sábado, 30 de junho de 2012

Surinamês Seedorf é o novo reforço do Botafogo

Flávio Azevedo

Cerca de um ano depois de manifestar interesse pelo jogador Seedorf, o Botafogo, finalmente, poderá contar com o futebol do surinamês, naturalizado holandês. O contrato, um compromisso de dois anos, já foi assinado, mas a apresentação do atleta ainda não foi informada pela diretoria do ‘Glorioso’. De acordo com o site G1, o jogador, que é casado com uma brasileira e está engajado em projetos sociais e humanitários; ficou satisfeito com a discrição da diretoria alvinegra na condução da negociação.

O meia tem 36 anos, disputou a Copa do Mundo de 1998 (Holanda), é casado com a brasileira Luviana e fala português fluentemente. Revelado pelo clube holandês Ajax, ele também defendeu Sampdoria (ITA), Real Madrid (ESP), Inter de Milão (ITA) e Milan (ITA). O jogador, que é chamado pelos companheiros de “professor”, é recordista de títulos europeus e nacionais. Empresário bem sucedido, Seedorf é empresário e criou a fundação Seedorf Foundation para ajudar crianças carentes através do esporte.

O jogador também é idealizador da empresa “ON Management”, que tem o objetivo de “mudar a maneira como o negócio do futebol é jogado”, como ele próprio define. Ela representa e guia a carreira de jogadores profissionais. Além da “ON Management”, Seedorf tem o projeto “ON Champions”, que visa revelar talentos do futebol e pessoas preparadas fora do campo.

Opinião:

Resta saber se Seedorf vem para o Brasil jogar futebol – como estão fazendo Deco e Juninho Pernambucano – ou se vem apenas freqüentar escolas de samba, boates e ser um ex-jogador em atividade como aconteceu com certo Ronaldo Gaúcho que passou pelo Flamengo. Se for o primeiro caso, o reforço é excelente; se for, porém, o segundo quadro, certamente será um péssimo negócio para o Botafogo.

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Rio Bonito é o campeão no Campeonato Aberto de Karatê-Do

Flávio Azevedo

O Rio Bonito Atlético Clube sediou no último domingo (24/06), o 3º Campeonato Aberto de Karatê-Do de Rio Bonito. O evento aconteceu no Ginásio Antonio Figueiredo e foi organizado pela Associação Riobonitense de Karatê-Do (ARBK), que atuou em parceria com a Federação de Karatê do Estado do Rio de Janeiro (FKERJ) e a Secretaria Municipal de Esporte e Lazer (Semel). Cerca de 150 karatecas, sendo 113 deles competidores, participaram da competição que se estendeu por todo dia

Os 39 competidores riobonitenses que participaram do evento foram fundamentais para contribuíram para que o título geral da competição ficasse em Rio Bonito. De acordo com a organização do evento, o município de Campos ficou em segundo lugar; e Maricá foi o terceiro colocado. “Todos ficaram satisfeitos, os elogios da FKERJ foram muitos, o evento foi de alto nível e os nossos medalhistas estão de parabéns”, disse Renato Monteiro Parada, o Primão, uma das figuras mais tradicionais de Rio Bonito quando o assunto é a “arte das mãos vazias”.

terça-feira, 26 de junho de 2012

Discussão e polêmica na reunião do Conselho de Segurança de Rio Bonito


Uma das reuniões mais polêmicas do Conselho Comunitário de Segurança (CCS) de Rio Bonito aconteceu na Câmara de Vereadores, no último dia 4 de junho (04/06). Um dos ingredientes que contribuiu para apimentar a reunião foi a participação do deputado estadual Marcos Abrahão (PT do B), presente pela primeira vez a uma reunião do CCS. O estopim da controvérsia foi a afirmação do diretor de Assuntos Comunitários do CCS, Flávio Azevedo, que disse na reunião anterior (maio), que o deputado não teria interesse em acabar com a desordem no Trânsito de Rio Bonito.

De acordo com o conselheiro, caso o deputado tivesse real interesse na assinatura do Convênio entre Prefeitura de Rio Bonito e Departamento Estadual de Trânsito (Detran), a questão já teria sido resolvida. A celebração desse convênio é o instrumento necessário para que os guardas municipais possam ter condições multar motoristas infratores.

Munido de uma reportagem escrita pelo conselheiro, o parlamentar pediu que ele fizesse a leitura do texto que narra alguns acontecimentos da reunião de maio, onde o vice-prefeito Matheus Neto não quis polemizar a questão. Matheus apenas disse que “já mandamos inúmeros ofícios, mas sequer obtivemos resposta”. Segundo ele dois ofícios foram envidados em 2011 (agosto e outubro) e dois em 2012 (março e abril).

O deputado perguntou se ele havia sido procurado para tratar o assunto, o vice-prefeito (foto 2) disse que não. Abrahão também se apoiou na declaração do vereador Humberto Belgues (PSDB), que na mesma matéria afirma quem as multas poderão ser facilmente suspensas, porque os autos de infração devem ser obrigatoriamente lavrados por agentes de trânsitos e não guardas municipais. “Como então a culpa é do deputado Marcos Abrahão?”, disparou o deputado, que criticou o jornalista. “O senhor precisa fazer melhor o seu trabalho, porque Isso que o senhor está fazendo é fofoquinha e não jornalismo”.

Sem perder a calma, o conselheiro trouxe uma entrevista publicada na edição 336 do jornal Gazeta Rio Bonito, que reproduz parte de uma entrevista concedida por Marcos Abrahão ao programa “O TEMPO EM RIO BONITO”, no dia 1º de novembro daquele ano. A época, o deputado criticou a formação do Conselho Comunitário de Segurança, que para ele, “deveria se composto por policiais aposentados”.

Sobre a assinatura do tal convênio, Abrahão deu outra declaração polêmica: “Como que o governador vai dar poder, a esse fedelho desse Machado (então diretor da Guarda Municipal)? Um sujeito que soltou moto lá trás... Que recebia propina junto com policiais que não estão mais em nosso convívio?”. Segundo o conselheiro, “essas declarações do senhor e a sua influência junto ao Detran e ao governo do estado são suficientes para que eu pense dessas maneira”. O parlamentar reconheceu a veracidade da NOTÍCIA e criou nova polêmica ao dizer que não via representatividade no antigo grupo de conselheiros “que não tinha sequer um advogado entre os seus membros”.

Indignado com a declaração, o vice-presidente do CCS e presidente do órgão nos anos de 2009 e 2010, José Balbino, tomou a palavra e disse que o deputado estava “enganado e falando bobagem”, porque nos outros anos, o CCS sempre contou com o apoio da OAB e o ex-conselheiro Francisco Gonçalves é advogado e membro da OAB. “O senhor está falando esse monte de absurdo porque nunca veio a uma reunião”, disparou.

O deputado comentou que mudou de pensamento sobre o CCS, “hoje, fazendo um bom trabalho, tanto é assim que eu estou aqui”. O conselheiro disse que “se o senhor está pensando diferente, eu também posso rever a minha impressão sobre a sua postura”. O parlamentar estadual disse que “para mostrar que eu penso diferente sobre essa questão, eu vou agendar um encontro entre os representantes da Prefeitura e desse conselho com o presidente do Detran. Também vou me empenhar junto a Secretaria Estadual de Segurança Pública para que o policiamento em nossa cidade e região seja reforçado”, prometeu Abrahão.

GEM Imóveis completa 20 anos na liderança do setor imobiliário de Rio Bonito

Flávio Azevedo

Fundada em junho de 1992 pelo empresário Gibran Elias Mansur, a GEM Imóveis está completando 20 anos de atividades ininterruptas. A empresa é conhecida e respeitada no cenário comercial de Rio Bonito pela sua caminhada de sucesso ao longo dessas duas décadas. Recentemente, a sede da empresa, instalada na Rua da Conceição, nº 93, no Centro da cidade, foi totalmente remodelada e estruturada “para melhor atender a nossa clientela e equipe de trabalho”, contou Gibran.

Formado em Direito desde 1991, o empresário aponta como principal diferencial da GEM Imóveis, o Departamento Jurídico próprio, setor que dá “segurança e tranquilidade”, a todos os envolvidos nas transações comerciais realizadas pela empresa. “Os nossos clientes sabem que, caso precisem recorrer ao Jurídico, não precisarão desembolsar nada a mais do que foi contratado, porque o serviço não é terceirizado”, pondera o empresário.

Descendente de libaneses, Gibran (foto) afirma que herdou o espírito empreendedor dos seus antepassados, sobretudo a visão para o setor imobiliário. Numa retrospectiva dos últimos 20 anos, ele contou um pouco da sua história e de como ingressou no setor. “Tudo é muito duro no início e comigo não foi diferente. As pessoas me olhavam com desconfiança, porque eu era um jovem de pouco mais de 20 anos. Mas o meu pai (Aécio Mansur) e minha tia (Leila Mansur) acreditaram no meu potencial e lá se vão 20 anos de muito trabalho”, revela o empresário, que destaca a parceria de 13 anos (1998/2010) com o corretor Antonio da Graça, o Toninho, “um parceiro que fez história comigo e a quem eu sou muito grato”, comentou.

A GEM Imóveis conta com três funcionários e uma ampla equipe de profissionais (pedreiro, bombeiro hidráulico, eletricista e outros), que tem a missão de deixar o proprietário do imóvel, e, o inquilino, satisfeitos com os serviços da empresa.
– Esse é outro diferencial importante! Nós administramos o imóvel do nosso cliente, mas temos um profundo respeito com o inquilino. Não são poucas as pessoas que só alugam imóveis conosco, exatamente por conta dessa segurança que oferecemos – conta Gibran, revelando que inúmeros inquilinos que procuram a GEM Imóveis chegam por indicação de outro ou até de alguém que já tem imóvel próprio, mas em algum momento foi inquilino da empresa e ficou satisfeito com o tratamento que recebeu.

Ainda de acordo com Gibran, a partir dos investimentos da Petrobras no Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro (Comperj), a expectativa para o setor imobiliário de Rio Bonito são as melhores possíveis. Embora o empreendimento esteja em Itaboraí, o empresário acredita que as cidades ao entorno, “sobretudo aquelas que oferecem melhor qualidade de vida e infraestrutura podem ser muito beneficiadas”, analisa.

Programa Rota Brasil completa 16 anos de sucesso

Flávio Azevedo

Uma carreira de sucesso que tem como foco principal levar alegria e descontração ao público amante do forró, do sertanejo e da música brasileira de raíz. Líder de audiência nas tardes de sábado, com o programa Rota Brasil, o comunicador Nildo Oliveira, faz parte do elenco de radialistas da Rádio Sambê FM (98,7). “São 30 anos de carreira. Só em Rio Bonito eu estou trabalhando há 25 anos, 16 deles apresentando o programa Rota Brasil”, conta o radialista.

O comunicador já desfilou o seu estilo descontraído e irreverente nas rádios Cantagalo, Fluminense, Costa do Sol, na extinta Contemporânea e Rio FM; e mais recentemente na Rádio Sambê. O Rota Brasil, que conta com a atenção de bandas de forró e sertanejo de todo Brasil, tem crescido e recebido visitas importantes, como a banda mineira, “Balança a Pança”, que esteve no programa no último dia 9 de junho.

Aos 51 anos, Nildo Oliveira implementou através do Rota Brasil, a tradição de revelar artístas locais. Um desses exemplos é o cantor Nélio Silva, que com a visibilidade que recebeu no Rota Brasil tem sido muito requisitado e feito shows por toda região. Nos estúdios da Rádio Sambê, no último dia 17 de junho, o artista, ao vivo, agradeceu ao programa e ao comunicador, “a força que nos dá com a divulgação do nosso trabalho”.

Há cerca de um ano, Nildo Oliveira teve um sério problema de saúde, chegando, inclusive, a ficar em coma, por alguns dias, no CTI do Hospital Estadual Azevedo Lima. O comunicador, porém, se recuperou e retomou a sua rotina. Dono de um estilo próprio, ele discute com o microfone, dá bronca na mesa de som, atende o telefone, debate com os efeitos saonoros, tudo isso com o objetivo de interagir com os milhares de ouvintes.
– Se Deus permitiu que eu continuasse vivo, com saúde, sem sequelas e trabalhando, é porque ainda não terminei a minha missão por aqui – comenta o comunicador durante a entrevista que concedeu, ao vivo, quando a nossa reportagem visitou o estúdio da Rádio Sambê no último dia 17 de junho.

domingo, 24 de junho de 2012

Suposta fraude em concursos para a Câmara de Rio Bonito e Itaboraí continua repercutindo

Flávio Azevedo

Notícia do jornal “O Fluminense” desse domingo (24/06) informa que o Ministério Público (MP) está investigando a denúncia de uma suposta fraude no Concurso Público da Câmara de Itaboraí. O certame foi realizado pela Fundação de Apoio do Instituto Benjamin Constant (Faibc), em janeiro deste ano. De acordo com denúncias recebidas pela ouvidoria do órgão, as duas primeiras colocadas para um dos cargos são casadas com vereadores de municípios vizinhos.

De acordo com as denúncias, a fraude teria ocorrido na vaga de Agente Especial Parlamentar, cujo vencimento previsto é de R$ 3,8 mil. Na lista de aprovados no concurso, divulgada em 27 de março, Rosélia de Araújo Botelho, mulher do presidente da Câmara de Rio Bonito, Marcos Botelho (PR), aparece como primeira colocada. Já a segunda colocação é de Jaqueline Alexandra Rocha Viana, secretária municipal dos Direitos da Mulher e das Minorias de Silva Jardim e esposa do vereador silvajardinense, Robson Azeredo (PSC).

A fundação que realizou o certame também é responsável pelo processo de seleção da Câmara de Rio Bonito e pode realizar o concurso para o Legislativo de Silva Jardim. A suspeita é que exista um suposto favorecimento entre as Câmaras dos três municípios. As denúncias, segundo o jornal, foram encaminhadas para a 1ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva do Núcleo Itaboraí-Magé.

De acordo com o órgão, as denúncias foram anexadas ao Inquérito Civil IC 003/2009, no qual o MP impeliu a Câmara a realizar o concurso público, por meio de recomendação expedida ao seu presidente, já que os cargos da Casa eram comissionados e há mais de 20 anos não era realizado um concurso público para ocupar as vagas. Com estas novas denúncias, a 1ª Promotoria destaca que pode ser que haja necessidade de separação da investigação e instauração de um novo inquérito só para investigar as supostas fraudes. Essa decisão será tomada nos próximos dias.
– Caso comprovada a fraude é possível a distribuição de ação judicial para buscar no Poder Judiciário a anulação de todo o concurso ou apenas dos atos de nomeação e posse dos aprovados que tenham se beneficiado do esquema. Além disso, existe a possibilidade de aplicação de sanções cíveis e penais aos responsáveis e beneficiários – informou a promotoria.

Câmara de Itaboraí se pronuncia

Por meio de nota, a presidência da Câmara de Itaboraí informou desconhecer qualquer tipo de favorecimento ou facilitação de qualquer natureza direcionada a algum candidato. Isto inclui pessoas que tenham parentesco com políticos de Itaboraí ou de outras cidades. O presidente da Casa, vereador Lucas Borges (PMDB), afirmou ainda, que antes da abertura do concurso ele convocou reunião com todos os vereadores, com a comissão especial do concurso e com políticos próximos, quando determinou que nenhum parente dos respectivos fosse inscrito.

O presidente da Câmara de Rio Bonito, vereador Marcos Botelho, disse que só pode responder pelo concurso de sua Câmara e que neste não houve fraude. No entanto, ressaltou que nada impede que os parentes dos vereadores façam concursos públicos para as câmaras vizinhas, e que sempre haverá comentários em relação ao assunto, ainda que as denúncias não sejam verdadeiras.

Já o presidente da Câmara de Silva Jardim, Flávio Brito, o Flávio de Dezinho (PSC) alegou não poder se posicionar sobre a denúncia porque ainda não tomou conhecimento do caso. Em relação ao concurso da Câmara, que será realizado esse ano, explicou que ainda não há data marcada e que ainda não foi escolhida a fundação que ficará responsável pelo exame.

Fundação se pronuncia

No último dia 21 de junho, os presidentes da Câmara, vereador Marcus Botelho (PR); e da empresa organizadora do certame, Ricardo Rocha, respectivamente; deram entrevista a Folha Dirigida sobre o cancelamento do concurso. O presidente da Faibc informou que não havia sido comunicado oficialmente sobre o cancelamento do concurso, que teria 4.848 pagantes, num universo de 10.558 inscritos.
– Acho estranho que somente no fim do prazo prorrogado das inscrições, os vereadores contrários à seleção tenham se manifestado. Inúmeros candidatos estão indignados, pretendendo fazer manifestação na Câmara – comentou.

Confirmada oficialmente a anulação, a Faibc acionará o Departamento Jurídico para reaver o investimento acadêmico. O presidente da empresa justifica a decisão apontando que a fundação deixou de promover concurso até no Ceará, por conta do compromisso contratado com a Câmara de Rio Bonito. “É a primeira vez que tal situação acontece, e não sei ainda como proceder, caso tenhamos que devolver o dinheiro”.

sábado, 23 de junho de 2012

Concurso da Câmara de Rio Bonito: presidentes da Casa e da empresa organizadora falam sobre ressarcimento

Flávio Azevedo

Aberto no dia 13 de abril para atender determinação do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE/RJ), o Concurso da Câmara de Rio Bonito, cancelado na sessão ordinária do Legislativo na última terça-feira (19/06), ainda gera polêmica. No último dia 21 de junho, o presidente da Câmara, vereador Marcus Botelho (PR); e a Fundação de Apoio do Instituto Benjamin Constant (Faibc), Ricardo Rocha, deram entrevista a Folha Dirigida sobre o cancelamento.

Por conta das supostas fraudes, comentadas pelo vereador Aliézio Mendonça (PP) como “cheiro de fumaça” e por estar vinculado à criação do Plano de Cargos e Salários dos servidores efetivos da casa, aprovado em 2011 em votação relâmpago, para que a Casa pudesse promover o certame antes do período eleitoral, o desfecho da história ainda atrai a atenção dos candidatos às vagas oferecidas e dos funcionários efetivos do Legislativo riobonitense.

O presidente da Câmara disse que espera encontrar uma solução para ressarcir os candidatos. Ele também comentou que a empresa organizadora (Faibc), ainda não havia sido informada oficialmente sobre o cancelamento.
– Os vereadores irão elaborar novo Plano de Cargos e Salários, para adaptá-lo a realidade da Casa. Entendo que o cancelamento da seleção é um ato provisório. Tão logo seja equacionada a questão legislativa dos salários, nós iremos reabrir o concurso – garantiu Botelho.

Ressarcimento

Também ouvido pela Folha Dirigida, o presidente da Faibc, Ricardo Rocha, informou que não havia sido comunicado oficialmente sobre o cancelamento do concurso, que teria 4.848 pagantes, num universo de 10.558 inscritos. “Acho estranho que somente no fim do prazo prorrogado das inscrições os vereadores contrários à seleção tenham se manifestado. Inúmeros candidatos estão indignados, pretendendo fazer manifestação na Câmara”.

Confirmada oficialmente a anulação, a Faibc acionará o Departamento Jurídico para reaver o investimento acadêmico. O presidente da empresa justifica a decisão apontando que a fundação deixou de promover concurso até no Ceará, por conta do compromisso contratado com a Câmara de Rio Bonito. “É a primeira vez que tal situação acontece, e não sei ainda como proceder, caso tenhamos que devolver o investimento dos candidatos”.

O concurso

A Câmara oferecia 12 vagas imediatas, mais 37 em cadastro de reserva, nas funções de advogado, analista orçamentário, agente administrativo, agente de protocolo, assistente de plenário, auxiliar administrativo, auxiliar de contabilidade, auxiliar de Departamento de Pessoal, oficial de comissões e oficial legislativo. As taxas eram de R$ 47,00 para os cargos de nível médio e de R$ 78,00 para os de nível superior.

Um dos atrativos do concurso era o salário pago às funções que exigiam o ensino médio, entre R$ 2.800 e R$ 3.846, bem próximos ao valor que receberia o advogado da Casa (R$ 4 mil) e o analista orçamentário (R$ 3,9 mil).

Deco deveria abrir uma escolinha de postura para jogadores de futebol

Flávio Azevedo

A tranquilidade exibida pelo meio-campo Deco em todas as entrevistas que concede dá impressão de que estamos ouvindo um jogador europeu. Sem as tradicionais malandragens e as condenáveis presenças na mídia por estar envolvido em escândalos ou porque está pegando alguma “Maria Chuteira” (coisas naturais aos brasileiros), o jogador, que defende as cores do Fluminense, demonstra a postura e a maturidade que gostaríamos de ver em outros craques e deveria ser estimuladas e trabalhadas, sobretudo em jogadores de base.

Ele participou do programa “Corujão do Esporte”, da TV Globo (foto) e mais uma vez deu uma aula de boas maneiras. Suas respostas são simples, não comprometedoras e o atleta nunca demonstra estar incomodado diante das câmeras e entrevistadores. O interessante é que o fato de ter dois títulos europeus de clubes, seis nacionais e ter defendido as cores de Portugal, entre outros feitos, não mexem coma a cabeça do jogador, que é um dos grandes craques do futebol mundial em atividade.

Sobre a Copa Libertadores, Deco ainda se ressente de não ter sido possível ajudar o Fluminense no momento decisivo da competição de 2012.
– Tenho acompanhado só um pouco a Libertadores, às vezes desligo a televisão. É duro assistir quando você está numa competição que sabe que era possível avançar. A sensação que fica é essa. Infelizmente tivemos algumas lesões, eu, Fred, Wellington Nem, bem no momento em que não dava. Não podíamos deixar de jogar o Carioca, que estava ali na nossa mão, o Fluminense não ganhava há seis ou sete anos o campeonato. É difícil gerir isso, acho que até para o Abel deve ser complicado. Como lidar com isso? Foi o azar de não ter tido todo mundo e não poder jogar contra o Boca Juniors em condições iguais – explicou.

Comentando a Eurocopa, competição que já disputou, ele vê a Alemanha como favorita. Afirma ter torcido pela Grécia, torce, logicamente, por Portugal, mas a Alemanha, para Deco, é um adversário difícil de ser superado. “Acho que o maior favorito é a Alemanha. Torcerei para Portugal, mas o time da Alemanha é favorito. Acho que Portugal tem uma chance grande de chegar até a final e, talvez quebrar o favoritismo da Alemanha”.

O meio campista tricolor também comentou a oportunidade de estar jogando no Brasil, já que foi para a Europa muito jovem. De acordo com Deco, ele está feliz no Fluminense e pretende encerrar a carreira no clube no final de 2013.
– O momento de parar é sempre difícil, eu sempre falo com os colegas de outras profissões, ser ex é duro pra caramba. Chega um momento que teu corpo já não permite, é difícil, mas tem que achar o momento mais bacana e mais correto para tentar fazer isso. Eu pretendo jogar pelo menos até o final de 2013, em principio pelo Fluminense, tenho contrato lá, eu gosto, me sinto feliz, também não estou na idade de querer ficar mudando muito não – comentou.

Sempre equilibrado nas suas colocações, o jogador disse que retornou ao Brasil um pouco em função da família. “É difícil estender muito a hora de parar. Essa decisão é sempre complicada. Eu falo em 2013, porque eu sinto que ainda vou jogar num nível alto até lá. Fisicamente acho que ainda vou estar bem, mas no final de carreira não dá para fazer planos muitos longos”, concluiu o jogador que possui cidadania portuguesa.

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Cultuart nasce para estimular o setor cultural de Rio Bonito

Flávio Azevedo

Atores, publicitários, jornalistas, poetas, escritores, professores, músicos, letristas, compositores, empresários (de diversos setores), intelectuais e ativistas culturais em geral fizeram parte da primeira reunião que discutiu a criação da Associação Pró Consciência Cultural de Rio Bonito (Cultuart). O movimento pretende estimular as atividades culturais do município e cobrar de maneira organizada e institucional investimentos, programação e orçamento para o setor.

A iniciativa, que já foi tentada em outras oportunidades, pretende reunir manifestações culturais diversas e nortear as ações de todos os segmentos, grupos e/ou manifestações do município. O encontro aconteceu no último dia 20/06, no salão nobre do Esporte Clube Fluminense.

Capacitação para preparação de projetos, estímulo a Cultura, ao Meio Ambiente e ao Turismo, também são objetivos pretendidos pela Cultuart, que nessa primeira reunião contou com a liderança do publicitário Bernardo Cheppi, idealizador da associação.
– A Cultuart será composta por indivíduos que se preocupam com a Cultura e o crescimento desse setor. Pessoas de vários segmentos estarão participando, alguns envolvidos no setor cultural, outros não. Porém, todos preocupados e empenhados em mudar o cenário atual, que nós conhecemos e não precisa ser comentado – ponderou Cheppi na abertura do encontro.

Com a expectativa e o desafio de associar pessoas, o grupo nasce esperançoso de conseguir alcançar novos horizontes para a Cultura de Rio Bonito e região. “Precisamos ter a capacidade de alcançar pessoas. Apesar das nossas diferenças, nós precisamos nos respeitar e lutarmos juntos por esse ideal comum”, concluiu Cheppi.

Na oportunidade, além da definição do assunto da próxima reunião (27/04/12), foi eleita a diretoria provisória da Cultuart. Ficou definido que nesse 2º encontro, o tempo de reunião – estipulado em 2h (20h ás 22h) – será discutido. Endereço da Cultuart e financiamento para as primeiras necessidades também foram pensadas e ganharão novos contornos nas próximas reuniões.

Impeachment de Fernando Lugo é lição para prefeitáveis

Flávio Azevedo

Aos candidatos a prefeito de Rio Bonito, Silva Jardim e Tanguá (onde “O Tempo em Rio Bonito” circula) o impeachment relâmpago do presidente Fernando Lugo, do Paraguai, deixa uma lição importante. Em tempos de escolha do vice – principal assunto na agenda de quase todos os prefeitáveis – lembre-se que a principal característica de um vice-prefeito é que ele não queira tomar o teu lugar.

Quanto a situação de Rio Bonito, a nossa dica é que os prefeitáveis fiquem bem ligados. Já em relação ao Paraguai, a desculpa de que Fernando Lugo foi afastado por ter dado muito apoio a partidos de esquerda e a movimentos sociais como os “Sem Terra”, nos deixa a impressão que o ‘Tio San’ está por trás desse golpe de estado.

Na década de 60, a sequência de golpes de direita financiados pelos Estados Unidos se espalhou por toda América do Sul e Central. Sinceramente, nós esperamos que esse fato lamentável no Paraguai seja um caso isolado e não o início de uma onda de golpes capitalistas de direita contra repúblicas com orientação de esquerda.

Legislativo silvajardinense dá banho de modernidade em Rio Bonito e Tanguá

Flávio Azevedo

Notícias que chegam do município de Silva Jardim mostram que a outrora “selva jardim”, apelido pejorativo dado a cidade vizinha nos meus tempos de adolescente, está ganhando força e rumando para a modernidade. Aliás, em vários setores a cidade já deixou Rio Bonito para trás. Se a Prefeitura da ‘Terra do Capivari’ tem conquistado prêmios e feito visíveis mudanças, a Câmara de Vereadores não ficou atrás.

Matéria que acabo de receber do colega Márcio Kleber, jornalista por aquelas bandas, informa que com o objetivo de criar um novo canal de comunicação com os cidadãos, o Legislativo silvajardinense já está marcando presença nas principais mídias sociais (Facebook e Twitter). Através do espaço serão compartilhadas notícias, informações sobre a tramitação de Projetos de Lei, materiais educativos, campanhas e calendário de eventos, como audiências públicas, sessões solenes e premiações.

O presidente da Casa, o vereador Flávio Brito, o Flávio de Dezinho (PPS) acredita que as redes têm muito acesso, facilitam a conexão e a interatividade entre as pessoas e se tornaram ferramentas fundamentais para a informação. “É importante ter esse canal de aproximação com as pessoas. Ele só reforça a intenção da Câmara de dar mais visibilidade às suas ações”, explicou o presidente.

Um levantamento realizado nas redes sociais das páginas dos poderes legislativos revelou que milhares de pessoas estão conectadas aos perfis de vereadores no Twitter e no Facebook. O silvajardinense Ricardo de Souza acredita que os políticos entenderam o fenômeno internet e estão aproveitando a oportunidade. “O interessante é ver a gestão pública utilizar as redes sociais não só como mecanismo de divulgação, mas de interação com o cidadão”. A também silvajardinense, Bruna Oliveira, vê com otimismo a presença da Câmara Municipal nas redes sociais. “Acho muito positiva a iniciativa. Isso mostra que a Câmara está atenta à sociedade e quer facilitar a comunicação com o cidadão”.

De acordo com o colega, os endereços oficiais da Câmara Municipal de Silva Jardim são os seguintes:
*Facebook: www.facebook.com/cmsilvajardim
*Perfil no Twitter: twitter.com/cmsilva jardim1 ou @cmsilvajardim1
*Site: www.cmsj.com.br

Enquanto isso, nas cidades de Rio Bonito e Tanguá, as Câmaras Municipais ainda estão na época do ‘sinal de fumaça’, do fogão a lenha e da TV preto e branco. As respectivas Casas não têm um canal oficial de comunicação minimamente decente, não tem proximidade alguma com o povo e muito menos com a imprensa, que para buscar informações tem que recorrer às sofríveis assessorias dos vereadores.

Em Rio Bonito, há alguns anos a Casa até ensaiou um jornal institucional, mas a ganância de uns e o coronelismo de outros não permitiu que o projeto fosse adiante. Em episódios como o fiasco do Concurso Público da Câmara de Rio Bonito, por exemplo, a mídia local não tem a quem recorrer para buscar informações. A grande mídia, por sua vez, recorre aos jornais e profissionais da cidade, por não haver, na Casa, a mídia institucional.

Fenômeno semelhante ocorre em Tanguá. Com todos os colegas contra ele, o presidente da Casa, Paulo Sérgio dos Santos Leite, o Paulo do Correio (PTB) ainda não teve habilidade suficiente para construir um setor de Comunicação Social que abastecesse a mídia com informações, que apresentasse as notícias positivas da Casa e desse o equilíbrio necessário ao noticiário político local (contrário e favorável).

Fica a dica!

terça-feira, 19 de junho de 2012

Vereadores cancelam concurso da Câmara de Rio Bonito

Flávio Azevedo

Com os votos favoráveis dos vereadores Aliézio Mendonça (PP), Márcio da Cunha Mendonça (DEM), Rita de Cássia (PP), Abner Alvernaz Júnior, o Neném (PTN) e Carlos André Barreto de Pina, o Maninho (PPS), a Câmara de Vereadores anulou o Concurso Público aberto pela Casa há cerca de dois meses. A decisão foi tomada na durante a sessão dessa terça-feira (19/06/2012). O certame está no centro de grande polêmica e suspeita de fraudes, suposição feita, inclusive por um dos parlamentares (Aliézio Mendonça).

Os vereadores Fernando Soares (PMN), Saulo Borges (PTB) e Humberto Belgues (PSDB), justificaram os seus votos contrários ao cancelamento do certame. “Desde que o Concurso foi criado eu fui contra, mas não me deram ouvidos. Poderiam suspender o certame sem cancelar o Plano de Cargos e Salários dos funcionários da Casa, porque eles nada têm haver com os nossos erros e equívocos”, ponderaram os parlamentares que formam um bloco de oposição a Mesa Diretora. O vereador Carlos Cordeiro Neto, o Caneco (PR), que também votou contra o cancelamento do Concurso, não se manifestou.

O vereador Humberto Belgues estava indignado. Apesar de a reunião ter sido interrompida para os vereadores debaterem o tema na Sala de Reuniões (longe dos olhos de quem acompanhava a reunião), o gestual dos parlamentares mostrou que o debate foi acirrado. Retomada a sessão, Humberto reclamou que havia pedido vista na última sessão (14/06) e argumentou que o prazo regimental não havia terminado.
– A verdade é que o prazo regimental termina na próxima quinta-feira. O certo é 15 dias, mas como ouve o pedido de Urgência, esse tempo caiu para 7 dias. Ou seja, quinta-feira (21/06). Entretanto, mais uma vez o Regimento Interno da Casa está sendo desrespeitado e não seria a primeira vez – lamentou o parlamentar, alegando que continua sem ter acesso a documentação do Concurso.

Após a votação, os parlamentares favoráveis ao cancelamento, justificaram a iniciativa diante de um plenário cheio de indignados funcionários da Casa. “Eu me comprometo a estar aqui, já a partir de amanhã, para repensar esse Plano de Cargos e Salários dos servidores do Legislativo”, disse o vereador Maninho, que foi acompanhado pelos edis Rita de Cássia, Marcinho e Aliézio Mendonça, que acrescentou: “alguns salários são altos e determinados servidores não merecem esse benefício”, disparou.

A vereadora Rita de Cássia, que tem apontado os erros na documentação que regulamenta a criação do certame, destacou o impacto financeiro. “Quem seria a favor do que é errado. Essa lei nasceu viciada. Ninguém aqui é contra o Plano de Cargos e Salários, mas ele precisa ser revisto, porque atualmente tem gente que ganha muito e outros que ganham muito pouco e nós temos que primar pela legalidade”, disse a vereadora destacando que faltaria dinheiro para saldar compromissos da Casa.

Indignação

Ao final da sessão, os funcionários da Câmara estavam indignados com a decisão, porque com o cancelamento do Concurso, também foi cancelado o Plano de Cargos e Salários dos servidores. “Então nós somos responsabilizados pelo erro deles (vereadores)?”, disse uma servidora. Outro funcionário comentou que será candidato nas próximas eleições para, do palanque, dizer tudo que sabe sobre “os podres de cada parlamentar”.

Um grupo de funcionárias comentou que recorrerão ao Ministério Público (MP) para denunciar “a injustiça que estão fazendo conosco”. Uma mais exaltada questiona: “se não tem dinheiro para pagar o que prevê o Plano de Cargos e Salários, por que não acabam com as assessorias? Quer dizer, para pagar salários decentes para nós não tem dinheiro, mas para pagar as assessorias tem? Isso precisa muito mudar”, esbravejou a servidora, lembrando que os servidores nos últimos tempos só estão sendo prejudicados. “Perdemos o nosso plano de saúde, gratificações, estamos abandonados a nossa própria sorte”, critica.

Concurso

A Câmara de Rio Bonito abriu concurso público para 49 vagas em cargos de nível médio e superior, no dia 4 de abril. Foram 12 vagas efetivas e 37 para cadastro de reserva. Os salários oferecidos que variavam entre R$ 2.380 a R$ 4 mil atraíram muitos candidatos. Os cargos de nível superior seriam para as vagas de advogado e analista orçamentário.

Já as vagas de nível médio eram para agente administrativo, agente de protocolo, assistente de plenário, auxiliar administrativo, auxiliar de contabilidade, auxiliar de departamento pessoal, oficial de comissões e oficial legislativo. A taxa de inscrição era de R$ 47,00 para nível médio e R$ 78,00 para nível superior.

Inicialmente, as inscrições deveriam ser feitas até o dia 10 de maio, mas por conta do baixo número de inscrições, o certame foi prorrogado até o último dia 15 de junho. A empresa organizadora é a Fundação Benjamin Constant.

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Conheça o projeto “CORzinho”

Flávio Azevedo

O projeto CORzinho é realizado pelo Curso Operação e Resgate, uma empresa dedicada ao treinamento na área de Emergência cuja Missão é ensinar a Salvar Vidas e prevenir mortes e lesões provocadas por acidentes ou desastres. Espelhado em projetos sociais e educativos bem sucedidos, o Curso Operação Resgate idealizou o CORzinho, um trabalho voluntário direcionado a orientar as crianças a SALVAR VIDAS!

Dessa maneira, os idealizadores do CORzinho acreditam e defende ser essa uma proposta importante para estimular e construir cidadania e o desenvolvimento social daqueles que serão adultos amanhã. O lema idealizado para o CORzinho foi “Ensinando crianças a Salvar Vidas, construindo um mundo melhor!”. O público alvo do projeto tem faixa etária específica, sendo necessário o participante ter entre sete e 17 anos de idade.

As metas estabelecidas para ser desenvolvidas com as crianças que participarem do CORzinho é proporcionar ensinamentos teóricos e práticos relacionados aos primeiros socorros; e oferecer atividades voltadas para o desenvolvimento integral da criança, estimulando o aprendizado e o desenvolvimento de atitudes sociais positivas (disciplina, hierarquia, respeito ao próximo, ética, cooperação mútua, amizade, cidadania, entre outras).

Além disso, o CORzinho também pretende despertar – nas crianças, pré-adolescentes e adolescentes – o reconhecimento de valores associados à família, aos estudos, ao trabalho profissional, à saúde física e mental, ao respeito ao patrimônio público, às pessoas de modo geral e às leis. A promoção e a integração de ações com instituições correlatas ao desenvolvimento e defesa dos direitos da criança também são atividades fins do projeto, que também trabalha as noções de Transito, Meio Ambiente, a importância das atividades físicas, entre outros.

Contatos com os organizadores do CORzinho e mais informações no site www.cursocor.webnode.com

Kickboxing conquista 14 medalhas no Campeonato Brasileiro

Flávio Azevedo

Os atletas da Academia de Kickboxing do Rio Bonito Atlético Clube (RBAC) escrevem nova página de vitória na história do desporto riobonitense. Talvez contagiado pelo espírito de luta dos fundadores do alvianil, a equipe conquistou14 medalhas (seis de ouro, cinco de prata e três de bronze) no 22º Campeonato Brasileiro de Kickboxing, que aconteceu entre os dias sete e 10 de junho em Piracicaba/SP. Entre os campeões está o professor Ronaldo Augusto, que comanda a Academia da modalidade no RBAC.

Os demais vitoriosos foram Wallace Farias, Márcio Dantas, Jorge Cadilho Júnior, Wanderson Souza e Rafaela Castilho. Os atletas Saulo Ribeiro (2 medalhas de prata) e Tiago Castilho e Gabriel Rosa, que conquistaram duas medalhas de bronze. Os atletas Hélida Ribeiro e Jorge Roberto Cadilho atuaram como árbitros. O vencedor Ronaldo Augusto disse que o objetivo da equipe é bater o número de medalhas conquistadas em 2011, “para isso nós treinamos muito forte e estamos sempre exigindo o máximo de cada atleta”, disse.

Já começou a ‘sacanagem’ eleitoral!

Flávio Azevedo

Todas as vezes que eu abordo a compra de votos, que falo das reuniões onde os candidatos oferecem mundos e fundos, que sou enfático ao afirmar que o povo só quer saber de benefício individual (desconhecem o coletivo), sempre surge alguém, que deve viver no convento das irmãs carmelitas, dizendo que “isso não é verdade”.

Entretanto, há algumas horas um amigo me disse que determinado grupo político passou na rua onde ele mora, fez uma reunião na casa de alguém, e, o proprietário da tal moradia, como de praxe, alegou que iria ajudar quem o ajudasse a terminar as obras da sua ‘humilde residência’. Resultado: o material de construção já chegou. E, detalhe, a rua do infeliz é uma das piores do bairro (é a lógica do corrupto e do corruptor). Nenhum dos dois vira isso!

Sinceramente, não me incomoda essa relação promíscua, porque isso é antigo e sempre existirá. O que me deixa P... Da vida são essas malas que parecem viver entre os anjos e querubins das cortes celestiais. Gente que se recusa ver a vida como ela é!

Por outro lado, vale destacar que nessa ‘troquinha’ de favores, o voto vai para quem fez o último favor. Ou seja, o cara que bancou o emboço, não verá um voto da tal família, porque daqui alguns dias, outro grupo político passa por lá e o tal chefe de família pidão vai pedir a tinta para pintar a sua ‘humilde residência’.

Dependendo da extensão da obra, o voto ainda não irá para esse grupo. Ele pode ser destinado ao candidato que ‘contribuir’ com essa verdadeira gincana do mal com o portão ou o material de construção para o término da calçada. Ainda tem os R$ 50,00 do dia da eleição, importância que confirma a simpatia do cidadão beneficiado pelo político que só será verá depois de longos quatro anos.

domingo, 17 de junho de 2012

Multimix conquista Torneio de Verão promovido pelo Rio Bonito Atlético Clube

Flávio Azevedo

Depois de empatar em 0x0 no tempo regulamentar com a equipe do Nova Geração, o Multimix se sagrou campeão do Torneio de Verão do Rio Bonito Atlético Clube (RBAC), ao vencer o adversário no pênaltis. Destaque para as duas cobranças defendidas pelo goleiro Vinicius Pacheco que mais uma vez desequilibrou e foi decisivo para que a sua equipe levantasse o troféu Edgar Rogério Alves de Carvalho (Dóia). A partida aconteceu na tarde desse domingo (17/06/2012), no Estádio José Alves Ventura, no RBAC.

Durante os 90 minutos o jogo foi amarrado e as duas defesas se sobressaíram diante dos ataques. Apesar de ser dono da melhor campanha do torneio, o Nova Geração não conseguiu furar o bloqueio do Multimix, que em alguns momentos, aproveitando que o adversário se lançava ao ataque, quase marcou. Aos 20min do 2º tempo, Vaguinho, impedido, chegou abrir o marcador para o Multimix, mas o auxiliar Adalto Jesus viu a irregularidade e anulou o lance.

Quando o Nova Geração reunia as últimas forças para buscar o gol da vitória, Rogério fez uma falta infantil em Douglas e foi bem expulso. Eram decorridos 29min do 2º Tempo, quando o atleta recebeu o cartão vermelho do árbitro Márcio Alexandre Mulim. A partir daí o jogo ficou ainda mais truncado, com muitas jogadas ríspidas, até que a partida foi encerrada.

Com o empate no tempo regulamentar, o título foi decido através dos tiros livres diretos ao gol, onde brilhou a estrela do goleiro Vinícius Pacheco. Também prevaleceu a maior categoria dos cobradores do Multimix, que converteram todas as cobranças, ao contrário do Nova Geração que perdeu duas penalidades.

Premiação e homenagem

Na entrega da premiação, compareceu a solenidade D. Abigail Carvalho, mãe do homenageado Edgar Rogério Alves de Carvalho, o Dóia, desportista que brilhou no futebol de Rio Bonito e deu nome ao troféu que foi dado ao campeão Multimix. Dóia faleceu precocemente, vítima de um câncer, no último dia 10 de janeiro. Também esteve presente a viúva do homenageado, Ana Lúcia.

Em rápidas e emocionadas palavras, D. Abigail agradeceu o carinho de todos, se disse satisfeita com a homenagem ao filho e destacou que “o Rio Bonito Atlético Clube era uma das casas de Dóia. Aqui ele sempre foi bem recebido e ele tinha prazer de estar aqui”, comentou.

Balanço da conquista

Sobre a conquista, o treinador e dirigente, Sidnei Coutinho, ainda sem saber o que falar sobre o título, disse que a equipe foi formada por três amigos, destacou que é a primeira competição disputada pelo grupo e prometeu que, “a partir de agora, o Multimix vai estar sempre participando das competições realizadas em Rio Bonito”.
– Com um grupo recém formado, nós fomos chegando de vagar, meio aos trancos e barrancos, mas chegamos. Éramos considerados azarões, por conta dessa falta de experiência, mas acabamos sendo campeões – ponderou Coutinho.

O organizador do Torneiro de Verão do Rio Bonito Atlético Clube, Bruno Farias, que contou com a parceria da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer, comentou que estava satisfeito em ter concluído mais uma competição, enalteceu o comportamento do torcedor e dos atletas, frisou o clima de tranquilidade durante toda partida e repetindo um velho ditado do meio futebolístico, declarou que “todo time começa com um grande goleiro”, em referência a atuação impecável do goleiro Vinícius Pacheco, que na partida semifinal já havia feito uma apresentação impecável.

Artistas do espetáculo

O Multimix formou com Vinícius Pacheco, Pablo, Derlan, Luciano e Emerson; Pupu, Marcelo, Douglas e Ziel; Rafael e Robinho. No banco de reservas o treinador Sidnei Coutinho contava com Carlos Henrique, Alex Moraes, Alan, Edson, Rodrigo, Leandro e Paulo Vitor.

O Nova Geração jogou e perdeu com Vitor, Alex I, Vinícius, Wellington e Alex II; Vaguinho, Dé, Betão e Júnior; Duzinho e Rui. No banco de reservas a equipe contava com Rogério, Clebinho, Leite, Gilberto, José Renato, Romário e Rafael. O Treinador é Carlinhos, que teve como auxiliar Rangel.

A arbitragem foi de Márcio Alexandre Mulim, que atuou auxiliado por Jair Prestes de Muros e Adalto Jesus.

Premiados

A equipe do Nova Geração dominou a premiação entregue aos melhores da competição. O troféu de melhor goleiro foi para Vitor (menos vazado), o artilheiro da competição foi Dé (7 gols/foto) e o destaque foi o jogador Duzinho, que fez belas apresentações com a camisa do Nova Geração.

Preliminar

Antes da partida decisiva entre Multimix e Nova Geralção, o torcedor acompanhou o jogo amistoso, categoria Sub-20, entre Multimix e Ollé Sport. Com gols de Toró, o Multimix venceu por 2x0. O Multimix entrou em campo com Renato, Werlei, Pedro (Marlon), Moscão e Willian (Xano); Alan (João Vitor), Toró, Chapoca e Mágno; Rondson (Marcelo) e Luiz Carlos (Dúia). O treinador é Alexandre.

Já o Ollé Sport jogou e perdeu com Marlon, Jonata, Douglas, Fabiano e Feijão; Dedé, Juninho, Wellington e Bolão; Jefinho, (Namá) e Heverton. A equipe é dirigida por Adenil. A arbitragem foi de Adalto Jesus.

A 'síndrome' de Gabriela

Flávio Azevedo

A novela “Gabriela” é um dos grandes sucessos da TV brasileira. Foi ao ar em 1975 e nunca foi esquecida. A atriz Sônia Braga, que deu vida a Gabriela, essa nunca foi esquecida. Para reviver esse grande sucesso de Jorge Amado, a partir dessa segunda-feira (18/06/2012), a TV Globo faz um remake da novela. Dessa vez, porém, quem empresta a sua sensualidade a musa baiana é a atriz Juliana Paes.

Para quem não conhece a história, vale destacar que a trama é ambientada na Bahia dos anos 20, tempo em que os coronéis tinham ainda mais força que hoje. O curioso é que exatamente como acontece em nossa região, que está sendo sacudida pelo fenômeno Comperj, o cotidiano das pessoas está mudando com a chegada de novos moradores e conceitos. Na "fictícia" Ilhéus, assim como na "real" região do Comperj, o embate entre o tradicional e o moderno divide as pessoas.

Esse cenário faz com que o tema "Política" seja um dos assuntos mais abordados da história. O curioso é que embora os expectadores, em sua maioria, estejam interessados na sensualidade de Gabriela e nas sacanagens que rolam no Bataclan (uma casa dedicada ao meretrício), as nuances políticas serão pensadas, sobretudo por serem bem atuais.

As lições são muitas, sobretudo se estivermos falando de cidades interioranas. O refrão da trilha sonora já dá a primeira lição. Aliás, eu diria que ele parece ter sido feito para nós: “EU NASCI ASSIM, EU CRESCI ASSIM, EU SOU MESMO ASSIM, VOU SER SEMPRE ASSIM, VOU MORRER ASSIM”. Ou você nunca encontrou ninguém ASSIM?

Comumente, as “Gabrielas” atuais são formadores de opinião, mas que usam a influência que têm para resistir a modernidade e induzir seguidores ao erro. Estamos falando de pessoas que defendem os seus ilícitos com argumentos simples, às vezes, até razoáveis. Alguns exemplos:

“Bobagem, qual o problema que tem eu construir a minha casa aqui. Qual o problema poluir essa nascente? A terra é minha! Eu comprei!”;

“Qual o problema de estacionar em fila dupla? Rio Bonito é pequeno, todo mundo se conhece, deixa de ser cricri”;

“Acho melhor você deixar isso quieto. O cara no fundo é gente boa. Se você publicar isso a família riobonitense vai ficar envergonhada”;

“Caso você seja vitorioso (a) nas próximas eleições, não faça nenhuma revolução... Deixa do jeito que está e eu te ajudo”;

“Pobre é uma desgraça! Vende o voto por qualquer gole de cachaça! Isso tem que acabar! Mas se eu fechar com você qual o cargo que você vai arrumar pra minha mulher e minha filha? Elas estão precisando muito, sabe?”;

“Ninguém aguenta mais essas mesmas pessoas no poder! Tem que mudar. Só tem safado! Mas a minha mulher (contratada) e o meu caminhãozinho (agregado) tem que continuar”.


Concluindo, eu não acrescentarei nenhum outro comentário, apenas vou repetir o duro e verdadeiro refrão: “EU NASCI ASSIM, EU CRESCI ASSIM, EU SOU MESMO ASSIM, VOU SER SEMPRE ASSIM, VOU MORRER ASSIM”...

sábado, 16 de junho de 2012

Rio Bonito Atlético Clube nas quartas de final da Copa Unimed

Flávio Azevedo

Pelo segundo ano consecutivo, a equipe Sub-11 do Rio Bonito Atlético Clube (RBAC), está classificada para as quartas de final da Copa Unimed, a Taça Cidade de Rio Bonito, que está na sua 8ª edição. A vitória de 1x0 sobre a Associação Desportiva de Itaboraí (ADI) deu ao clube a 2ª colocação do Grupo C. O jogo aconteceu na manhã desse sábado (16/06), no Estádio José Alves Ventura, no RBAC.

Além da partida entre RBAC x ADI, outras duas partidas foram realizadas: Fluminense 14x0 no Cabofriense e Nova Iguaçu 2x1Boa Vista. O terceiro jogo, que seria entre Botafogo x Ceres, não aconteceu. O Ceres não compareceu e foi punido com WO, que significa um placar de 3x0 para o Glorioso.

No próximo sábado (23/06), acontece as quartas de final da competição e os confrontos já estão decididos. RBAC x Flamengo (9h30min); Botafogo x Portuguesa (10h30min), Fluminense x Artsul (11h30min) e Vasco x Nova Iguaçu (12h30min). O torcedor deve lotar o Estádio José Alves Ventura para assistir a partida da equipe da casa com o “Mais Querido do Brasil”.

Boas lembranças

Para quem não lembra, em 2011, precisando da vitória, o favorito Flamengo enfrentou o RBAC na última rodada da primeira fase (04/06/2011) e foi surpreendido. A equipe da casa, treinada pelo técnico Igor Manhãs, venceu, com autoridade, pelo placar de 3x1. O resultado acabou eliminando o clube carioca da competição. Na fase seguinte, o RBAC não conseguiu reeditar a boa atuação e foi eliminada pelo Nova Iguaçu (3x0).

Diante desse cenário de revanche, a partida deste sábado (23/06) promete ser o tira-teima entre o rubro-negro carioca e o alvianil riobonitense. A equipe do RBAC prega a humildade, acredita que estar entre as classificadas já é uma conquista, mas olhando o resultado positivo de 2011, contra esse mesmo Flamengo, atletas e comissão técnica sonham repetir a façanha de eliminar o rubro-negro mais uma vez.

sexta-feira, 15 de junho de 2012

A síndrome do Chapolin Colorado

Flávio Azevedo

A falta de mobilização da sociedade é irritante. Contudo, ao mesmo tempo ela é compreensiva. Não é a toa que em 1970, o brilhante Roberto Bolaños criou e encarnou o CHAPOLIN, um herói gente boa, mas super atrapalhado, que surgia quando alguém com algum problema dizia: “Oh! E agora quem poderá me defender!”.

Se formos estudar o contexto histórico dos nossos ancestrais, o colonialismo português em duas fases (Brasil Colônia e Império) e a “República Café Com Leite (o comando era dos barões do café e proprietários terra)”, nós entenderemos a frouxidão de hoje, onde poucos lutam por seus direitos.

Se quase todos se omitem, os poucos que gritam geralmente soltam a voz para dizer: “Oh! E agora quem poderá me defender!”.

Em entrevista a vários sites e programas de Rádio e TV, Roberto Bolaños, afirma que o Chapolin foi criado em forma de protesto contra os super-heróis enlatados norte-americanos e também para mostrar a força acovardada da América Latina.

O polêmico Concurso da Câmara de Vereadores de Rio Bonito caminha para anulação

Flávio Azevedo

Desentendimentos, polêmica, trocas de acusações e muita indefinição, tudo isso foi observado por quem acompanhou a sessão dessa quinta-feira (14/06), na Câmara de Vereadores de Rio Bonito, quando os parlamentares voltaram a falar do Concurso Público aberto pela casa no último mês. A possibilidade de anulação do certame não foi discartada e o clima de hostilidade entre alguns pares deixa claro que além dos supostos equívocos e irregularidades, outras coisas tramitam nos bastidores da Casa.

Se na última terça-feira (12/06), a vereadora Rita de Cássia (PP) disse que a Mesa Diretora poderia anular o concurso através de um ato, nessa quinta-feira ela ponderou e afirmou que precisa do plenário para a anulação do certame. “Reconheço que me equivoquei, porque como o procedimento foi criado com o voto do plenário, para ser anulado precisa do plenário”, disse a parlamentar invocando o princípio do paralelismo (a extinção de um ato administrativo deve ser feito da mesma forma do ato originário).

Ainda segundo a vereadora, o concurso foi criado através de uma lei complementar. Entretanto, segundo ela, a lei que originaria a complementar não existe. Diante desse impasse ela questiona: “se a Lei principal não existe, a complementar complementa o que?”. Segundo Rita, que apresentou a proposta de anulação do concurso na reunião dessa quinta-feira, esse é apenas um dos vícios que ela teria encontrado no processo.

As trocas de farpas entre os vereadores Carlos André Barreto de Pina, o Maninho (PPS) e o vereador Humberto Belgues (PSDB) também foram presenciadas e o diálogo merece anteção, porque pode nortear o que está acontecendo nos bastidores da Câmara quando o assunto é concurso. Depois de lembrar que era contra a realização do Concursom, desde o seu início, Humberto disse que ainda não teve acesso aos documentos que embasaram a criação do certame.

Diante da declaração do parlamentar tucano, Maninho questinou o silêncio do colega sobre o assunto. “O senhor estava criticando, fazendo requerimentos, se manifestou através da mídia, mas de repente ficou quieto. O que aconteceu?”. Humberto respondeu que não adiantaria ficar falando sozinho sobre o assunto e destacou que todas as suas declarações são classificadas como contrárias a Mesa Diretora, por conta da disputa que ele (Humberto) e o presidente da Casa travaram em 2010, pela presidência da Câmara.
– O senhor está querendo mandar no meu mandato? O que adiantaria eu ficar aqui falando sozinho? Pedi os documentos, mas não me deram. Vocês tinham certeza que estava tudo certo. Tudo que eu falo aqui é porque eu sou contra o presidente. Eu é que acho estranho os senhores, do nada, diziam que estava tudo bem, repentinamente se mostrarem insatisfeitos com o Concurso – disparou Humberto.

Os vereadores Aliézio Mendonça e Fernando Soares, também alegaram não ter tido acesso aos documentos que originaram a realização do Concurso e pediram que o presidente da Casa mandasse os tais documentos para apreciação deles. “Não é uma questão de atrapalhar os trabalhos. É um direito meu como vereador. Eu quero ler, só isso!”, comentou Aliézio.

O vereador Humberto pediu Vista (que foi aprovada), mas como também foi votado um pedido de Urgência da vereadora Rita de Cássia (que também foi aprovado), o assunto pode ter o seu desfecho na reunião da próxima terça-feira (19/06).

Demonstrando muito indignação com o processo, a vereadora Rita de Cássia disse que não está interessada nos supostos “cambalachos e “falcatruas” que estão dizendo existir, mas na lisura do processo, que caso pare na Justiça será cobrado da Mesa Diretora da Casa, da qual ela faz parte.
– Eu não estou dizendo que tem cambalacho. O que estou afirmando é que os vícios são muitos. Não existe Lei que cria esse Concurso. Tive acesso a lei complementar, mas ela não cria o concurso, o que existe ali é a criação do Plano de Cargos e Salários da Casa. Não me interessa se tem falcatrua, o que interessa é que o certame legalmente não foi criado. Não estou acusando ninguém, o que estou dizendo é que os erros são gritantes e nós conversamos essa questão com o presidente – afirmou a vereadora.

A parlamentar também comentou que em caso de problemas futuros com a Justiça, a Mesa Diretora é quem responde. Por isso eu afirmo: “legalmente esse concurso não foi criado. Pelo amor de Deus gente, vamos fazer o negócio direito! Essa Casa já está chaqualhada diante da opinião pública”, disparou Rita.

O presidente da Câmara, o vereador Marcus Botelho (PR) comentou que trabalha a favor da democracia, reconhece o direito dos pares externar as suas insatisfações, mas disse ser um “absurdo a anulação do Concurso de qualquer maneira”. Ele comentou que “caso realmente esses problemas sejam confirmados, anula-se o Concurso, mas votar isso hoje é inviável. Eu preciso ter em mãos, os elementos que comprovem os erros. Mas isso tem que ser feito com cuidado”.

Opinião

Quando o assunto concurso começou a ser ventilado, o vereador Humberto Belgues denunciou irregularidades, mas não encontrou eco nos seus pares, que estranhamente, agora, estão gritando! Parece que tudo caminha para acontecer de acordo com a previsão do vereador Saulo Borges (PTB), que também é contrário a realização do Concurso.
– Mais uma vez a Câmara vai cair no ridículo e os vereadores ficarão desmoralizados diante da opinião pública. Sendo assim, presidente, por favor... Pense bem nisso e não envolva a Câmara nessa questão. Não deixe isso repercutir para o próximo ano. Verifique isso com calma. Se tiver que anular o concurso, faça através de um ato administrativo, porque não ficará bem o plenário anular um ato de vossa excelência”, ponderou Saulo Borges!

É esperar para ver a reunião da próxima terça-feira (19/06), mas até lá, como diz o filósofo, muita água passa por debaixo da ponte!

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Mais um cenário da Saúde em Rio Bonito e no Brasil

Flávio Azevedo

Ingressamos na Saúde, como técnico de enfermagem, em 1994. Trabalhamos no Hospital Colônia, Clínica Ego, Hospital Darcy Vargas e na rede pública municipal. Saí da área em 2009. Lá se vão quase 20 anos e as queixas são as mesmas, embora a oferta de equipamentos e serviços tenham sido ampliadas e melhoradas. Embora exista essa boa notícia, muitos serviços continuam não funcionando direito. Mas por quê?

Bem, é comum, sobretudo nesse tempo (ano eleitoral), as pessoas ficarem mais dispostas a reclamar. Todavia, em vários momentos essas reclamações não são de cunho cidadão, mas de cunho político-partidário (existem exceções). Dizemos isso, porque passadas as eleições, as reclamações diminuem 90%, mas os problemas continuam. Mas por que param de reclamar? Não é algo para se pensar?

As redes sociais têm dado uma contribuição importante, mas apenas expõe os problemas. Nós temos alguns instrumentos importantes, mas eles não são incomodados pelo usuário, por exemplo, o Conselho Municipal de Saúde. Esse órgão deveria ser mais visitado, porque teoricamente, ele é o responsável por aprovar o que foi realizado e por sinalizar o que precisa ser feito. Mas e aí?

Todos os benefícios sociais que nós temos na atualidade começaram depois de muita luta e embates com setores conservadores (aqueles que não concordam com as almejadas mudanças), mas tudo acaba acontecendo. Reclamamos muito da Saúde, mas temos pouca noção do financiamento disso. Não é barato, mudar conceitos e paradigmas não é fácil, mas com organização e mobilização é possível.

Fica, porém, a grande pergunta: estamos dispostos a nos organizar, perder um pouco do nosso tempo, colocar a cara na reta e granjear algumas inimizades, para vermos a Saúde do nosso município caminhar de maneira mais justa e eficaz? Essa é a questão. Diante desse posicionamento, por exemplo, muitos classificam este jornalista como protetor da Secretaria de Saúde. Mas não é essa a questão.

O que acontece é que não se pode entrar numa briga sem conhecimento de causa. Não podemos cobrar ações aqui e acolá, sem termos noção da mecânica do serviço e do seu financiamento. Não se pode pedir mudança sem mudarmos os nossos hábitos, afinal, se temos direitos, também temos deveres.

Concluindo, podemos afirmar que apenas 1% da população sabe que a Saúde é dividida em três partes. Tudo que é de baixa complexidade é de responsabilidade do município; tudo que é de média complexidade fica a cargo do estado; e a alta complexidade tem como responsável o governo federal. É uma pena que os políticos não usam os seus espaços para mostrar essa lógica e para orientar a população sobre essa dinâmica. Pelo contrário, o que vemos é a exploração da ignorância do povo, que é obrigado a ouvir engodos, sofismas, ideias mirabolantes e planos de governo que é pura conversa fiada.

Ter noção dessa lógica já nos gabarita a ir ao Conselho Municipal de Saúde para exigir mudanças e investimentos, mas quando faremos isso? Vamos ficar esperando quem e o que? Que façam em nosso lugar? Esse é o problema... Ninguém toma a iniciativa. A verdade é que sempre estamos a espera de um Messias, de um Salvador da Pátria ou de um Chapolin Colorado, que possa nos defender.

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Programa “O TEMPO EM RIO BONITO” recebe Pré-candidato Vencerlau Machado

Flávio Azevedo

Com o objetivo de receber os pré-candidatos à Prefeitura de Rio Bonito, o programa “O TEMPO EM RIO BONITO” recebeu no último dia 03 de junho, o militar reformado Vencerlau Vieria Machado (PC do B). O objetivo foi ouvir as suas ideias e projetos para a cidade. A entrevista começou abordando o tema qualificação profissional e geração de renda. Para Machado, as pessoas estão falando muito do Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro (Comperj) e esquecendo o Agronegócio.
– Precisamos investir no que alimenta o ser humano. A uva que consumimos hoje, por incrível que pareça, vem do Nordeste. Isso é possível porque foi feito investimento no homem do campo. Para quem não sabe, 90% dos nossos produtores rurais não tem condições de se manter – comentou Machado.

Ainda sobre esse tema, ele afirma que os governantes precisam investir nas cinco profissões do futuro: Medicina, Desenho Gráfico, Petróleo, Agronegócio e Direito Ambiental. Essa iniciativa já deveria ser tomada há muitos anos, por isso eu não dirijo as minhas críticas para hoje, mas ao governantes que estiveram a frente de Rio Bonito nos últimos 50 anos.

Sobre Turismo, o pré-candidato acredita que a reposta para esse tema passa pela qualificação profissional e acredita ser importante estimular setores como Agricultura e Avicultura. “O Turismo fortalece a Economia. Nós precisamos de estádio, teleferico, hoteis, pousadas, mas é importante dar estrutura para isso tudo funcionar. O nosso município não cresce. Em 1984 tinhamos 40 mil habitantes... Em 2012, apenas 53 mil. Isso mostra que o desenvolvimento está distante de nós”. Machado é mais um que aponta a importância da posição geográfica da cidade e afirma que “isso não está sendo aproveitado”.
– Quantos empresarios vieram para Rio Bonito e investiram na cidade nos últimos anos? Dois ou três. No Carnaval, por exemplo, todos saem da cidade. Mas para mudar essa realidade precisamos nos unir por Rio Bonito. Um projeto que tramitou no Ministério dos Esportes, por exemplo, não foi consumado porque, preocupados com política, Rio Bonito Atlético Clube e Esporte Clube Fluminense não assinaram um documento que era exigido pelo Ministério – lamentou.

Segundo Machado, não se deve priorizar uma pasta, porque todos os setores são importantes. Ele, porém, aponta a necessidade de “se organizar a casa”. O pré-candidato lamenta as seguidas perdas de recursos federais, as constantes pendências do município no Cadastro Único de Convênios (Cauc), criticou as constantes faltas de pagamento de água, luz, telefone, disse que o Plano de Cargos Carreira e Remuneração (PCCR) deveria ser encarado com seriedade e afirmou que a insatisfação do servidor é uma realidade.

Ainda de acordo com o pré-candidato, o Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Rio Bonito (Imprevirb) precisa receber mais atenção do município. Ele também garantiu que caso seja confirmado como candidato e eleito nas eleições de 7 de outubro, a famosa Lei 1199, que regulamenta incorporações no salário dos servidores, será revista “porque ela é inconstitucional e ainda vai quebrar o município”.
– Muitas vezes, quando eu dirigia a Guarda Municipal, eu recebia funcionários que iam para o meu setor como castigo. Depois de algum tempo, por conta do meu tratamento humano com os guardas, muita gente queria ir trabalhar comigo. Durante a minha passagem pela GM nós não tinhamos férias pendentes, porque eu respeito direito do trabalhador – ponderou Machado, acrescentando que o município precisa de um secretario de Planejamento que pense integralmente na Prefeitura.

Sobre Agricultura, Indústria, Comércio e Turismo, o pré-candidato compara o setor ao ânus, órgão que, segundo ele, é importantíssimo, porém, fica esquecido. “O mesmo acontece com essas pastas da Prefeitura, ficam esquecida, mas por não funcionar adoecem o corpo todo”. Para Machado, o próximo governante precisa investir em pessoas e dar acesso as localidades interioranas. “O hotel Pedras Negras, por exemplo, perdeu um grande contrato com a Petrobras, que certamente geraria emprego e renda, por conta desse problema.
– Tinhamos uma negociação com a Marinha, que estava interessada na área do Parque Aquático. Caso as negocações fossem concretizadas 5 mil novas famílias viriam morar em Rio Bonito. Mas como não aconteceu, nós perdemos a oportunidade de gerar emprego e renda, afinal estamos falando de pessoas que têm bom poder aquisitivo, o que contribuiria para aquecer o comércio local – analisa.

As experiências adquiridas na Marinha e na GM, segundo Machado, deram a ele, experiência para falar com propriedade sobre Segurança Pública. “Quando a GM estava sob o meu comando, eu tinha um setor de projetos e vários deles foram aprovados pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) do Ministério da Justiça. Um desses projetos era trazer um helicóptero para remoção de pacientes vítimas de acidentes nas rodovias que cortam Rio Bonito, mas a Câmara de Vereadores, à época, não aprovou e perdemos o benefício. Um vereador chegou a me pedir 300 camisas para aprovar alguns desses projetos”, denunciou Machado.

Sobre os impostos municipais e a forma como vai lidar com essa questão, Machado afirmou que existe uma lei que permite a Prefeitura negociar dívidas como IPTU, por exemplo, com os bancos. “A instituição bancária compra a dívida e corre atrás do recebimento, mas como existe interesse em atender os ‘amigos’, iniciativas como essa acabam sendo deixadas de lado”, alfineta.

Sobre a valorização do servidor o pré-candidato garante valorização é o segredo do sucesso do governante. “Hoje, a pessoa entra como varredor de rua e a chance dele morrer nessa função é grande. Outra questão que precisa ser revista é o fato do Estatuto do Servidor favorecer o funcionário relapso. Se o sujeito faltar 29 dias, mas no 30º dia se apresentar, nada acontece com ele. Isso precisa mudar”, afirma.

Uma equipe de projetos, segundo Machado, já está elaborando um PCCR, um Estatuto do Servidor e pensando a criação do cargo de Agentes de Trânsito. “Precisamos sinalizar a cidade. Perdemos a verba para a sinalização vertical e horizontal que havia sido anunciada, porque a empreiteira que executaria a obra não era do agrado do prefeito. Outra iniciativa minha caso eu seja vitorioso nas eleições é exigir que empresas como a CEDAE, por exemplo, cumpram as suas obrigações na prestação do serviço que vendem”, promete.

Novamente falando sobre segurança, o pré-candidato disse que “as relações entre os poderes precisam acontecer”. Segundo Machado, o coronel Ribeiro (ex-comandante do 35º BPM) assumiu o comando, foi transferido, mas não conseguiu almoçar com o prefeito José Luiz Antunes. “Isso é muito problemático, porque as relações precisam ser estreitadas. Quando eu estava no comanda da GM, em época de eventos maiores, o coronel e o delegado ficavam hospedados na minha casa”.

Para Machado, a Segurança é um direito de todos e ela deve ser estendida aos bairros do interior. “Na minha gestão diante da GM, como tinhamos boa relação com a Polícia Militar, foi criado o Patrulhamento Motorizado Especial (Pamesp), que cuidava da ronda escolar”. Questionado sobre a ideia da Prefeitura contratar policiais militares de folga para aumentar o volume de políciais nas ruas da cidade, o pré-candidato afirma ser contrário. “Assumi a GM com 12 homens e cheguei a ter 72 guardas sob meu comando. Se tenho dinheiro para contratar PMs, porque não valorizar os GMs”, conclui Machado.

Plano Municipal de Habitação de Rio Bonito está pronto

Flávio Azevedo

O Plano Municipal de Habitação (PMH) de Rio Bonito está pronto. O documento, que certamente figura entre os mais importantes produzidos por aqui nos últimos anos, pode solucionar um antigo desequilíbrio da sociedade riobonitense: a falta de moradias. A apresentação do PMH aconteceu no salão nobre do Esporte Clube Fluminense, na tarde do último dia 5 de junho, durante a 3ª Audiência Pública de Habitação de Rio Bonito. A iniciativa é da Secretaria Municipal de Trabalho, Habitação e Bem-Estar Social.

De acordo com o documento, preparado com ajuda técnica especializada e de servidores do município, Rio Bonito precisa de 2.414 moradias. As localidades mais necessitadas são Boqueirão (160), Bosque Clube (98), Flor dos Cambucás/Rato Molhado (98), Conjunto Monteiro Lobato/BNH (60), Rio Vermelho (55), Praça Cruzeiro (52), Bairro das Olarias (46), Mangueira/Rio do Ouro (18), Bela Vista (17), entre outras.

Um dos problemas apresentados pelos técnicos que elaboraram o PMH é o desenho geográfico e topográfico de Rio Bonito, “que como todo o Estado do Rio de Janeiro é muito complexo”, disse um dos técnicos. Ele acrescenta que PMH também mapeou lugares onde o município poderá construir casas populares (Queijeira/Praça Cruzeiro, Ipê, Nova Cidade e Parque da Luz).
– Tudo que nós pensamos e planejamos foi norteado nas orientações do Ministério das Cidades, que só aprova o PMH se ele seguir rigorosas exigências. Nós também tivemos o cuidado de encontrar áreas próximas as localidades e trechos que deverão ser desocupados, para que a mudança seja menos traumática para as pessoas – emendou outro técnico que participou da elaboração do PMH.

Ainda segundo os integrantes da comissão que preparou o PMH, as metas apresentadas no PMH devem ser alcançadas de 2014 a 2023, tempo em que as 2.414 moradias deverão ser erguidas. A prioridade para se receber as casas populares será para os moradores que estejam em riscos mais eminentes. De acordo com Deise Said de Barros, responsável pelo setor de projetos da Prefeitura de Rio Bonito, que coordenou a comissão que criou o plano, “com as 90 casas construídas no Parque Andréa e os 30 apartamentos erguidos no Green Park, o município já cumpre a primeira meta prevista pelo PMH”.

Questionado sobre quando essas Casas Populares serão entregues, o prefeito José Luiz Antunes, presente ao evento, comentou que tudo está concluído, faltando apenas o abastecimento de água. “No Parque André, a Companhia Estadual de Água e Esgoto (CEDAE) já se comprometeu de fazer as obras necessárias para o abastecimento das casas para que elas possam ser entregues. Já no Green Parque, estamos licitando a construção de uma cisterna que vai funcionar com reservatório de água para os moradores dos apartamentos”, concluiu o prefeito.

Concurso da Câmara de Rio Bonito pode ser anulado

Flávio Azevedo

De acordo com o que foi dito pelos parlamentares, na reunião da Câmara de Vereadores dessa terça-feira (12/06), o Concurso Público aberto pela Casa, VAI MELAR. Segundo a vereadora Rita de Cássia (PP), e o vereador Carlos André Barreto de Pina, o Maninho (PPS), vários procedimentos necessários para que o certame fosse considerado correto não ocorreram e isso torna o processo irregular.

Os parlamentares comentaram que os membros da Mesa Diretora não foram consultados e eles também não assinaram documentos necessários para a criação do Concurso, o que segundo a vereadora Rita, invalida o procedimento.
– Nós aprovamos a criação do Plano de Cargos e Salário da Casa, não a criação do Concurso, que caso ocorra, inclusive, com esses salários que estão sendo anunciados, certamente vai quebrar o orçamento da Câmara – disse a vereadora.

O vereador Aliézio Mendonça (PP) através de uma das suas já conhecidas ‘metáforas’, afirmou que está sentindo cheiro de fumaça no ar, se referindo a uma suposta troca de favores entre as Câmaras de Vereadores de Rio Bonito, Silva Jardim e Itaboraí, que também estariam realizando Concursos através da mesma empresa. “Ainda bem que a minha filha fez os concursos dos outros municípios e não passou. Esse aqui de Rio Bonito, eu proibi que ela fizesse”, disparou o parlamentar.

O parlamentar comentou que está exercendo o seu quinto mandato, relatou que teve experiências boas e ruins na vida pública, lembrou que os seus pares do primeiro mandato eram muito bons, “mas atualmente me envergonha ser vereador”, alfinetou Alézio. Ele acrescentou que “os que dizem ser necessário provar certas coisas que são ditas, eu respondo que eu estou fazendo uma denúncia e provar não é responsabilidade minha, mas dos órgãos competentes que precisam averiguar, apurar e tomar as medidas cabíveis”.

Na reunião de amanhã (14/06), cenas dos próximos capítulos dessa novela que desde o seu início deu a impressão de ser um filme de horror. O presidente da Câmara, o vereador Marcus Botelho (PR) não pode ser ouvido sobre o assunto por ter saído mais cedo da reunião.

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Projeto “Lona na Lua” se firma no cenário cultural do Estado e do país

Flávio Azevedo

Os atores Victor Hugo (E) e Manuela de Lellis receberam o prêmio de melhor ator e atriz do Festival de Teatro de Teófilo Otoni/MG (Festto 2012). Os atores fazem parte do projeto “Lona na Lua” que participou do festival com o espetáculo “Quem Casa Quer Casa”. O grupo riobonitense foi classificado entre as melhores companhias que estiveram esse ano no Festto 2012, evento cultural de estímulo as artes cênicas conhecido em todo território nacional.

O festival, que é promovido pelo Sesc Minas, começou no dia sete de junho (quinta-feira). De acordo com a assessoria de comunicação do Sesc, 12 grupos de teatro participaram do festival que terminou no último domingo (10/06). Além das apresentações foram realizadas oficinas e debates entre atores, diretores dos grupos que participaram do Festto 2012.

Durante os quatro dias de festival, o Sesc de Teófilo Otoni foi palco para 12 grupos teatrais de todo país:
* “Trupe da Alegria (Timóteo);
* “Grupo Teatro Delivery” (São Paulo);
* “Murion Cia de Teatro” (Padre Paraíso);
* “Diversas Faces” (Teófilo Otoni);
* “Ìcaros do Vale Cia de Teatro” (Araçuaí);
* “Cia de Artes Atrás do Palco” (Governador Valadares);
* “Cia Teatral Dona Maria do Fulô” (Itabirito);
* “Lona na Lua” (Rio de Janeiro);
* “Grupo Humus de Teatro” (Brasília-DF);
* “Cia Távola de Teatro” (Lauro de Freitas –BA);
* “Grupo Vila Teatro” (Timóteo);
* “Caras de Palco” (Teófilo Otoni).

Foram avaliadas e premiadas 19 categorias: melhor figurino; melhor trilha sonora; melhor texto; melhor espetáculo do festival; melhor maquiagem; melhor espetáculo (palco e rua); melhor direção (palco e rua); melhor ator e atriz (palco e rua) e melhor ator e atriz coadjuvante (palco e rua). O grupo que recebeu o maior número de premiações ganhou R$ 2mil (em dinheiro).

Outras premiações

Em duas semanas essa é a terceira premiação conquistada pelo Projeto “Lona na Lua”, núcleo cultural que segundo o Rio Sociocultural (evento apoiado pela Secretaria Estadual de Cultura), está entre as 10 melhores iniciativas do estado. Entre os dias 1º e 3 de junho, a trupe riobonitense também participou do Festival Nacional de Teatro de Congonhas/MG (PROFESTeatro), concorrendo com 16 grupos de todo o país que levaram ao palco espetáculos de comédia, drama, infantil, alternativas e teatro de rua.

Também com o espetáculo “Quem Casa Quer Casa”, a trupe conquistou os prêmios de melhor ator (Victor Hugo), Melhor ator Coadjuvante (Lucas Madureira) e Segundo melhor Espetáculo. Receberam indicações Manuela de Lellis (Melhor Atriz), Zeca Novais (Melhor Direção) e Melhor Trilha Sonora.

O PROFESTeatro é realizado pelo Centro Cultural Chaplin, de Congonhas. Segundo os organizadores, 57 peças se inscreveram e 16 espetáculos foram selecionados para a mostra. O festival contou com a participação de grupos da Bahia, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Piauí, Distrito Federal, Espírito Santo e Mato Grosso do Sul.

Prêmio Rio Sociocultural

O Projeto “Lona na Lua” ficou entre os 10 finalistas da 3ª edição do Prêmio Rio Sociocultural (2012). Os classificados foram premiados no Teatro João Caetano, no Rio de Janeiro, no último dia 30 de maio. Entre 320 participantes, os 10 projetos foram selecionados porque buscaram, segundo a comissão julgadora, soluções simples, inovadoras e que dispensam grandes investimentos. Também foi analisado o potencial multiplicador, a inclusão de segmentos culturais esquecidos, a valorização da Cultura loca e a promoção ao desenvolvimento sustentável.

Os 10 finalistas

Projeto Mestre Fantoche Escola, de Macaé;
Oficinas Grupo Teatro Novo, de Niterói;
Cordel com a Corda Toda, de Nova Iguaçu;
Livro no Ponto, de Petrópolis;
Educando e Musicalizando São Sepé, de Pinheiral;
Projeto Lona na Lua, de Rio Bonito;
Mandala dos Saberes – Uma tecnologia Social, do Rio de Janeiro;
Projeto 5 Visões – Formação Técnica em Audiovisual (P5V), do Rio de Janeiro;
Projeto Dançarte, de São Fidélis;
Plantando Ideias, Colhendo Soluções; de São José de Ubá.

Cuidado com os verdadeiros “Fichas Sujas”!

Flávio Azevedo

Por sete votos a quatro, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu no último dia 16 de fevereiro que a Lei da Ficha Limpa é constitucional e valerá a partir das eleições municipais deste ano (2012). Com isso, não disputarão eleições por pelo menos oito anos, vários políticos brasileiros que renunciaram ao cargo ou foram condenados por órgãos colegiados da Justiça. A decisão alcança casos anteriores à existência da Lei.

A Suprema Corte decidiu que os condenados em segunda instância da Justiça não podem disputar eleições apesar da possibilidade de serem inocentados posteriormente. Os defensores da ideia advogam que impossibilidade de candidatura não é pena, e sim pré-requisito.

Parabéns ao STF que aprovou a referida Lei e congratulações as instituições civis que fomentaram esse projeto. Contudo, está faltando algo. Caso a Lei da Ficha Limpa consiga banir parte dos “Ficha Sujas” do cenário político brasileiro, infelizmente o mesmo não acontecerá aos eleitores “Fichas Sujas”. E agora? Esses bandidos travestidos de cidadãos ficarão impunes? Não existe instrumento para acabar com essas figuras, que, diga-se de passagem, são bem piores que o político Ficha Suja?

Vamos citar o caso de Rio Bonito, aonde a exploração do tema “Ficha Suja” chegou a um nível tão desagradável que um assunto tão importante já caiu no ridículo. Aliás, isso está acontecendo exatamente por conta dos tais eleitores “Ficha Suja” que se amontoam ao redor dos políticos cobiçando a almejada função de “ASPONE”, que significa “Assessor de Porra Nenhuma”.

Se a ex-prefeita Solange Almeida estava sendo massacrada com essa história de “Ficha Limpa” (ela realmente está na lista); agora a artilharia está virada para o prefeito José Luiz Antunes (que também está na lista). E ele será massacrado. Fica, porém, a pergunta: “quem será a próxima vítima? Vale ressaltar que em termos de eleição e resultado eleitoral, isso é uma grande perda de tempo. Todavia, infelizmente, esse é o retrato da política riobonitense!

Se esse tipo de reportagem tivesse resultado positivo, o ex-prefeito Aires Abdala, cassado em 1991, não teria recebido cerca de 10 mil votos nas eleições de 2000 (não foi eleito por detalhes). Aliás, se esse expediente funcionasse, Solange Almeida não teria sido reeleita naquele ano.

Se esse tipo de reportagem tivesse resultado positivo, o atual prefeito não teria sido eleito em 2004 e reeleito em 2008. Se esse tipo de reportagem tivesse resultado positivo, a ex-prefeita não estaria tão bem colocada nas pesquisas para as eleições desse ano. Se esse tipo de reportagem tivesse resultado positivo, o deputado estadual Marcos Abrahão não estaria no seu terceiro mandato na Alerj! E, detalhe, apesar do histórico (nada foi provado contra ele), Marcos será deputado enquanto quiser.

Concluindo, os políticos da nossa cidade e os seus aspones (os verdadeiros ficha suja) continuam sem saber lidar com campanha política. Eles insistem em transformar um tema que é fundamental para o bom andamento da sociedade num circo de horrores. Diante desse cenário grotesco, os resultados são dois: a perda do interesse pela política e o estímulo a corrupção eleitoral!

Caso o real interesse seja esse, creio que todos os grupos políticos estão mandando bem em suas artimanhas, engodos e sofismas!

Controvérsias e equívocos nas análises e comentários sobre o Teatro de Silva Jardim

Texto: Flávio Azevedo
Foto: Leon Coimbra

No último dia 31 de maio, Silva Jardim abriu as portas do Teatro Zezé Macedo. Nas próximas semanas, o município de Tanguá também vai inaugurar o seu teatro. E o Teatro Municipal de Rio Bonito, alguém sabe informar a sua localização? Ué... Não tem? Mas por que ainda não construíram um equipamento desses por aqui? Estamos falando da “cidade risonha”, que é cantada em prosas e versos como sendo um celeiro de artistas, músicos, poetas, escritores e intelectuais.

Como se não bastasse, eu estou lendo e ouvindo pessoas questionando a construção de um teatro em Silva Jardim, sob o argumento de que a “Terra do Capivari”, em comparação a Rio Bonito, é pequena e tem poucos habitantes. Mas espere um momento: “quem disse que esses poucos moradores do município vizinho não têm direito ao lazer e ao teatro?”.

Esse tipo de pensamento inverte o debate sobre o setor cultural de Rio Bonito, que há alguns anos está em coma e respira com a ajuda de aparelhos. Na propalada “Cidade Risonha” não se sabe ao certo onde é a “Casa da Cultura”; a Biblioteca Municipal Celso Peçanha, está espremida sobre o Supermercado Tinoco; e a Secretaria Municipal de Cultura... Foi fechada e transformada num departamento sem graça, e, sem ação, da Secretaria Municipal de Educação e ‘Cultura’. Uma iniciativa bisonha, sem sentido, inclusive muito lamentada por quem, à época, comandava a cidade.

Segundo informações que obtivemos do prefeito de Tanguá, Carlos Pereira, nas próximas semanas o município, que até recentemente era um Distrito de Itaboraí, também terá o seu Teatro Municipal. Já Rio Bonito, que conta com o projeto “Lona na Lua”, galera que está ganhando prêmio por onde passa, não tem um teatro... Não tem sequer uma sala de cinema. Não fosse a “Sociedade Municipal e Dramática Riobonitense”, e mais recentemente, o “Espaço Cultural Lona na Lua”, agora sediado na Avenida Sete de Maio, o cenário poderia ainda ser mais assustador.

Na qualidade de filho de poeta, músico, letrista e compositor, eu gostaria de agradecer ao prefeito José Luiz Antunes, o fato da nossa cidade não ter um teatro. O senhor é conhecido como “o prefeito das obras”, mas esqueceu dessa. O meu agradecimento também se estende a ex-prefeita Solange Almeida, que também não construiu o nosso teatro. A senhora é conhecida como “a prefeita que gosta de gente”, mas por ter fechado a Secretaria de Cultura, também carrega o apelido de “prefeita que não gosta de Cultura”.

Acrescento a esses personagens, os ex-prefeitos Alcebíades Moraes Filho (um dos escritores riobonitenses) e Aires Abdala, que deixaram muitas realizações em nossa cidade, mas não deixaram um Teatro Municipal. Segundo os mais antigos, no tempo que esses senhores e seus antecessores, administravam Rio Bonito, a nossa cidade tinha Carnaval, Festivais de Poesia, Festivais da Canção, mas eles não construíram o teatro e permitiram que o nosso cinema falisse e fechasse.

Quando alguém pergunta, “por que esses eventos acabaram?”, a resposta está aí. Por que em Rio Bonito, a vida toda, a Cultura morou de favor. Ela nunca teve uma um espaço exclusivo dela. Isso, porém, é perfeitamente compreensível, quando se percebe que a Cultura, e, logicamente, o teatro, estimulam a opinião, fomentam o espírito crítico e provocam o questionamento.

Quando paramos para analisar a história política e social de Rio Bonito, nós descobrimos porque a Cultura nunca foi tratada com o devido respeito e apresso. Exatamente para que não tivéssemos pessoas opinando, pessoas criticando, pessoas questionando, e, sobretudo, pessoas pensando. Isso precisa mudar!

Por outro lado...

... Para que teatro? Fazemos essa pergunta baseados nas críticas dirigidas aos poucos eventos que acontecem em nossa cidade. Já observaram que todas as vezes que se comemora o aniversário de Rio Bonito, a censura de parte da população é grande? Estão lembrados da enxurrada de reclamações às Exposições Agropecuárias? O amigo leitor lembra a quantidade de baboseiras que foram ditas, quando a Prefeitura idealizou e realizou o “Natal Bonito”?

Acontece que várias pessoas não enxergam o Lazer, como uma política pública tão importante quanto a Saúde, a Educação, a Segurança, o Transporte, etc. Talvez seja baseado nessa lógica estrábica que o atual governo, o anterior e os que lhes antecederam não construíram um Teatro Municipal em Rio Bonito. Penso que nós deveríamos ser mais incisivos em nossas críticas, mas falando menos bobagem!