quarta-feira, 2 de março de 2011

Incêndio destrói prédio da antiga Estação Ferroviária de Rio Bonito

Por Lívia Louzada/Folha da Terra

Quase uma semana depois da Prefeitura de Rio Bonito ter conseguido da Ferrovia Centro-Atlântica (FCA) a cessão do prédio da antiga Estação Ferroviária, localizada em frente a Praça Astério Alves de Mendonça, no Centro da cidade, o prédio pegou fogo, na tarde do dia 22 de fevereiro de 2011. As chamas começaram por volta das 13h, e cerca de seis minutos depois, homens do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil, já estavam no local tentando conter o fogo, que foi controlado por volta das 15 horas.

Já era quase 17h, quando as chamas voltaram, com o incêndio sendo novamente controlado pelos bombeiros. Embora as labaredas e uma grande cortina de fumaça tenham sido vistas à distância, ninguém se feriu. Todo o telhado da antiga construção foi destruído. A causa do incêndio ainda é desconhecida.
Por causa dos fios de alta tensão que passam próximo ao prédio, a Ampla foi chamada, mas só às 15h, técnicos da empresa chegaram para desligar a energia. A demora atrapalhou o trabalho dos bombeiros, que ficaram impedidos de jogar água em alguns pontos do prédio, por causa da fiação.

O vice-prefeito Matheus Neto, os secretários de Desenvolvimento Urbano e de Obras, Isaías Class e Eleilton Figueiredo, respectivamente, além de policiais militares, e guardas municipais, acompanharam todo o trabalho de perto. A movimentação também atraiu curiosos na Praça Astério Alves, que se aglomeravam para ver o incêndio, e a todo momento perguntavam a causa do incêndio. Matheus Neto se disse indignado com o descaso da Ampla em relação ao incêndio na cidade. “Funcionou tudo, menos a Ampla”, disse Matheus, se referindo também a ajuda oferecida pela Defesa Civil da cidade, que cedeu um caminhão pipa, que presta serviço ao órgão, para ajudar os bombeiros.
“O incêndio começou perto dos quiosques (ao lado da Estação). E não podemos mais jogar água onde tem fogo, porque senão pode dar curto nos dois ramais de energia, que estão ligados”, disse o vice-prefeito no momento em que os bombeiros já tinham controlado boa parte do fogo.

A primeira pessoa que acionou o Corpo de Bombeiros quando viu o início do incêndio, foi o guarda municipal Diego Charrê, que estava em seu posto, no alto da Rodoviária, e teve uma visão privilegiada do telhado da Estação, onde existe a hipótese de ter começado o fogo, que se espalhou rapidamente.

Medo

Como o fogo estava se espalhando e chegando próximo do prédio da Rodoviária Moraes Filho, artesãs da Estação das Artes, que funciona dentro do Terminal, retiraram as mercadorias à venda, e se abrigaram na loja Aécio Modas, localizada em frente a Estação Ferroviária.

A presidente da associação dos artesãos, Jurema Mendonça, disse que se no momento que as labaredas estavam mais fortes, estivesse ventando muito, com certeza o prédio da Rodoviária pegaria fogo também. “Estava pegando fogo na árvore, perto da Estação. As labaredas estavam muito altas, e a fumaça estava vindo para o lado de cá (se referindo à direção do Terminal), então começamos a esvaziar a loja por causa do vento, que poderia aumentar”, disse.

Ação rápida

De acordo com o comandante do Destacamento de Bombeiros Militar (DBM) de Rio Bonito, tenente Gabardo (à esquerda na foto acima), o incêndio na antiga Estação Ferroviária, foi o primeiro grande evento que a equipe enfrentou na cidade. Ele disse que para conter o fogo, recebeu a ajuda da Prefeitura. “Esse foi o evento de maior proporção que enfrentamos em Rio Bonito. A chegada do carro pipa, conseguido pela Prefeitura (Defesa Civil), foi uma ajuda muito importante”, disse o tenente.

Ainda segundo o comandante, se a chegada do Corpo de Bombeiros não tivesse sido rápida, o fogo poderia ter atingido a Rodoviária. “O fogo se alastrou por causa do calor, e por conta das madeiras secas. Por causa da demora da Ampla, tivemos que derrubar o resto da madeira que sustentava o telhado da construção, para que o fogo não continuasse, já que não podíamos jogar água por causa da fiação elétrica. Se não tivéssemos chegado rápido, o fogo tinha chegado até a Rodoviária”.

Autorização

Nos últimos anos, a antiga Estação Ferroviária, abandonada pela Ferrovia Centro-Atlântica (FCA), foi invadida por mendigos. A Prefeitura de Rio Bonito vinha tentando a cessão do prédio, onde já havia funcionado a Estação das Artes. Na última semana, a FCA, através de um ofício, autorizou a Prefeitura a ocupar novamente o imóvel, com o consentimento da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).
O prefeito José Luiz Antunes afirmou, durante a inauguração do projeto Corredor Cultural, na Rodoviária Moraes Filho, no último dia 18, que irá transferir a Biblioteca Municipal para o local, que deverá ganhar também um memorial digitalizado da Estação Ferroviária e uma sala de espera climatizada para atender aos taxistas

4 comentários:

  1. Coincidencia apenas? Ou uma boa forma de a prefeitura se livrar da estação? Ralph www.estacoesferroviarias.com.br

    ResponderExcluir
  2. Agora podem justificar a construção de um prédio do jeito que os arquitetos querem.

    ResponderExcluir
  3. Passado mais de um ano e nada aconteceu. O prédio continua abandonado e retratando os dias de abandono vividos na cidade. Veja em http://limpezariomeriti.blogspot.com.br/2012/07/centro-de-rio-bonito-abandono.html

    ResponderExcluir
  4. Infelizmente...No Brasil a ferrovia é tratada com descaso. Coisas estranhas como essa são os artifícios criados pelo poder público para minguar a ferrovia cada dia mais. Como nada se apura neste país, vai ficar o dito pelo não dito. A ideia que se tem é que no Brasil, político tem aversão a trens...

    ResponderExcluir