacou o parentesco (tio) com o presidente licenciado Gustavo Martins.

sábado, 18 de agosto de 2012

Deputado Marcos Abrahão apresenta suas propostas para os universitários de Rio Bonito

Flávio Azevedo

O deputado estadual Marcos Abrahão (PT do B), candidato a prefeito de Rio Bonito/RJ nas eleições do próximo dia 7 de outubro, recebeu, na tarde desse sábado (18/08), no Ginásio Bonitão, na Cidade Nova, um grupo de universitários. O objetivo foi apresentar suas propostas para a categoria. O tema principal foi o Transporte Universitário, que há anos é tema de campanhas políticas. Os estudantes pleiteiam a transformação do benefício em lei que assegure o transporte como direito.
– Precisamos de uma lei que assegure o Transporte Universitário, porque todas as vezes que se aproxima o período eleitoral nós ficamos apreensivos quanto a continuidade do benefício. Sinceramente, não existe uma garantia de que o próximo governante vá continuar o Transporte Universitário – disse o estudante Adalmir Cardoso.

Revelando que existe mais de mil universitários que utilizam o serviço diariamente em Rio Bonito, os poucos (31) estudantes que compareceram ao encontro com Marcos Abrahão criticaram a ausência dos colegas. “São tantas pessoas reclamando e criticando que eu pensei que isso aqui ia ficar lotado. Parece que as pessoas só sabem mesmo reclamar”, analisou a universitária Aline Alves. Também chateada com o volume de colegas que prestigiaram o evento, a universitária Jéssica Leão fez uma reflexão: “muitas pessoas pensam estar se comprometendo com o candidato só porque vai a uma reunião ouvir as suas propostas”.

Desmente essa tese o próprio deputado Marcos Abrahão, que ao final da reunião defendeu a presença dos universitários nos encontros com os demais candidatos. “Façam questão de ir às outras reuniões e ouçam as propostas de cada um”. Sempre irônico, ele aproveitou a oportunidade para fazer um gracejo: “depois que vocês estiverem por dentro de cada proposta, analisem, porque ‘que compara vota’. Eu não tenho dúvida que Marcos Abrahão ‘está cada vez melhor’”. O deputado defende a aquisição de novos ônibus pela Prefeitura Municipal e não vê com bons olhos a terceirização do serviço porque, segundo ele, “o objetivo é agradar doadores de campanha e fugir da responsabilidade de gerenciar o serviço”, alfinetou.

Uma história antiga

Antes de apresentar as suas propostas, o deputado Marcos Abrahão comentou que era preciso fazer um contexto histórico sobre o assunto, “porque muitos de vocês ainda estavam no Ensino Fundamental quando essa questão, que não é de hoje, começou a ser debatida”. De acordo com Abrahão, em março de 2001, houve uma crise no Transporte Universitário. A época, a então prefeita Solange Almeida afirmou que não poderia continuar oferecendo o serviço. “Para manter seria preciso que cada aluno contribuísse com uma quantia”.
– Junto com o então vereador Aissar Elias, nós fomos para uma reunião com os universitários e seus pais para tratar do assunto. Diante da posição da prefeita, eu garanti que conseguiria dois ônibus. Depois de muito chá de cadeira, nós conseguimos com o então secretário estadual de Administração, Hugo Leal, a cessão de dois ônibus, que foram bancados pela Câmara de Vereadores – contou Abrahão.

O deputado destacou que os veículos foram caracterizados como de propriedade do poder Legislativo e a Prefeitura se ausentou do processo. “Nós conseguimos que a empresa São Geraldo fizesse a manutenção, bancasse parte do combustível e o motorista era comigo”, narrou Abrahão, lembrando que em 2002, quando o vereador Carlos Cordeiro Neto, o Caneco, “assumiu a presidência do Legislativo e transferiu a responsabilidade para o município. Hoje, os dois carros estão sucateados, um deles na São Geraldo e, o outro, no pátio da Oficina Rex”.

Algumas propostas

O deputado criticou os atuais veículos destinados ao Transporte Universitário, “eles poderiam ser mais confortáveis”; enfatizou que os carros que fazem transporte de pacientes não deveriam transportar os universitários, “isso é um perigo para os estudantes”; salientou o desgaste que a viagem causa aos universitários, “a pessoa chega à faculdade cansada e não consegue render igual aos outros”; e ressaltou que “os ônibus universitários deveriam ser utilizados única e exclusivamente para esse fim (transporte de universitários), o que poderia, inclusive, diminuir o desgaste do veículo”.

Aproveitando a oportunidade que teve com os universitários, Abrahão também disse que “eu sempre deixei claro que os dois ônibus que eu consegui eram paliativos, mas não me deram ouvido. A atual gestão comprou novos ônibus, mas tudo de maneira equivocada”. O deputado na oportunidade também apresentou o seu plano de governo, discorreu sobre os seus projetos para áreas como Segurança, Educação, Esporte e deu uma garantia: “caso eu seja prefeito, nós teremos uma faculdade pública em Rio Bonito, e digo mais: vamos investir na Educação do município para que os nossos alunos reúnam condições de passar no vestibular da pública”.

PS: os encontros dos universitários com os demais candidatos também contarão com a cobertura desse jornalista, do jornal "O TEMPO" e do Programa Flávio Azevedo.

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Marcos Abrahão recebe universitários para apresentar propostas para o setor

Flávio Azevedo

Nesse sábado, às 15h, no Ginásio Bonitão, na Cidade Nova, em Rio Bonito, o deputado Marcos Abrahão (PT do B) recebe os universitários para apresentar as suas propostas para a categoria, que passa pelo transporte universitário e também a implantação de cursos de nível superior em Rio Bonito.

A minha sugestão é que o deputado também fale sobre cursos técnicos, situação que interessa bastante aos jovens de Rio Bonito e região. Segundo os universitários, os demais prefeitáveis (Matheus Neto e Solange Almeida) também se reunirão com os estudantes para falar sobre as suas propostas para os universitários.

Os três encontros contarão com a cobertura do “Programa Flávio Azevedo”. Sendo assim, convém lembrar ao vencedor do pleito, que a partir de 1º janeiro de 2013 nós estaremos cobrando cada compromisso assumido com os universitários.

Em quanto isso em Rio Bonito...


Essa semana, operários da Ferrovia Centro Atlântica (FCA) colocaram barras de ferro ao longo de alguns trechos da estrada de ferro que está sempre obstruída pelos “maltoristas” riobonitenses. O objetivo é, ou era, acabar com a tal obstrução. O BIZARRO é que 10 minutos depois que eles haviam acabado de colocar as barreiras, um “maltorista” estacionou sobre ferrovia, entre as barras de ferro, como se ela fosse um delimitador de vagas de estacionamento. E viva Rio Bonito!

terça-feira, 14 de agosto de 2012

“Programa Flávio Azevedo” entrevista vereador Fernando Soares

Flávio Azevedo

Iniciando uma série de entrevistas com os vereadores de Rio Bonito, o “Programa Flávio Azevedo” entrevistou nessa terça-feira (14/08), o vereador Fernando Soares (PMN). Ele respondeu uma série de perguntas relacionadas aos seus pares, as lições adquiridas durante o mandato, a busca pela reeleição, as experiências que conseguiu quando presidiu a Casa no biênio 2009/2010 e temas como compra de voto e o polêmico concurso público para o Legislativo local.
– O balanço que eu faço do meu mandato é que nós nunca fizemos oposição ao prefeito José Luiz Antunes (DEM). Entretanto, o prefeito nunca permitiu que nós participássemos da gestão do município, porque ele tem uma dificuldade muito grande em atender os integrantes do poder Legislativo – disse o parlamentar, destacando que sempre trabalhou para incentivar o setor cultural, “porque nunca tivemos nada voltado para esse setor em nossa cidade”.

Sobre a sua participação na origem do projeto “Lona na Lua”, ele afirma que conheceu as ideias do diretor Zeca Novais em 2009, gostou das propostas e acabou incentivando o projeto, que foi lançado na localidade de Lavras, no dia 17 de maio de 2009. “Ajudamos outros grupos também, mas o “Lona na Lua” teve mais sorte, porque o projeto cresceu, ganhou visibilidade e isso fez com que a deputada federal Solange Almeida (PMDB) conseguisse, através de Furnas, um recurso que foi usado para comprar a tenda que hoje abriga o projeto”, revela Soares.

Diante da declaração de que o poder Legislativo não conta com a cooperação do poder Executivo, nossa reportagem colocou que o Executivo usa argumento semelhante para justificar as suas falhas, o que confunde a população. “Eu provo que o prefeito nos atrapalha. Eu tentei conversar com ele três ou quatro vezes, mas só ouvíamos o tradicional “vão vê”. Também tentei conversar com o vice-prefeito Matheus Neto (PSB) e ele também ficou no “vão vê”, mas nós aprovamos tudo que o Executivo nos mandou”, pondera.

Agentes de Trânsito e desavenças

A criação dos cargos de “Agente de Trânsito”, assunto muito debatido quando Fernando Soares presidiu o Legislativo (mensagem do Executivo que foi rejeitado pela maioria dos vereadores em 2010), talvez tenha sido a única mensagem rejeitada pela maior parte dos vereadores, inclusive, da base governista. O parlamentar argumenta que quando ele fala em não atrapalhar o município, ele se refere a aprovação de recursos necessários ao bom andamento da cidade. Ele afirma que a mensagem dos “Agentes de Trânsito” era uma questão polêmica e que contava com a oposição da população, que estava com medo de dar poder de multa aos guardas municipais.

Em 2009, o então presidente assumiu o comando da Casa com o apoio de seis colegas, e posteriormente esse grupo foi ampliado. Passados, porém, seis meses começaram as notícias de desavenças, ciúmes, discordâncias. Tudo isso foi o estopim para que parte do grupo que dava apoio a Fernando Soares passasse a conspirar e se articular para dar apoio a um nome diferente daquele que teria sido acordado ainda em 2008, quando os parlamentares sequer tinham sido empossados.
– Aceitei presidir a Câmara por achar que tinha experiência de sobra, porque por oito anos eu fui chefe do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) e eu fui secretário municipal no primeiro mandato da ex-prefeita Solange Almeida. Sendo assim, eu pensei que seria tranquilo presidir o Parlamento. Porém, na Câmara existe uma sede de poder... Todos almejam a presidência e essa gana pelo poder provocou tudo isso. Sobre eu não ter cumprido acordos, eu desconheço. Tudo que, foi tratado, foi devidamente cumprido – afirmou Fernando, revelando que caso seja reeleito não gostaria voltar a presidência do Legislativo – afirmou.

Concurso e transparência

Sobre o concurso público da Câmara de Vereadores, cancelado no último dia 19 de junho, o parlamentar declara que foi contrário a abertura do concurso, “porque não foi feito um estudo sobre os impactos dos novos cargos na Folha de Pagamento da Casa”. Ele também afirma ter sido contrário a forma como o certame foi cancelado, “porque uma vez que as pessoas já tinham feito as inscrições, melhor seria suspender, fazer as correções apropriadas e realizar o concurso”, analisa.

Ao analisar a sua passagem pela presidência do poder Legislativo, Fernando Soares comenta que sempre trabalhou de forma transparente. Segundo ele, as críticas que ele recebeu estavam baseadas em contratos que firmados em prol da própria população.
– Fizemos uma licitação e contratamos uma empresa que, disponibilizou num site, todas as leis da Casa. Elas foram digitalizadas e colocadas a disposição da população, o que, segundo informações, não pode mais acontecer por falta de manutenção – critica o ex-presidente.

Sobre os R$ 180 mil pagos ao Instituto Sorrindo Para a Vida, empresa responsável pela execução do referido serviço, o parlamentar disse que tudo foi aprovado, licitado, executado, “inclusive, as contas referentes a esse período já estão aprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE/RJ)”, destacou Fernando, acrescentando que a digitalização das leis foi “uma tarefa árdua” que envolveu várias pessoas.

Eleições e compra de votos

Sobre as reclamações do eleitorado que almeja por políticos mais sérios e honestos, embora essas virtudes não sejam encontradas em boa parte dos eleitores, o vereador comenta que “esse assunto deveria ser tratado em âmbito federal”. O parlamentar também reconhece que passadas as eleições, “os políticos não dão mais assunto aos eleitores” e isso deveria ser revisto. “Será que uma forma de acabar com isso seria obrigar o vereador atender a população? De qualquer forma, seria necessário refletirmos mais sobre isso”, frisou o vereador, que sempre aproveitava a oportunidade para falar do seu apoio a ex-prefeita Solange Almeida.

Questionado sobre a visão deturpada do povo e dos próprios postulantes ao cargo de vereador quanto a função de um parlamentar, Fernando Soares reconhece que muitos quando chegam a Câmara se assustam quando percebem que não conseguirão realizar 90% daquilo que prometeram e tinham em mente.
– Isso é até engraçado. Não adianta ter formação, nível superior, pós-graduação. Você chega a Câmara com os olhos brilhando, mas acaba percebendo que o vereador é totalmente dependente do poder Executivo e nesse governo especificamente a única coisa que você pode fazer é aprovar leis ou não – salienta Fernando, destacando ser esse um dos principais motivos para que ele esteja ao lado da ex-prefeita Solange Almeida, “que certamente vai tratar melhor os vereadores”.

Turismo, Qualificação Profissional e consciência política, carências de Rio Bonito

Flávio Azevedo

Um dos quadros do “Programa Flávio Azevedo” são entrevistas com pessoas comuns da sociedade riobonitense, que tem a oportunidade de opinar sobre assuntos variados. Começamos com uma entrevista que fizemos na rampa de Voo Livre, da Serra do Sambê, onde estavam o Técnico de Informática, Rodolfo Bragança (32 anos) e o taxista Alessandro (38 anos). Eles falaram sobre Turismo, Educação, Qualificação Profissional, Emprego, Economia, Política, Comportamento e foram unânimes ao afirmar que “Rio Bonito precisa de mudanças”.

De acordo com os entrevistados, o setor de Turismo em Rio Bonito está “abandonado”. A rampa de Voo Livre, por exemplo, que poderia ser uma das locomotivas do setor, “não recebe investimentos e a devida atenção da Prefeitura Municipal.
– Poderia haver uma licitação para que uma empresa explorasse esse local. O por do sol aqui é lindo, mas nem todos têm condições de ver, porque o acesso é ruim, se chover ninguém sobe, falta iluminação, a estrada não é bem cuidada e quem poderia modificar esse cenário não está preocupado – considera Bragança.

Olhando sacolas e sacos plásticos que, impulsionados pelo vento, voam pela área da rampa, Alessandro faz uma reflexão: “as pessoas que conseguem chegar aqui não se preocupam em zelar pelo lugar. Eles jogam lixo pelo chão e não se preocupam em manter o local minimamente limpo”, reclama o taxista, que critica o flagrante abandono do espaço. “Burrice do governo, que não consegue perceber o potencial desse lugar”, dispara.

Qualificação

Jovens ainda, eles reclamam a falta de Qualificação Profissional para que as novas gerações tenham futuro diferente do deles. Eles concordam que uma Secretaria Municipal que acumula as pastas da Agricultura, da Indústria, do Comércio e do Turismo contribui para essa questão. “Também não adianta esses setores serem separados e entregues a pessoas que são amigas de A e B e apadrinhados políticos”, comenta Rodolfo.

Sobre a vida profissional do jovem riobonitense, Rodolfo e Alessandro comentam que a cidade é carente de cursos profissionalizantes e os que existem não são valorizados. “Muita gente faz um curso, mas não segue a profissão. Outros claramente escolhem determinadas ocupações simplesmente por que lhes falta opção. O problema é que ninguém se preocupa com isso”, comenta Rodolfo, acrescentando que em Rio Bonito é possível encontrar gente sem qualificação trabalhando e “isso contribui para a desvalorização de quem é qualificado”.

Já Alessandro ressalta a falta de investimentos, incentivos fiscais e comenta que está preocupado com o filho de 15 anos que está prestes a ter problemas semelhantes aos que ele enfrentou quando na adolescência.
– Essa incerteza e a luta pela sobrevivência me levaram para o Rio de Janeiro, onde eu tenho um TAX. A minha família, porém, está aqui e eu me preocupo muito com isso, porque entra ano, sai ano e a situação é a mesma. Se a garotada não se mobilizar para mudar esse cenário isso vai continuar do mesmo jeito – analisa.

Política

Sobre a postura do eleitor diante desse cenário caótico que persiste há muitos anos, Rodolfo afirma que “isso parece piada” e acrescenta que “não adianta reclamar durante quatro anos e fazer M... Naqueles poucos segundos em que se vota. Temos o hábito de votar em quem é gente de boa, mas precisamos ter mais critério nessa hora. Por outro lado, eu não sei o que certas pessoas pensam na hora de se candidatar a vereador. Nós precisamos cobrar, além de caráter, projetos e planos para Rio Bonito. É importante escolher quem pensa no coletivo e não nos benefícios individuais”.

Ao analisar a questão, o taxista Alessandro comenta que o voto errado é um dos sérios problemas do país e acrescenta que “atualmente não se pode confiar na classe política, por serem responsáveis por grande parte dos nossos problemas sociais.
– As notícias sobre política nos deixa com nojo, mas nós temos que participar do processo, não tem como tirar o corpo. É muito triste você exercer o seu papel de cidadão, mas o país não nos trata como cidadãos, porque o Estado é omisso... Política é algo que eu sou obrigado a digerir, porque vemos coisas que nos enojam – dispara.

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Faltam investimentos ao Esporte brasileiro e Rio Bonito segue a risca essa triste realidade

Flávio Azevedo

O pugilista, Esquiva Falcão, medalha de prata nas Olimpíadas de Londres (categoria peso-médio masculino), chegou ao Brasil muito aplaudido, mas aproveitou a oportunidade para pedir mais apoio para o boxe. “Peço mais apoio às pessoas que estão vendo, pois o boxe precisa de um pouco mais para dar mais resultado. Falta centro de treinamento específico. Acho que, com um CT, o boxe pode evoluir bastante”, declarou.

O jovem pugilista também espera que as conquistas da equipe brasileira (além de sua prata e do bronze de Adriana Araújo, Yamaguchi Falcão foi bronze no peso-meio-pesado masculino) atraiam mais apoio para atletas desconhecidos do boxe. Ele lembrou que ele e seu irmão não eram conhecidos até antes dos Jogos Olímpicos.
– Acredito que agora vai chegar mais apoio para os outros atletas, e os patrocinadores vão acreditar mais neles, que eles têm capacidade. Passamos por dificuldades também. Há um mês, ninguém conhecia a gente, e hoje estamos aqui, com muito esforço – comentou Esquiva.

Em Rio Bonito é igual

Depois de ajudar a vitoriosa equipe de Kickboxing do Rio Bonito Atlético Clube (RBAC) a acrescentar mais 15 medalhas ao seu vitorioso currículo (oito delas de ouro), o professor Ronaldo Oliveira Augusto, coordenador da academia de Kickboxing do RBAC fala da importância do apoio ao esporte em Rio Bonito. “Temos uma equipe muito bem treinada, dedicada, que está sempre conquistando medalhas, apesar do apoio tímido do poder público ao Esporte. Se os investimentos a esse setor fossem mais consistentes, a nossa realidade seria muito superior e nós estaríamos em outro patamar”, pondera Ronaldo.

Participando da 2ª etapa do Campeonato Intermunicipal de Kickboxing, no Centro Esportivo Miécimo da Silva, em Campo Grande, no Rio de Janeiro, no último dia 11 de agosto, os atletas conquistaram 15 medalhas, sendo oito de ouro, quatro de prata e três de bronze. Os atletas, Ronaldo Augusto e Rafaela Castilho, conquistaram o trofeu de melhor atleta da competição nas modalidades, masculino e feminino, respectivamente.

O professor Ronaldo afirma que o seu grupo de atletas trabalha duro e as medalhas são frutos da dedicação e do treinamento. Na 1ª Etapa do Campeonato Intermunicipal de Kickboxing, no Clube Tamoio, em São Gonçalo, no último mês de julho, o grupo conquistou 18 medalhas, sendo cinco de ouro, sete de prata e seis de bronze. Com as 15 medalhas conquistadas no dia 11 de agosto, o grupo chegou ao total de 33 medalhas, sendo 13 de ouro.

Falta atenção

Outras premissas também devem ser analisadas, por exemplo: os empresários, e até o poder público, não focam a formação do homem (cidadania), mas o ganho financeiro que o atleta/operário pode render as suas marcas, nomes e empresas. Em entrevista ao Canal SporTV, a ex-ginasta húngara, Nádia Comãneci, disse que o Brasil precisa de “heróis” nos esportes menos populares para fazer o povo ter esses atletas e o tal esporte como referência. Diante desse cenário, não seria mais inteligente se os bilhões que estão sendo direcionados à realização de Copa do Mundo (2014) e Olimpíadas (2016) aqui no Brasil fossem investidos na formação de atletas olímpicos?